COPA DO MUNDO 2018 RÚSSIA

A primeira rodada do grupo D da Copa do Mundo prometia um confronto direto entre Croácia e Nigéria, aparentemente duas candidatas à segunda vaga em uma chave que conta com a Argentina, atual vice-campeã e equipe liderada por Lionel Messi. Na prática, o destino reservou um sábado muito mais saboroso e animador para o pequeno país europeu.

Primeiro, os favoritos sul-americanos tropeçaram diante da esforçada e estreante Islândia. Pouco depois, um gol contra e um pênaltis infantil, ambos oriundos de cobranças de escanteio, garantiram aos croatas a vitória por 2 a 0 em cima dos africados.

O resumo da rodada de abertura no grupo D é uma Croácia com a classificação bem encaminhada, isolada na ponta, com três pontos. Argentina e Islândia, nessa ordem, vêm atrás, cada uma com um ponto cada, enquanto os nigerianos seguram a lanterna zerados.

Derrotada pelo Brasil em amistoso às vésperas do Mundial na Rússia, a Croácia adotou uma postura diferente do que se viu na Inglaterra, contra a seleção de Tite. Talvez mexidos pela massa de torcedores que se deslocou à Arena Baltika, em Kaliningrado, os croatas tomaram a iniciativa e ditaram o ritmo desde o apito inicial.

Com as estrelas Modric e Rakitic, rivais na Espanha, onde defendem Real Madrid e Barcelona, respectivamente, coordenando as jogadas, Mandzukic era abastecido com frequência, e correspondia dando muito trabalho aos defensores da Nigéria.

A insistência ofensiva, mesmo que sem tanta técnica ou habilidade, foi recompensada com um gol aos 31 minutos. Modric cobrou escanteio, Mandzukic deu de peixinho, e a bola, que sairia pela linha de fundo, acabou desviando no coitado Etebo antes de mudar de rumo e ir para as redes.

A única resposta nigeriana antes do intervalo se deu quase nos acréscimos, e levou perigo. Iwobi arrematou sobra de bola na entrada da área e só não correu para o abraço porque Lovren meteu o pé no meio do caminho e bloqueou a bola.

O susto não passou de um susto. Se o jogo não agradava aos saudosistas do futebol ou os mais exigentes, também era inegável o controle da Croácia na partida. E na segunda etapa, se mesmo assim continuava difícil marcar gol, a Nigéria tratou de dar uma forcinha aos adversários mais uma vez.

Em outra cobrança de escanteio, dessa vez pela esquerda, Ekong resolveu agarrar Mandzukic dentro da área, em lance já fora da bola, mas que não passou despercebido pelo árbitro brasileiro Sandro Meira Ricci, que sequer solicitou auxílio do VAR (árbitro de vídeo) para apontar a marca da cal.

Diferente de Messi, Modric não titubeou, deslocou o goleiro com um leve tapa na bola, com a chapa do seu pé direito, e acabou com qualquer ímpeto da Nigéria em buscar uma reação. Aliás, foi notório como os africanos sentiram o baque e desistiram do jogo antes mesmo do apito final.

Agora, em situações bastante distintas, Croácia e Nigéria se preparam para a segunda rodada do grupo E. Os europeus enfrentam a Argentina na quinta-feira, às 15h, enquanto os nigerianos encaram a Islândia, no dia seguinte, às 12h (sempre em horário de Brasília).

FICHA TÉCNICA
CROÁCIA 2 X 0 NIGÉRIA

Local: Arena Baltika, em Kaliningrado (Rússia)
Data: 16 de junho de 2018 (Sábado)
Horário: 16h(de Brasília)
Árbitro: Sandro Meira Ricci (Brasil)
Assistentes: Emerson de Carvalho (Brasil) e Marcello Van Gasse (Brasil)
Cartões amarelos: Rakitic, Brozovic (CRO); Ekong (NIG)
Público: 31.136 pessoas

GOLS
Croácia : Etebo (contra), aos 31 minutos do 1T, e Modric, aos 25 minutos do 2T

CROÁCIA: Subasic; Vrsaljko, Vida, Lovren, Strinic; Ivan Rakitic, Luka Modric, Rebic (Kovacic), Kramaric (Brozovic), Perisic; Mario Mandzukic (Pjaca).
Técnico: Zlatko Dalic

NIGÉRIA: Uzoho; Shenu, Ekong, Balogun e Idowu; Ndidi, Etebo, Obi Mikel (Simy), Iwobi (Musa), Victor Moses; Ighalo (Icheamacho).
Técnico: Gernot Rohr



No grupo da atual campeã do mundo, Alemanha, a Suécia se aproxima da sua estreia no Mundial, que acontece na segunda, às 9h (de Brasília), contra a Coréia do Sul. Ainda disputando com o México a classificação para as oitavas, os suecos reforçam o trabalho jogo a jogo que vêm fazendo, como disse o meia Larsson.

Larsson assume liderança na seleção (Foto: Jonathan NACKSTRAND/AFP)

“Somos humildes, estamos focados em um jogo de cada vez. Essa foi a nossa filosofia nas Eliminatórias, foi isso que nos trouxe até aqui. Pode parecer clichê, mas é isso que precisamos fazer. O nosso objetivo é passar da fase de grupos, depois vemos o que acontece”, disse.

Na estreia contra a pouco conhecida seleção coreana, Larsson admite que será um jogo difícil pela falta de informações. “Vai ser uma partida dura. É um adversário e um estilo de jogo que não estamos acostumados. De qualquer maneira, eles devem ter alguns pontos em comum com o Peru, nosso adversário na última partida que disputamos. Espero que isso possa nos ajudar nesse jogo. Os dois times vão jogar para vencer. Vamos ver como vai ser”.

Larsson é um dos mais experientes do grupo e, com 100 jogos com a camisa amarela, o meia reconhece o papel de liderança que representa no elenco. “Já joguei um número considerável de jogos até agora. Tento ajudar meus companheiros da melhor forma possível. Em todos os times, você começa como um cara novo, mas vai subindo aos poucos. Agora sou quem mais jogou pela seleção. Eu e Granen somos os que estão há mais tempo aqui, então é claro que tenho algum papel de liderança, por conta da experiência que ganhei na minha carreira. Temos um ótimo time, as coisas estão funcionando muito bem”, finalizou.



Cueva não deve permanecer no São Paulo após a Copa (Foto: Juan Barreto/AFP)

Retornando à Copa do Mundo após 36 anos, o Peru perdeu para a Dinamarca por 1 a 0 apesar de ter finalizado mais. No final do primeiro tempo, quando o placar estava empatado, o meia Cueva desperdiçou um pênalti que poderia ter mudado os rumos da partida.

Poucos minutos após o jogo de estreia da seleção comandada por Ricardo Gareca, o São Paulo enviou uma mensagem de apoio para o jogador de 26 anos e ainda lembrou que Lionel Messi, que já foi eleito cinco vezes o melhor jogador do mundo, também desperdiçou uma penalidade no Mundial.

“O Peru teve infinitas chances de gol, mas tem dias que nada parece dar certo. A Copa nos mostrou mais cedo que os grandes também erram, siga batalhando, Cueva”, escreveu o Tricolor.



Andrija Zivkovic defende o Benfica (Foto: AFP)

Andrija Zivkovic fraturou o dedo médio da mão esquerda após ter sofrido choque com Milos Veljkovic durante treinamento da Sérvia. Apesar da notícia negativa, o meio-campista do Benfica não deverá desfalcar a sua seleção na Copa do Mundo.

O jogador de 21 anos, que é formado no Partizan, não deverá ser titular no primeiro jogo da equipe comanda por Mladen Krstajic. Na temporada europeia, ele disputou 30 partidas pelos Encarnados, marcando três gols e dando seis assistências.

A Sérvia, que está no mesmo grupo do Brasil, irá estrear na Copa do Mundo da Rússia contra a Costa Rica, no domingo, dia 17 de junho, às 9 horas (de Brasília), na Samara Arena.



O treinador da seleção dinamarquesa, Age Hareide, exaltou a defesa da equipe neste sábado, após a vitória por 1 a 0 sobre o Peru, no jogo de estreia das duas equipes na Copa do Mundo da Rússia.

Tendo de lidar com grande pressão do Peru no primeiro tempo, a Dinamarca cresceu na partida após o pênalti desperdiçado de Cueva e acabou marcando o gol da vitória justamente com o autor da falta no meia dentro da área. Porém, na etapa complementar o time teve de continuar se segurando e contou com ao menos quatro defesas importantes do goleiro Kasper Schmeichel.

“Eles fizeram muito para tentar empatar e você precisa dar méritos à defesa e ao time todo. Acho que esse é o nosso quinto jogo sem sofrer gols e é muito difícil de fazer isso jogando contra equipes de Copa do Mundo”, afirmou Age Hareide.

Quem também concedeu entrevista coletiva foi o autor do gol da vitória e eleito craque do jogo, Poulsen. O jogador do Red Bull Leipzig comentou sobre as reviravoltas pessoais que teve durante os 90 minutos e não escondeu a felicidade depois de passar de vilão a herói.

“Claro que foi um jogo emotivo, para mim especialmente. No primeiro tempo cometi um pênalti, estava sendo marcado como o vilão. No final, marquei o gol da vitória e saí como herói. Assim que é o futebol. Tudo aconteceu muito rápido. Às vezes, você sai como vilão. Em outras vezes, você sai como herói”, afirmou.

A Dinamarca volta a entrar em ação pelo Grupo C da Copa do Mundo na próxima quarta-feira, às 9h (de Brasília), quando enfrenta a seleção australiana em Samara.

 



Foto do Controle de Tráfego da cidade de Moscou (CODD) onde é possível ver a polícia russa e os paramédicos em ação (Foto: CODD/AFP)

Um táxi subiu em uma calçada e atingiu oito pessoas perto da Praça Vermelha, em Moscou, na Rússia. Segundo a imprensa local, dois torcedores mexicanos estão entre as vítimas, que não teriam sofrido ferimentos graves. O motorista foi detido e levado à delegacia, alegando que perdeu o controle do carro, informa a AFP.

“Perto da rua Ilinka, um taxista subiu na calçada e atropelou transeuntes. Segundo informações iniciais, oito pessoas foram socorridas pelos serviços médicos”, indicou o Ministério do Interior russo em comunicado oficial. “A causa do acidente foi a perda de controle do carro. O motorista foi detido e levado a uma delegacia”, finaliza a nota.

Táxi após o incidente envolvendo oito pessoas na cidade de Moscou, onde acontece a Copa do Mundo (Foto: CODD/AFP)

O prefeito da cidade, Sergei Sobyanin, publicou em sua conta do Twitter que houve um acidente com oito pessoas feridas, mas que a situação já estava controlada pela polícia e médicos presentes no local. Segundo o jornal inglês The Sun, o motorista se chama Anarbek Chyngyz, que possui uma carteira de motorista do Quirguistão.

Em vídeos publicados nas redes sociais, é possível ver o exato momento do acidente. Após desviar do engarrafamento, o motorista do táxi sobe na calçada e atinge pessoas que caminhavam por ela. Na sequência, outros pedestres tentam tirá-lo do carro, ele sai correndo, mas é derrubado logo em seguida.



Ídolo alemão, Michael Ballack foi um dos grandes jogadores da geração que sofreu alguns fracassos em torneios internacionais. Sendo vice-campeão do mundo em 2002, o meia não pode ajudar o time por ficar de fora por uma suspensão por cartões amarelos. Aposentado há seis anos, Ballack comemorou muto o coroamento da nova leva alemã com o tetracampeonato mundial em 2014.

Meia sofreu com lesão e suspensão em Copas (Foto: AFP)

Perguntado se esta é a melhor seleção da Alemanha de todos os tempos, ele não concorda. “Todo mundo tem sua opinião. Eu não diria que esta é a melhor equipe que já tivemos na história. Perdemos alguns líderes, alguns jogadores importantes, depois do último torneio, e tivemos que substituí-los. No entanto, penso que temos jogadores como Neuer, Hummels e Müller, que deram um passo a frente e adotaram esse papel. Nós tivemos um pequeno aumento recentemente; e são esses pequenos sintomas que fazem o treinador não ficar 100% feliz. Agora temos que resolver esses problemas para acertar mais”, disse.

Sobre o grupo da Alemanha, que conta com Suécia, México e Coréia do Sul, Ballack falou sobre a ausência de Ibrahimovic. “Em uma Copa do Mundo, não é tanto sobre estrelas, mas sobre a qualidade da equipe. Se você tem muita qualidade, você tem uma opção maior para vencer. O caso de Portugal é semelhante ao da Suécia. Portugal sempre depende muito de Cristiano Ronaldo, e apesar de sua equipe ainda ser boa e ter qualidade, a diferença entre Ronaldo e o resto é enorme. Normalmente, coloca-se muita pressão sobre as estrelas, neste caso, Ronaldo, e isso não ajuda muitas vezes a equipe”, declarou.

O ex-meia ainda revelou as expectativas de onde a Alemanha pode chegar na Rússia. “Pelo menos para as semifinais. No mínimo. Se alguém tem um olhar para a imagem e ver contra quem poderíamos enfrentar … Inglaterra e Espanha estão do outro lado e ter cuidado com o Brasil, mas eu acho que pode ganhar o título. Mas isso não significa que a Alemanha não respeite todas as equipes. Ela respeita e esse é um dos seus pontos fortes. A Alemanha se prepara para cada jogo e analisa cada jogador e não subestima ninguém, nem o México, nem a Suécia, nem a Coréia do Sul, nossos rivais na fase de grupos. No entanto, somos favoritos e a equipe está confiante, especialmente pelo que foi alcançado há quatro anos”, afirmou.

Por fim, o alemão revelou suas favoritas ao título. “Eu vejo a Espanha muito forte. Nós já vimos no amistoso que eles jogaram antes da Copa do Mundo (empate 1-1). Os clubes espanhóis mostraram-se em alto nível nos últimos anos, e nesta temporada venceram as duas competições europeias. Isso mostra que eles estão de volta, que ainda são uma grande equipe, com muita ambição, mesmo depois de vencer três torneios consecutivos há 10 anos e sofrer um pequeno obstáculo há alguns anos. Agora eles estão de volta ao seu melhor nível. Para mim, os quatro grandes, que poderíamos dizer que são os favoritos, são o Brasil, a França, a Espanha e a Alemanha. Esses quatro vão lutar pelo título”.



O técnico da Islândia, Heimir Hallgrímsson, mostrou uma frieza incomum para analisar a grande performance da sua equipe diante da Argentina, na tarde deste domingo, em Moscou, em duelo que acabou 1 a 1. Para o treinador, os jogadores portaram-se bem demais para o primeiro jogo da equipe em uma Copa do Mundo.

“Foi um grande jogo, um marco para essa equipe, primeira vez na Copa, contra a Argentina, provavelmente não foi o jogo mais fácil possível (risos). Conseguimos um ponto, algo que pode ser considerado bom”, avaliou Hallgrímsson, alternando entre inglês e islandês nas suas respostas,

“Foi um jogo que saberíamos como seria, eles tiveram a posse de bola, mas nós jogamos bem defensivamente. Os jogadores deveriam ficar orgulhosos tanto pela organização quanto pela dedicação. É difícil defender contra os jogadores de classe que tem a Argentina, especialmente quando você não fica muito com a bola”, continuou o treinador.

Bastante sucinto para tratar do provável maior jogo da sua carreira, o comandante islandês foi assertivo ao ser questionado se os seus jogadores “divertiam-se” atuando dessa forma, mais defensiva. Exaltando a capacidade de arrancar pontos de um time superior tecnicamente, ele deu sua visão sobre o futebol apresentado.

“Para ser honesto, sim. Ao menos algum deles. Mas temos que ser sinceros a respeito de como ganhar. Contra a Argentina é um fato que eles têm um time superior, com jogadores superiores que jogam em ligas superiores em relação aos jogadores da Islândia. Se a gente jogasse um contra um, no campo inteiro, não precisaria nem perguntar quanto foi o jogo”, disse, prevendo mais partidas dessa forma frente a Nigéria e Croácia.

“Se a gente quer enfrentar times como a Argentina, temos que manter esse plano de jogo se quisermos pontuar. Para todo mundo, creio que é melhor jogar desse jogo e chegar a um objetivo do que jogar de outro jeito e não atingir o objetivo”, concluiu Hallgrímsson.



Na tarde deste sábado, a equipe do Peru perdeu para a Dinamarca por 1 a 0, em jogo válido pela 1ª rodada do Grupo C da Copa do Mundo, contudo foi muito superior nas estatísticas de finalização durante a partida.

A equipe de Ricardo Gareca arrematou 18 vezes, sendo que dessas, seis foram em direção do gol, sete para fora e cinco bloqueadas pela defesa adversária. Já o time de Age Hareide tentou apenas 10 vezes, com duas oportunidades bloqueadas, cinco que passaram longe da meta e três em direção do alvo.

O restante dos números mostra o extremo equilíbrio das seleções no jogo. Os dinamarqueses ficaram com a bola em 48% do tempo, enquanto os peruanos 52%. Além disso, a precisão nos passes foi algo positivo: 82% para os vencedores e 85% para os derrotados.

Com a vitória, a seleção dinamarquesa alcança os mesmos três pontos da francesa, porém fica atrás no saldo de gols marcados, na vice-liderança do Grupo. Já a peruana não pontua e fica na terceira colocação, na frente apenas da australiana.

Agora, o Peru enfrenta a França, nesta quinta-feira, às 12h (de Brasília), na Ekaterinburg Arena, enquanto a Dinamarca joga contra a Austrália, na Samara Arena, no mesmo dia, às 9h (de Brasília).



O técnico Ricardo Gareca preferiu aliviar a barra de seus jogadores após a estreia na Copa do Mundo com derrota para a Dinamarca, por 1 a 0, neste sábado, em Saransk. Na visão do comandante da seleção peruana, o resultado da partida não reflete o que foi o jogo, uma vez que os sul-americanos foram superiores aos rivais na maior parte do confronto.

“Foi uma partida contra uma seleção importante. Tentamos jogar, foi um jogo bastante disputado, com duas seleções que logicamente tentaram sempre jogar. Neste contexto, ao meu entender, o Peru teve mérito para sair na frente no marcador. Não tenho nada o que reclamar dos meninos, deixaram tudo em campo”, afirmou Ricardo Gareca.

“O resultado não reflete o que foi o jogo. Futebol é efetividade, considero dessa maneira. O que me deixa tranquilo é a entrega da equipe. Lamentavelmente, aos torcedores que vieram nos apoiar de tão longe não pudemos dar uma grande satisfação”, completou.

O Peru teve a grande chance de ir para o intervalo com a vantagem no final do primeiro tempo, quando o árbitro consultou o VAR e acabou voltando atrás na sua decisão, marcando pênalti em Cueva. O próprio jogador foi para a cobrança, no entanto, isolou a bola, batendo por cima do travessão e frustrando a torcida peruana, que compareceu em peso na Arena Mordovia.

Agora, a seleção peruana terá que correr atrás do prejuízo contra a França, favorita do Grupo C, na próxima quarta, às 12h (de Brasília), em Ecaterimburgo. Caso perca novamente e a Dinamarca vença a Austrália, o time que voltou a disputar um Mundial após 36 anos dará adeus ao torneio.