COPA DO MUNDO 2018 RÚSSIA
Federer foi campeão neste domingo (Foto: Thomas KIENZLE / AFP)

O dia foi de alegrias para Roger Federer. Depois de vencer o ATP 250 de Stuttgart e voltar a ser o número um do ranking da ATP, o suíço viu sua seleção arrancar um empate diante do Brasil, por 1 a 1, pela primeira rodada da Copa do Mundo.

Por meio de sua conta no Twitter, o atleta elogiou a performance da Suíça na partida do Mundial e ainda desejou sorte ao Brasil no restante da campanha.

“Cheguei em casa a tempo de assistir Suíça x Brasil. Ótimo esforço da Suíça e boa sorte para o Brasil no restante do caminho”, publicou Federer.

O próximo embate dos europeus na Copa do Mundo será nesta sexta-feira, às 15h00 (horário de Brasília), em Kaliningrado, contra a Sérvia.



O atacante Neymar saiu mancando da Arena Rostov após o empate por 1 a 1 com a Suíça, neste domingo, na primeira partida da Seleção Brasileira na Copa do Mundo. Interpelado por jornalistas, porém, o jogador do Paris Saint-Germain garantiu estar bem para a sequência da competição.

“Foi uma pancada, normal, nada preocupante”, tranquilizou Neymar, que chegou a abrir mão de cobrar um escanteio no segundo tempo da partida por causa das dores. O médico Rodrigo Lasmar, da Seleção Brasileira, concordou com a avaliação do atleta.

O jogador mais renomado da Seleção Brasileira foi bastante caçado pelos suíços ao longo da partida. Das 19 faltas cometidas pelo time adversário, 10 foram em cima dele.

“Não tenho nada a falar sobre isso. Só tenho que tentar jogar futebol”, afirmou Neymar, evitando polemizar também com a arbitragem. Ele foi um dos que não quiseram reclamar demasiadamente da falta não assinalada de Zuber sobre o zagueiro Miranda no gol suíço. “Temos que nos preocupar em jogar futebol, e não com o trabalho deles”, resignou-se.

Neymar e os seus companheiros voltarão a entrar em ação pelo grupo E da Copa do Mundo na sexta-feira, contra a Costa Rica, em São Petersburgo.



Antes do Brasil estrear na Copa do Mundo com um frustrante 1 a 1 diante da Suíça em Rostov do Don, a Alemanha já havia perdido para o México, a Argentina empatado com a Islândia, assim como Espanha e Portugal, que se enfrentaram e vão para a segunda rodada em busca da primeira vitória. Situações incômodas e semelhantes entre alguns dos favoritos ao título mundial. Nada disso, porém, serve de desculpa ou argumento para o resultado da Seleção Brasileira. Quem avalia assim é Gabriel Jesus.

“Primeiro que a gente não tem que pegar de espelho outras seleções, eles empataram, perderam… São eles. A gente queria ter ganho. Somos o Brasil, e o Brasil sempre quer conviver com a vitória. Não estamos satisfeitos com o resultado, é obvio, mas não tem nada perdido”, afirmou o camisa 9, na zona mista da Arena Rostov, pouco antes de deixar o estádio russo.

A avaliação do centroavante, aliás, não é de críticas ao desempenho da equipe canarinho. Muito pelo contrário. O jogador do Manchester City acredita que o Brasil jogou o suficiente para sair de campo com os três pontos.

“Eu acredito que a gente fez um bom primeiro tempo, como fizemos um bom segundo tempo. O que complica é o gol, e a gente tomou (ogol) no segundo tempo, quando a gente ficou mais com a bola. Acredito que a gente fez uma excelente partida, mas não conseguimos a vitória”.

Substituído por Roberto Firmino aos 33 minutos do segundo tempo, o ex-palmeirense protagonizou um dos lances de maior discussão na partida. Em disputa por espaço com o zagueiro Manuel Akanji depois de bola enfiada por Renato Augusto, Jesus foi ao chão dentro da área. O árbitro mexicano César Ramos, no entanto, nada marcou e tampouco solicitou o auxílio do VAR (árbitro de vídeo).

“Bom, eu deixei bem claro, porque me perguntara isso, meus companheiros, e eu disse que eu protegi, girei, consegui girar, a bola ficou limpa para mim e a bola limpa para mim, de frente para o gol, não tem por que eu me jogar. Recebi o contato, se o arbitro interpretou que não foi pênalti, vida que segue, assim como ele interpretou que no gol da Suíça não teve empurrão (em Miranda). Não cabe a nós ficar julgando”, protestou Gabriel Jesus, claramente em conflito com as palavras entre a indignação e ponderação pedida pelo técnico Tite nos comentários sobre os lances duvidosos.

De qualquer forma, o atleta de 21 anos deixou o palco da estreia da Seleção Brasileira na Copa do Mundo passando tranquilidade e confiança de que o objetivo segue o mesmo, sem grandes abalos. Agora, o foco é no confronto com a Costa Rica, antes do encerramento da primeira fase com os sérvios.

“Ninguém ganha um campeonato na primeira partida, nem perde. Temos dois jogos decisivos, como foi o de hoje. Claro que não queríamos empatar, mas também não perdemos, serve de aprendizado, mas serve para ver que não vai ser fácil. Temos de descansar daqui para o próximo jogo e entrar focado”, concluiu.

 



Torcedores mexicanos assistem estreia no Museu do Futebol (Foto: Sergio Barzaghi /Gazeta Press)

Desde o 7 a 1 aplicado pela Alemanha sobre a nossa Seleção na última Copa, o Brasil busca uma chance de derrotar os europeus como forma de revanche. Se esse sentimento já foi sentido nos Jogos Olímpicos do Rio 2016, quando o país conseguiu o ouro no futebol ao bater os alemães, neste domingo o México fez com que o brasileiro sentisse novamente esse gostinho de vingança.

Pelo menos era essa a sensação dentro do Museu do Futebol, localizado numa parte interna do estádio Pacaembu em São Paulo. Isso porque o local foi palco de uma reunião de torcedores mexicanos que vibraram muito com a vitória surpreendente de sua seleção sobre os atuais campeões mundiais.

Com uma torcida bastante animada, os mexicanos fizeram a festa no salão do evento de confraternização, que contou um telão para a transmissão da partida e comidas típicas do país norte-americano. Tudo para deixar os torcedores se sentido como se estivessem em seu país natal.

“É uma experiência sensacional. Você sente a emoção como se estivesse no seu país. Podemos reviver a nossa torcida, com os nosso gritos, nossa bandeira. Isso é muito legal, e é mais uma prova de como o Brasil é um país bastante receptivo, Hoje conseguimos vingar um pouco o 7 a 1 para os brasileiros”, afirmou o mexicano Miguel Garcia, que mora no Brasil há 24 anos.

Miguel Garcia acredita que o México vingou o pouco o 7 a 1 ao derrotar a Alemanha  (Foto: Sergio Barzaghi /Gazeta Press)

E esse sentimento de vingança não foi exclusivo dos estrangeiros no local, que também teve a presença de alguns brasileiros. Entre estes brasileiros que foram ao Museu do Futebol torcer pelo México estava Danilo, que se apaixonou pela cultura mexicana durante a infância e agora tem duas seleções no coração. Vestindo uma tradicional máscara de luta-livre, o torcedor se sentiu vingado pela derrota na semifinal na última Copa.

“Quando eu vi que o México iria enfrentar a Alemanha eu ganhei dois motivos para torcer por eles. Eles foram os nossos vingadores. Eles jogaram muito bem e conseguiram derrotar a poderosa seleção alemã com muito categoria”, declarou o torcedor que torce agora para que o México não enfrente o Brasil nas oitavas.

Após derrotar a atual campeã mundial, o México vai embalado para a próxima rodada da Copa do Mundo, quando enfrenta a Coreia do Sul, em Rostov, no próximo sábado, às 12h (de Brasília).

*Especial para a Gazeta Esportiva



No último sábado, a Nigéria não fez a estreia que gostaria na Copa do Mundo. Jogando em Kaliningrado, a equipe africana perdeu por 2 a 0 para a Croácia, e está na lanterna do Grupo D. Mesmo sem mostrar um grande futebol, os jogadores mantém otimismo e estão prometendo a recuperação nas próximas partidas:

“Estou desapontado com o resultado, mas nós vencemos e perdemos juntos. Vamos nos recuperar e ficar prontos para luar novamente. Estamos trabalhando duro para acertar as coisas”, afirmou Victor Moses pelas redes sociais.

O zagueiro Ekong, que acabou cometendo um pênalti tolo e infantil diante dos croatas, foi outro a utilizar as redes sociais para se manifestar. Além de postar fotos da partida, prometeu reação: “Não foi a estreia que desejamos. O time agora está focado e preparado para o próximo jogo”, disse o defensor.

A Nigéria está no Grupo D do Mundial, com Argentina, Islândia e Croácia. As Águias estão em último lugar, com nenhum ponto conquistado. O próximo compromisso do time será na sexta-feira às 12h00 (horário de Brasília), em Volgogrado.

Moses prometeu que a Nigéria irá reagir (Foto: Ozan Kose/AFP)


O Brasil estreou empatando com a Suíça (Foto: Pascal Guyot/AFP)

O Brasil foi para o intervalo na partida diante da Suíça, neste domingo, na estreia da equipe na Copa do Mundo, vencendo com um lindo de Phillippe Coutinho. Os suíços, contudo, chegaram ao empate na segunda etapa. No entanto, o futebol deu lugar à polêmica no segundo tempo do jogo.

No lance do tento de empate dos suíços, Zuber empurrou Miranda para cabecear sozinho. O árbitro de campo não viu a falta e o de vídeo não entrou em ação para indicar a infração. Mais tarde, Gabriel Jesus foi derrubado dentro da área e mais uma vez o recurso das imagens não foi utilizado e o jogo continuou sem a marcação da falta.

As jogadas deram o que falar nas redes sociais, inclusive, a palavra “juiz” foi uma das mais mencionadas no twitter durante o decorrer do embate, de acordo com a FSB Comunicação. Dentre os jogadores brasileiros, Neymar foi o mais citado, com Phillippe Coutinho, Alisson Becker e Roberto Firmino vindo em sequência.

O lance do gol suíço foi comentado por Tite na entrevista coletiva posterior à partida. “Vou falar só uma vez. O lance do Miranda foi muito claro. Não estou justificando o resultado. Absolutamente, não. Quem me conhece sabe disso. Mas não foi pouco. Foi muito claro.”

A Seleção Brasileira busca reabilitação diante da Costa Rica, que perdeu na estreia para a Sérvia, na próxima sexta-fera, às 9h (de Brasília), em São Petersburgo.



Tite admitiu que estava bastante ansioso às vésperas da estreia na Copa do Mundo da Rússia. Para o treinador, esse sentimento foi generalizado e prejudicou a Seleção Brasileira após sofrer o gol de Zuber no empate por 1 a 1 com a Suíça deste domingo, na Arena Rostov.

“A Suíça fez o gol de bola parada, e nós mantivemos o nível normal do Brasil, mas com uma diferença: a ansiedade bateu forte”, reconheceu Tite. “O time apressou demais o jogo. Isso se traduz nas finalizações. Quando você apressa as jogadas, o último movimento fica impreciso. De 20 finalizações nossas, um número muito grande foi para fora. Se estivéssemos melhores mentalmente, poderíamos ter marcado o gol ou, pelo menos, feito o goleiro trabalhar mais”, acrescentou.

Além de ansiosa, a Seleção Brasileia se irritou com o árbitro mexicano César Ramos, que não assinalou uma falta sobre Miranda no gol de Zuber. Mais tarde, aos 27 minutos do segundo tempo, o profissional escalado pela Fifa também mandou o jogo seguir após o centroavante Gabriel Jesus ser agarrado por Akanji dentro da área.

Tite acredita que tudo seja uma lição para a sequência do Mundial. “Temos que saber absorver quando tomamos o gol. As condições de produzir mais são maiores quando estamos equilibrados, no nosso normal. Emocionalmente falando, sentimos o gol. Isso serve de aprendizado. As nossas finalizações têm que ser mais precisas, contundentes”, reforçou.

O treinador usou essa análise também quando foi questionado especificamente sobre Neymar, que não se destacou diante dos suíços. “Mas a ansiedade bateu no técnico também”, equiparou-se Tite, incomodado com o empate com os suíços. “É claro que eu tinha a expectativa de vitória. Estou contente com o resultado? É claro que não”, concluiu.



No segundo tempo, a apreensão tomou conta do público, que sonha com o Hexa (Foto: SERGIO BARZAGHI / Gazeta Press)

Neste domingo os mais de 200 milhões de brasileiros assistiram a estreia da seleção na Copa do Mundo da Rússia. Destes, 25 mil estiveram no Vale do Anhangabaú, no Centro de São Paulo, onde o público aproveitou os mais de 23 mil metros quadrados estruturados para assistir o empate da Seleção Brasileira diante da Suíça por 1 a 1.

Com uma expectativa alta para a partida, a torcida parecia não se importar com os baixos 19ºC que apresentavam no local e se mostrava bastante empolgada para ver a primeira partida da equipe de Tite na Rússia. Para muitos, a sensação de assistir a partida num local assim serve para se sentir como se estivesse no palco da partida.

“Aqui você se sente como se estivesse no estádio. Se estivesse em casa estaria torcendo sozinho e é bem mais chato. Eu gosto de vir aqui e ver a emoção do pessoal”, declarou Rodrigo, que quer ver a Seleção Brasileira enfrentando a Argentina na decisão na Rússia.

Dentre a multidão, alguns torcedores escolheram mostrar a sua torcida até mesmo pela fantasia que vestia. Este foi o caso da maratonista Animal, que pintou o rosto de verde amarelo, colocou uma grande peruca colorida e passou um batom azul para assistir o primeiro jogo brasileiro na Copa.

“Eu gosto muito do clima da Copa do Mundo. Apesar de não ser muito fã de futebol, eu adoro a Copa. É o mundo inteiro jogando e todo mundo torcendo pelo seu país. É um clima muito leve e eu adoro”, declarou a maratonista que garantiu a sua presença em todos os jogos do Brasil, sempre com uma fantasia diferente.

A maratonista “Animal” chamou a atenção por entre o público  (Foto: SERGIO BARZAGHI / Gazeta Press)

Ao final do jogo, nem mesmo o empate por 1 a 1 no duelo contra os suíços na estreia desanimou o público do evento. Isso porque a grandíssima maioria atribuiu o tropeço como resultado de uma arbitragem polêmica do mexicano Cesar Ramos, que não utilizou o auxílio da tecnologia em dois lances polêmicos no segundo tempo. Após as polêmicas, o publico fazia uma forte vaia toda vez que o apitador aparecia no telão.

“O resultado não desanima em nada porque a arbitragem errou. O árbitro de vídeo não funcionou e o Brasil foi bastante prejudicado. Se o juíz desse o pênalti e a falta no Miranda no gol da Suíça nós venceríamos o jogo”, avaliou Nícolas Camarga, que foi mais uma a garantir que irá assistir os outros jogos da Seleção no Vale do Anhangabaú.

Dessa forma, a expectativa é de um novo bom público no Vale do Anhangabaú na próxima sexta-feira, quando a equipe de Tite retorna a campo para enfrentar a Costa Rica. A busca pela primeira vitória na Copa acontece às 9h (de Brasília), em São Petersburgo.

*Especial para a Gazeta Esportiva