COPA DO MUNDO 2018 RÚSSIA

A Arena Baltika, de R$ 1,1 bilhão, foi construída em Kaliningrado fundamentalmente para receber a Copa do Mundo de 2018. O território é conhecido como “a Rússia fora da Rússia” em função dos limites de fronteira terem sido estendidos não há muito tempo. Talvez nenhuma outra sede desse Mundial poderia ser mais propícia para a estreia da Croácia, país que também não goza de longa história desde sua independência.

Nesse cenário de afinidade, ninguém se sentiu mais à vontade em campo do que Luka Modric. Discreto, como a cidade que o acolheu, e fatal, como deve ser um meio-campista do Real Madrid, o camisa 10 e capitão croata foi eleito pela Fifa “o cara do jogo” na vitória sua e de seus companheiros por 2 a 0 em cima da Nigéria.

O jogador de 32 anos foi um capítulo à parte em um confronto longe de ser memorável, de mais imposição física do que de técnica apurada. Com toques refinados, muitas vezes simples e clareadores, Modric acertou 50 dos 54 passes que deu.

(AFP)

E se errou cinco dos sete cruzamentos que tentou, pouco importa, pois foram de dois cruzamentos seus, ambos em cobranças de escanteio, cada um de um lado do campo, que a Croácia conseguiu arrancar seus gols.

No primeiro, a bola causou desespero no miolo da zaga nigeriana até o gol contra de Etebo. Depois, Ekong preferiu agarrar Mandzukic dentro da área ao invés de interceptar a bola. Resultado: o pênalti que culminou com a única finalização de Modric na partida. Frio, o capitão não decepcionou. Tocou de leve junto à trave, rasteiro, depois do goleiro Uzoho deitar para o canto errado.

É inegável a importância de Mandzukic, Rakitic e até do reserva Kovacic para o grupo croata. Entretanto, sem alarde, Luka Modric mostrou que muito do que a seleção de seu país conseguir nessa Copa do Mundo vai depender da sua maestria.

A segunda rodada o colocará frente à frente com Lionel Messi, embate esse que Modric está acostumado a vivenciar na Espanha, quando tem o Barcelona do outro lado. A diferença é que enquanto o capitão europeu se apresenta leve e líder da equipe que detém a ponta do grupo D, o gênio argentino chega pressionado por uma resposta depois da decepcionante estreia com empate diante da Islândia, que deixou ameaçada a ida à segunda fase dos hermanos, muito por causa de uma penalidade perdida justamente daquele de quem mais se espera gol.

Luka Modric foi o cara da Croácia contra a Nigéria. Agora, o sonho do croata é ser mais que isso, talvez o símbolo de uma campanha histórica de uma seleção que estreou em Copas apenas em 1998.

 



Técnico do Brasil não vai dormir direito antes da estreia no Mundial da Rússia (foto: Pedro Martins/Mowa Press)

Tite está ansioso. Neste domingo, o técnico que tem somente uma derrota em 21 jogos à frente da Seleção Brasileira colocará o seu bom rendimento à prova na principal competição do planeta, a Copa do Mundo. A estreia contra a Suíça, na Arena Rostov, deverá tirar o sono do ex-corintiano.

“Mas não tomo remédios para dormir. Quem fez oito, nove cirurgias procura fugir disso”, sorriu Tite, neste sábado, véspera da partida. “Mas tento administrar os fantasminhas e ansiedade de alguma forma. Tenho o meu lado humano também. É normal gerar uma expectativa”, complementou.

Para administrar a ansiedade, o técnico se concentra nos ajustes finais do seu trabalho. “Fico no meu canto, procurando assistir a situações importantes, a exemplos que ocorreram dentro da própria competição, e preparar a palestra. Devo gastar energias no que é importante, e não desviar o foco para outras coisas”, comentou.

A estreia no Mundial da Rússia não mexe com as emoções apenas de Tite. Os seus jogadores também reconhecem que a primeira partida desperta tensão. Entre os torcedores, existe a expectativa de ver a equipe nacional iniciar o torneio como favorita quatro após dar vexame dentro de casa.

“O trabalho que fizemos até agora nos dá muitas expectativas, mas também a paz de saber que a preparação foi bem feita. Queremos ter um desempenho muito parecido com o das Eliminatórias e dos amistosos”, mirou Tite.

Apesar de compenetrado no seu trabalho, o técnico também se permite algumas superstições. Ao pisar no gramado da Arena Rostov neste sábado, para comandar o último treinamento do Brasil, ele deu o primeiro passo com o pé esquerdo. Depois, retornou, seguiu o exemplo dos seus comandados e entrou novamente com o direito.

“As pessoas entram com o pé direito, e não sou diferente de ninguém”, sorriu o lateral esquerdo Marcelo, ao ser questionado sobre o assunto. “Mas a sorte está do lado de quem trabalha”, ressalvou, enchendo Tite de orgulho.

O técnico pensa da mesma forma quando é abordado sobre a sua espiritualidade. “A oração, independentemente da religião, faz com que eu me torne um ser humano melhor. É o que busco. Não faço a oração para ganhar. Meu Deus é o Deus de todos”, discursou Tite.



A boa diferença no placar imposta pela Croácia diante da Nigéria, em confronto válido pela primeira rodada do Grupo D da Copa do Mundo, não se refletiu nas estatísticas do duelo. Diferentemente da confortável vitória neste sábado, os croatas não foram tão superiores nos números do jogo.

Aliás, nas finalizações, os africanos foram melhores. Foram 14 chutes ao total, contra 11 dos europeus. Destes, os nigerianos chutaram duas vezes ao gol, cinco para fora e tiveram sete arremates bloqueados pela defesa rival. Por outro lado, o time de Zlatko Dalic teve números parecidos: duas finalizações em direção às redes, sete para fora e duas bloqueadas.

Na posse de bola, “ponto” para Croácia, que teve 53% ao seu favor no quesito. Quanto aos passes, equilíbrio rigoroso: ambas as seleções tiveram eficiência de 81%, com os croatas tentando 448 passes contra 395 dos nigerianos.

Por fim, os aspectos defensivos do confronto também viram um cenário parecido para as duas equipes. O time liderado em campo por Luka Modric recuperou 39 bolas ao total, enquanto a Nigéria conseguiu efetuar o fundamento em 40 ocasiões. Nos desarmes, melhor para a Croácia: 16 a 7.

Na rodada seguinte da chave, os croatas enfrentam a Argentina em Nizhny Novgorod, às 15h00 (horário de Brasília) da próxima quinta-feira. Já a Nigéria tentará a recuperação na Copa do Mundo diante da Islândia, às 12h00 da sexta-feira.



Maradona quebrou as regras do estádio ao fumar um charuto (Foto: Juan Mabromata/AFP)

Diego Maradona, tido por muitos como o maior jogador argentino de todos os tempos, esteve no Estádio Spartak, na manhã deste sábado, para assistir à estreia da seleção argentina na Copa do Mundo. Das arquibancadas, o ex-camisa 10 viu a Islândia arrancar um empate após Messi perder um pênalti, e de óculos escuros espelhados, roubou a cena ao fumar um charuto.

O problema é que, dentro dos estádios da Copa do Mundo, é proibido fumar. O telão da Arena Spartak, inclusive, chegou a exibir um aviso da restrição, que ainda dizia “Bem-vindo à Copa do Mundo 2018 livre do tabaco”. Após a partida, El Pibe de Oro usou a sua conta do Instagram para pedir desculpas pelo ato, e também para falar sobre a partida.

Maradona postou uma foto com o charuto em mãos com a seguinte legenda: “Hoje foi um dia complicado para os argentinos, com muita tensão pela estreia. Cada um tem sua forma de sentir as coisas. Sinceramente, não sabia que não podia fumar no estádio, peço desculpas a todos e à organização. Vamos, Argentina. Vamos, nossos jogadores, agora mais do que nunca!”.

Os comandados de Jorge Sampaoli agora têm cinco dias para descansar antes de voltar a campo para encarar a Croácia, na quinta-feira, às 15h (de Brasília), na cidade de Nizhny Novgorod, em duelo fundamental para a classificação.



A primeira rodada do grupo D da Copa do Mundo prometia um confronto direto entre Croácia e Nigéria, aparentemente duas candidatas à segunda vaga em uma chave que conta com a Argentina, atual vice-campeã e equipe liderada por Lionel Messi. Na prática, o destino reservou um sábado muito mais saboroso e animador para o pequeno país europeu.

Primeiro, os favoritos sul-americanos tropeçaram diante da esforçada e estreante Islândia. Pouco depois, um gol contra e um pênaltis infantil, ambos oriundos de cobranças de escanteio, garantiram aos croatas a vitória por 2 a 0 em cima dos africados.

O resumo da rodada de abertura no grupo D é uma Croácia com a classificação bem encaminhada, isolada na ponta, com três pontos. Argentina e Islândia, nessa ordem, vêm atrás, cada uma com um ponto cada, enquanto os nigerianos seguram a lanterna zerados.

Derrotada pelo Brasil em amistoso às vésperas do Mundial na Rússia, a Croácia adotou uma postura diferente do que se viu na Inglaterra, contra a seleção de Tite. Talvez mexidos pela massa de torcedores que se deslocou à Arena Baltika, em Kaliningrado, os croatas tomaram a iniciativa e ditaram o ritmo desde o apito inicial.

Com as estrelas Modric e Rakitic, rivais na Espanha, onde defendem Real Madrid e Barcelona, respectivamente, coordenando as jogadas, Mandzukic era abastecido com frequência, e correspondia dando muito trabalho aos defensores da Nigéria.

A insistência ofensiva, mesmo que sem tanta técnica ou habilidade, foi recompensada com um gol aos 31 minutos. Modric cobrou escanteio, Mandzukic deu de peixinho, e a bola, que sairia pela linha de fundo, acabou desviando no coitado Etebo antes de mudar de rumo e ir para as redes.

A única resposta nigeriana antes do intervalo se deu quase nos acréscimos, e levou perigo. Iwobi arrematou sobra de bola na entrada da área e só não correu para o abraço porque Lovren meteu o pé no meio do caminho e bloqueou a bola.

O susto não passou de um susto. Se o jogo não agradava aos saudosistas do futebol ou os mais exigentes, também era inegável o controle da Croácia na partida. E na segunda etapa, se mesmo assim continuava difícil marcar gol, a Nigéria tratou de dar uma forcinha aos adversários mais uma vez.

Em outra cobrança de escanteio, dessa vez pela esquerda, Ekong resolveu agarrar Mandzukic dentro da área, em lance já fora da bola, mas que não passou despercebido pelo árbitro brasileiro Sandro Meira Ricci, que sequer solicitou auxílio do VAR (árbitro de vídeo) para apontar a marca da cal.

Diferente de Messi, Modric não titubeou, deslocou o goleiro com um leve tapa na bola, com a chapa do seu pé direito, e acabou com qualquer ímpeto da Nigéria em buscar uma reação. Aliás, foi notório como os africanos sentiram o baque e desistiram do jogo antes mesmo do apito final.

Agora, em situações bastante distintas, Croácia e Nigéria se preparam para a segunda rodada do grupo E. Os europeus enfrentam a Argentina na quinta-feira, às 15h, enquanto os nigerianos encaram a Islândia, no dia seguinte, às 12h (sempre em horário de Brasília).

FICHA TÉCNICA
CROÁCIA 2 X 0 NIGÉRIA

Local: Arena Baltika, em Kaliningrado (Rússia)
Data: 16 de junho de 2018 (Sábado)
Horário: 16h(de Brasília)
Árbitro: Sandro Meira Ricci (Brasil)
Assistentes: Emerson de Carvalho (Brasil) e Marcello Van Gasse (Brasil)
Cartões amarelos: Rakitic, Brozovic (CRO); Ekong (NIG)
Público: 31.136 pessoas

GOLS
Croácia : Etebo (contra), aos 31 minutos do 1T, e Modric, aos 25 minutos do 2T

CROÁCIA: Subasic; Vrsaljko, Vida, Lovren, Strinic; Ivan Rakitic, Luka Modric, Rebic (Kovacic), Kramaric (Brozovic), Perisic; Mario Mandzukic (Pjaca).
Técnico: Zlatko Dalic

NIGÉRIA: Uzoho; Shenu, Ekong, Balogun e Idowu; Ndidi, Etebo, Obi Mikel (Simy), Iwobi (Musa), Victor Moses; Ighalo (Icheamacho).
Técnico: Gernot Rohr



No grupo da atual campeã do mundo, Alemanha, a Suécia se aproxima da sua estreia no Mundial, que acontece na segunda, às 9h (de Brasília), contra a Coréia do Sul. Ainda disputando com o México a classificação para as oitavas, os suecos reforçam o trabalho jogo a jogo que vêm fazendo, como disse o meia Larsson.

Larsson assume liderança na seleção (Foto: Jonathan NACKSTRAND/AFP)

“Somos humildes, estamos focados em um jogo de cada vez. Essa foi a nossa filosofia nas Eliminatórias, foi isso que nos trouxe até aqui. Pode parecer clichê, mas é isso que precisamos fazer. O nosso objetivo é passar da fase de grupos, depois vemos o que acontece”, disse.

Na estreia contra a pouco conhecida seleção coreana, Larsson admite que será um jogo difícil pela falta de informações. “Vai ser uma partida dura. É um adversário e um estilo de jogo que não estamos acostumados. De qualquer maneira, eles devem ter alguns pontos em comum com o Peru, nosso adversário na última partida que disputamos. Espero que isso possa nos ajudar nesse jogo. Os dois times vão jogar para vencer. Vamos ver como vai ser”.

Larsson é um dos mais experientes do grupo e, com 100 jogos com a camisa amarela, o meia reconhece o papel de liderança que representa no elenco. “Já joguei um número considerável de jogos até agora. Tento ajudar meus companheiros da melhor forma possível. Em todos os times, você começa como um cara novo, mas vai subindo aos poucos. Agora sou quem mais jogou pela seleção. Eu e Granen somos os que estão há mais tempo aqui, então é claro que tenho algum papel de liderança, por conta da experiência que ganhei na minha carreira. Temos um ótimo time, as coisas estão funcionando muito bem”, finalizou.



Cueva não deve permanecer no São Paulo após a Copa (Foto: Juan Barreto/AFP)

Retornando à Copa do Mundo após 36 anos, o Peru perdeu para a Dinamarca por 1 a 0 apesar de ter finalizado mais. No final do primeiro tempo, quando o placar estava empatado, o meia Cueva desperdiçou um pênalti que poderia ter mudado os rumos da partida.

Poucos minutos após o jogo de estreia da seleção comandada por Ricardo Gareca, o São Paulo enviou uma mensagem de apoio para o jogador de 26 anos e ainda lembrou que Lionel Messi, que já foi eleito cinco vezes o melhor jogador do mundo, também desperdiçou uma penalidade no Mundial.

“O Peru teve infinitas chances de gol, mas tem dias que nada parece dar certo. A Copa nos mostrou mais cedo que os grandes também erram, siga batalhando, Cueva”, escreveu o Tricolor.



Andrija Zivkovic defende o Benfica (Foto: AFP)

Andrija Zivkovic fraturou o dedo médio da mão esquerda após ter sofrido choque com Milos Veljkovic durante treinamento da Sérvia. Apesar da notícia negativa, o meio-campista do Benfica não deverá desfalcar a sua seleção na Copa do Mundo.

O jogador de 21 anos, que é formado no Partizan, não deverá ser titular no primeiro jogo da equipe comanda por Mladen Krstajic. Na temporada europeia, ele disputou 30 partidas pelos Encarnados, marcando três gols e dando seis assistências.

A Sérvia, que está no mesmo grupo do Brasil, irá estrear na Copa do Mundo da Rússia contra a Costa Rica, no domingo, dia 17 de junho, às 9 horas (de Brasília), na Samara Arena.



O treinador da seleção dinamarquesa, Age Hareide, exaltou a defesa da equipe neste sábado, após a vitória por 1 a 0 sobre o Peru, no jogo de estreia das duas equipes na Copa do Mundo da Rússia.

Tendo de lidar com grande pressão do Peru no primeiro tempo, a Dinamarca cresceu na partida após o pênalti desperdiçado de Cueva e acabou marcando o gol da vitória justamente com o autor da falta no meia dentro da área. Porém, na etapa complementar o time teve de continuar se segurando e contou com ao menos quatro defesas importantes do goleiro Kasper Schmeichel.

“Eles fizeram muito para tentar empatar e você precisa dar méritos à defesa e ao time todo. Acho que esse é o nosso quinto jogo sem sofrer gols e é muito difícil de fazer isso jogando contra equipes de Copa do Mundo”, afirmou Age Hareide.

Quem também concedeu entrevista coletiva foi o autor do gol da vitória e eleito craque do jogo, Poulsen. O jogador do Red Bull Leipzig comentou sobre as reviravoltas pessoais que teve durante os 90 minutos e não escondeu a felicidade depois de passar de vilão a herói.

“Claro que foi um jogo emotivo, para mim especialmente. No primeiro tempo cometi um pênalti, estava sendo marcado como o vilão. No final, marquei o gol da vitória e saí como herói. Assim que é o futebol. Tudo aconteceu muito rápido. Às vezes, você sai como vilão. Em outras vezes, você sai como herói”, afirmou.

A Dinamarca volta a entrar em ação pelo Grupo C da Copa do Mundo na próxima quarta-feira, às 9h (de Brasília), quando enfrenta a seleção australiana em Samara.

 



Foto do Controle de Tráfego da cidade de Moscou (CODD) onde é possível ver a polícia russa e os paramédicos em ação (Foto: CODD/AFP)

Um táxi subiu em uma calçada e atingiu oito pessoas perto da Praça Vermelha, em Moscou, na Rússia. Segundo a imprensa local, dois torcedores mexicanos estão entre as vítimas, que não teriam sofrido ferimentos graves. O motorista foi detido e levado à delegacia, alegando que perdeu o controle do carro, informa a AFP.

“Perto da rua Ilinka, um taxista subiu na calçada e atropelou transeuntes. Segundo informações iniciais, oito pessoas foram socorridas pelos serviços médicos”, indicou o Ministério do Interior russo em comunicado oficial. “A causa do acidente foi a perda de controle do carro. O motorista foi detido e levado a uma delegacia”, finaliza a nota.

Táxi após o incidente envolvendo oito pessoas na cidade de Moscou, onde acontece a Copa do Mundo (Foto: CODD/AFP)

O prefeito da cidade, Sergei Sobyanin, publicou em sua conta do Twitter que houve um acidente com oito pessoas feridas, mas que a situação já estava controlada pela polícia e médicos presentes no local. Segundo o jornal inglês The Sun, o motorista se chama Anarbek Chyngyz, que possui uma carteira de motorista do Quirguistão.

Em vídeos publicados nas redes sociais, é possível ver o exato momento do acidente. Após desviar do engarrafamento, o motorista do táxi sobe na calçada e atinge pessoas que caminhavam por ela. Na sequência, outros pedestres tentam tirá-lo do carro, ele sai correndo, mas é derrubado logo em seguida.