Gazeta Esportiva

Pai e filho dividem título da 9 de Julho e relação construída no ciclismo

Thiago Trolize* - São Paulo,SP

05/07/17 | 10:00 - 06/07/17 | 10:42

Filho e pai dividem rotina de treinos e até uma relação vitoriosa com a 9 de Julho (Foto: Marcelo Ferrelli/ Gazeta Press)

Campeão dos aspirantes da Prova Ciclística 9 de Julho em 2016, Daniel Conti busca o título neste ano, pela 71ª edição do evento, e tem um grande inspiração: o pai, Julio César Conti, que faturou a categoria em 2004. Os dois têm uma relação em que o ciclismo é fator determinante e serviu para uni-los ainda mais.

Julio e Daniel estiveram presentes no penúltimo congresso técnico promovido pela organização do evento, no último domingo, e contaram a importância do esporte na vida dos dois. O pai, amante do esporte, revelou que ver o filho seguindo o mesmo caminho foi algo gratificante.

Leia também: Aspirante encontra no ciclismo a chave para superar um infarto

"Ver ele na bicicleta é uma emoção que não tem explicação. Eu sempre falo que logo que a minha esposa engravidou, sabia que era menino, era um sonho ver ele pedalar comigo. Teve até uma vez que eu estava na estrada com ele e a gente parou. Foi um momento em que eu me emocionei e falei: 'olha, eu agradeço você estar aqui comigo'. Era um sonho que eu tinha antes de ele nascer", contou Julio.

O pai também comentou sobre o orgulho em levar Daniel para diversas competições. Ele disse que começou desde cedo a inscrever o garoto para competir e que tenta ajudá-lo na difícil tarefa de conciliar os estudos e o trabalho com o ciclismo, mesmo com todas as dificuldades.

"Desde novinho eu levo ele para fazer as competições. Na primeira, que foi um Campeonato Paulista, ele foi campeão. E de lá para cá, a gente vem tentando, mesmo sem patrocínio, a gente tem uma bicicletaria que ajuda, a Ciclo Havena. A gente sempre segue tentando fazer o melhor. Levando ele para um caminho bom, que é o esporte", declarou Julio, que ainda completou.

"Eu ainda pedalo, mas infelizmente já roubaram três bicicletas nossas, uma minha, uma dele, depois uma minha de novo. A gente sempre lutando. Porque a gente trabalha. Temos que levantar muito cedo para treinar, acordar 4h, sair embaixo de chuva. Sempre almejando ser o melhor, na medida do possível. E ele trabalhando agora, fazendo faculdade, fica tudo muito difícil".

Não perca: "Voz" da 71ª 9 de Julho, Maquininha exalta privilégio de trabalhar na prova

Daniel se emociona ao falar da importância de Julio no ciclismo e na vida (Foto: Marcelo Ferrelli/ Gazeta Press)

Pelo lado de Daniel, as palavras ao falar do pai são ainda mais emocionantes. Chorando copiosamente, o jovem estudante de publicidade e propaganda dedicou todas as vitórias e o esforço a Julio e exalta que só consegue competir graças ao taxista.

"Desculpa a emoção. Mas é difícil quando é para falar do meu pai. É um cara que sempre esteve comigo. Ano passado na prova, ele correu junto comigo também. Via sempre ele chegando dos treinos quando eu era pequenininho, sempre tive esse sonho. O dia que a gente foi assaltado foi um pesadelo para mim. E agora tive ajuda de amigos meus para tentar recuperar a bike de novo. A que eu uso hoje veio de uma vaquinha", apontou Daniel.

O jovem competidor, que estará no evento do próximo domingo, ainda ressaltou a importância da 9 de Julho para a relação com o pai. "Cara, essa prova significa muito para a gente. Ver ele ganhando... Eu não entendia muito do esporte, quando ele ganhou em 2004, mas eu sabia o peso".

*Especial para a Gazeta Esportiva

Deixe seu comentário