Raphael Veiga projeta temporada sem lesões e destaca mescla com garotos no elenco do Palmeiras - Gazeta Esportiva
Raphael Veiga projeta temporada sem lesões e destaca mescla com garotos no elenco do Palmeiras

Raphael Veiga projeta temporada sem lesões e destaca mescla com garotos no elenco do Palmeiras

Gazeta Esportiva

Por Redação

04/01/2023 às 16:01

São Paulo, SP

Sem anunciar reforços para a temporada, o Palmeiras aposta na manutenção de peças importantes do elenco. Uma delas é o meia Raphael Veiga que, mesmo com lesões, foi um dos grandes protagonistas da equipe em 2022. Nesta quarta-feira, durante os treinos de pré-temporada na Academia de Futebol, o camisa 23 projetou um ano ainda melhor sem lesões.

“Até postei no meu Instagram que foi meu melhor ano em questão de números, mas eu acho que, em questão de performance e constância, meu ano de 2021 foi melhor. Ano passado, tive duas lesões que me prejudicaram e voltei com um pouco de receio”, disse o jogador.



“Esse ano quero ser constante, espero não ter nenhuma lesão que possa me tirar dos jogos. Igual o Abel colocou: é fazer o mesmo, mas melhor. Então é manter o que eu vinha fazendo antes, de um jeito mais consistente”, completou.

Mesmo com as lesões, Raphael Veiga viveu a sua melhor temporada em números em 2022. Foram 48 jogos, com 21 gols marcados, com uma média de 0,43 tentos por partida.

Pelo desempenho e o protagonismo conquistados nos últimos anos, Raphael Veiga chega em 2023 como uma das referências do elenco palmeirense, que ainda não conta com reforços vindos do mercado. As únicas novidades foram as efetivações de sete atletas das categorias de base, que passam a integrar de maneira definitiva o time de Abel Ferreira.




Raphael Veiga destacou positivamente a mescla entre experiência e juventude no plantel palmeirense e lembrou de seus primeiros anos no Verdão, quando chegou com apenas 21 anos.

“Já passei por isso, mas do outro lado. Quando eu cheguei, tinham jogadores mais velhos e eu com 21 anos. Acho importante essa mescla, porque os jogadores mais jovens vêm com aquela vontade de mostrar, de jogar, fazer de tudo. Hoje tenho 27 anos, não me considero velho, mas perto dos meninos sou mais experiente e já com uma certa noção dos caminhos que dá para encurtar. Eles nesse vigor e nós na experiência conseguimos achar o equilíbrio nos treinos e nos jogos, e quem ganha com isso é o Palmeiras”, analisou o meia.

Conteúdo Patrocinado