Gazeta Esportiva |

Gêmeas do vôlei esperam voltar à Seleção e focam na final da Superliga

Em Mais Esportes, Olimpíadas 2016, Vôlei
Atualizado em 02/04/2016 - 18:52:00 Compartilhe
* Camila Del Manto, Lucas Sarti e Pedro Cardoso - São Paulo , SP
BLABLABLA (foto: Divulgação/CBV)
Michelle e Monique se encontraram em treino nesta sexta-feira (foto: Divulgação/CBV)

Neste domingo, Rexona-AdeS (Rio de Janeiro) e Dentil/Praia Clube entram em quadra para a disputa da grande final da Superliga feminina. A partida acontece às 9 horas, e será realizada em Brasília. A decisão, que por si só já reserva emoções à flor da pele, terá um tempero especial para duas adversárias.

De um lado, Monique Pavão, oposta do Rexona-AdeS, e de outro, Michelle Pavão, ponteira do Praia Clube. As irmãs gêmeas, que já atuaram juntas no clube mineiro, no carioca e até na Seleção Brasileira, estão prontas para deixar a família de lado no grande duelo.

Em contato com a Gazeta Esportiva, as jogadoras falaram sobre a final e como será cada uma estar em um dos lados da rede. Para a oposta, enfrentar a irmã é especial, porém, toda a atenção da atleta está direcionada à sua equipe.

“Nos falamos, como nos falamos sempre. Desejamos boa sorte. Claro que sempre vamos torcer uma pela outra. Mas somos profissionais e, a partir de agora, é cada uma pensando no seu time”, afirmou.

Já Michelle, exaltou que os dois times se prepararam bastante para o duelo, e preferiu deixar as conversas com a gêmea em segundo plano, principalmente aquelas relacionadas ao jogo.

As gêmeas mostram simpatia, e muito carinho, pelas redes sociais (Foto: Reprodução/Instagram)
As gêmeas mostram simpatia, e muito carinho, pelas redes sociais (Foto: Reprodução/Instagram)

“Agora nos enfrentaremos em uma final, então vamos nos falar pouco. Estamos estudando o time do Rio, e tenho certeza de que o Bernardinho irá analisar muito a equipe do Praia. Não podemos falar sobre as táticas, porque isso é segredo, por isso vamos esperar para colocar em prática no domingo”.

As atletas vivem um grande momento, cada uma em seu clube. Monique foi eleita a melhor jogadora da última partida da série semifinal contra o Osasco. Michelle, pela excepcional atuação diante do Minas, também levou o prêmio Viva Vôlei, entregue à melhor jogadora em quadra. A boa fase é comemorada pela família.

“Nossa família está muito feliz, é claro. É uma realização. Eles serão campeões de qualquer jeito. Mas deixamos as emoções com eles e focamos no nosso trabalho”, declarou a jogadora do Rexona-AdeS.

Michelle é uma velha conhecida do Rio de Janeiro. Bicampeã pelo time carioca, em 2008 e 2009, a experiência e o conhecimento do técnico Bernardinho podem ajudar a ponteira a levar o Praia Clube à conquista do título inédito. Promovido à Superliga em 2008, a equipe mineira melhorou seus resultados ano após ano, até chegar a tão sonhada semifinal, contra o arquirrival Camponesa/Minas. Na decisão, foram duas vitórias das meninas de Uberlândia, contra uma do time da capital.

“Esta temporada foi o resultado de um trabalho de oito anos do Praia. Está sendo um projeto muito bem feito, por toda a estrutura que o clube apresenta, e tudo que proporcionam para as jogadoras”, disse Michelle, que voltou ao time após uma passagem sem tanto brilho pelo Brasília.

Já Monique compartilhou com a irmã o bicampeonato do Rio de Janeiro, contudo, busca sua primeira conquista como titular. O fato de representar uma equipe com tanta tradição, uma vez que o time carioca já conquistou dez vezes a Superliga, empolga a atleta.

“Será minha primeira oportunidade de jogar uma final como titular. Estou muito feliz em estar nesse time que carrega tanta história no voleibol brasileiro. Queremos entrar em quadra domingo em busca dessa vitória, para coroar esta temporada tão difícil e equilibrada”.

Monique e Michelle já defenderam a Seleção Brasileira (Foto: Reprodução/Instagram)
Monique e Michelle já defenderam a Seleção Brasileira (Foto: Reprodução/Instagram)

O desejo de voltar à Seleção Brasileira é compartilhado por ambas, que torcem uma pela outra. As atletas já vestiram a amarelinha sob o comando do técnico José Roberto Guimarães. As gêmeas esperam voltar a vestir o manto.

“Atuar ao lado da minha irmã é sempre muito bom. Nós não temos mais a oportunidade de jogarmos juntas no clube, a última vez foi aqui pelo Praia, mas pela Seleção podemos, e é a realização de um sonho. Será muito importante ser lembrada pelo técnico José Roberto Guimarães, e sei que para a Monique também”, exaltou a ponteira.

Monique completou, mas preferiu não tirar o foco da decisão: “Penso em uma coisa de cada vez. Hoje, meu foco é todo na final, só estou pensando nisso. Convocação é uma consequência do que fizemos durante a Superliga. Se for chamada, irei dar meu máximo na Seleção também, mas hoje eu só estou pensando no Rexona-AdeS”, disse a oposta.

Destaques de suas equipes, as gêmeas seguem compartilhando a paixão pelo vôlei e a vontade de ver o sucesso uma da outra. Entretanto, neste domingo, apenas uma delas levantará a taça de campeã nacional. Para quem perder, restará a esperança de que, em agosto, as duas comemorem, juntas, uma medalha olímpica.

* Especial para a Gazeta Esportiva

Comente