Solidez defensiva e eficiência: o que o Brasil perde sem Casemiro

São Paulo, SP

05-07-2018 09:00:28

O relógio do árbitro Gianluca Rocchi marcava 12 minutos do segundo tempo quando ele tirou do bolso o cartão amarelo para Casemiro, na partida entre Brasil e México, pelas oitavas de final da Copa do Mundo, na última segunda-feira. Podia ser apenas um alerta, mas, no caso, já era um sinal vermelho: o volante teve a punição estendida às quartas por estar pendurado, quando justamente o adversário é a equipe mais ofensiva do Mundial, a Bélgica.


Agora, o técnico Tite pensa em seu substituto, que provavelmente será Fernandinho, do Manchester City, mas a questão aqui não é esta e, sim, o que se perde com a saída de um dos pilares do meio-campo canarinho.

Casemiro soma 17 partidas sob comando do treinador sem ter perdido nenhuma: foram 14 vitórias e três empates, num total de sete partidas classificatórias, seis amistosos e quatro atualmente na Copa - em 15 desses duelos, ele jogou os 90 minutos. Nas sete oportunidades nas quais não atuou com Tite, ou estava no banco de reservas, poupado, ou estava lesionado.

Quando o treinador começou seus trabalhos, em 2016, tratou de logo construir uma defesa sólida, e este sacrifício deu frutos, porque o setor vem sendo muito elogiado nesta Copa. Além de Thiago Silva e Miranda, Casemiro é o "cão de guarda" que protege a área defensiva e não permite que a bola chegue com perigo no goleiro Alisson, que levou apenas um gol, contra a Suíça, até agora.

Mais vídeos em videos.gazetaesportiva.com

Nesta edição do Mundial, o volante possui 11 desarmes e está em quinto no quesito, atrás apenas por dois do primeiro colocado, o francês Kanté. Por essa e outras, o camisa 5 da amarelinha configura, com mais dois brasileiros (Neymar e Philippe Coutinho), a seleção da competição até agora.

Peça de equilíbrio e solidez tática, Casemiro pode ser considerado a base do sistema defensivo brasileiro, além de regularidade técnica e capacidade de recuperação acima da média. Por conta disso, independentemente de quem o substitua, fará falta contra os belgas, que possuem uma máquina de fazer gols com Lukaku, Hazard, Kevin de Bruyne e Mertens.

Para saber mais sobre a Bélgica, próximo adversário do Brasil na Copa do Mundo, acesse aqui.

Deixe seu comentário