Gazeta Esportiva

Audax planeja manter 70% do time visando competições futuras

Theo Chacon* - São Paulo,SP

25/04/16 | 15:15 - 25/04/16 | 15:30

Vampeta tentará manter, ao máximo, base do time que conduziu o Audax a 1ª final de estadual (Foto:Fernando Dantas/Gazeta Press)
Vampeta tentará manter base do time que conduziu o Audax a 1ª final de estadual (Foto:Fernando Dantas/Gazeta Press)

Com vaga na final logo em seu terceiro ano como participante da elite paulista, o Grêmio Osasco Audax agora deve trabalhar para manter grande parte do plantel com vistas às competições futuras.

A campanha inédita nesta edição do Paulistão deu ao time o direito de disputar, pela primeira vez em sua curta história, a Série D do Campeonato Brasileiro - correspondente à quarta divisão nacional -, e a Copa do Brasil de 2017.

Sem esconder de ninguém que "quem paga são os donos do clube", e que "quem assina" é ele, Vampeta, com seu jeito irreverente, já deixou claro que lutará com a cúpula do clube para manter grande parte do elenco que chegou ao fim da primeira fase com a sexta melhor campanha do estadual.

Além do grupo de jogadores, formado também a partir de empréstimos de outros clubes, uma preocupação latente no planejamento do Audax é a sequência de Fernando Diniz no cargo de treinador. Apostador do projeto desde o início, em 2014, o técnico tem o nome ventilado no mercado, mas diz estar contente com a situação atual.

"Há o assédio. De repente, alguém tem possibilidade de ir para um clube maior, é normal. Eu como jogador vejo isso bem, comemoro a chance por eles. A gente vai fazer um time forte. Sei que não vai ter proposta por todo mundo, então calculo que de 70% a 80% vai permanecer. O treinador também tem contrato curto e vamos tentar manter", comentou Vampeta em evento na sede da FPF, nesta segunda.

Prioridade para a sequência do ano é manter base finalista do Paulistão (Foto:Djalma Vassão/Gazeta Press)
Prioridade para a sequência do ano é manter base finalista do Paulistão (Foto:Djalma Vassão/Gazeta Press)

Irreverente, como de praxe, Vampeta seguiu com as brincadeiras que resultaram da vitória sobre o Corinthians, nos pênaltis, no último sábado. Como já tinha afirmado em participação no Mesa Redonda, da TV Gazeta, no último domingo, o ex-jogador do Timão e hoje presidente do Audax vem lidando com cobranças de amigos próximos.

"A gente chegou aqui no primeiro Conselho com medo de não cair, porque agora caíram seis. Aí fomos passando. Classificamos em primeiro, eliminamos o São Paulo, o Corinthians, e agora os caras querem me matar. Mas não sou eu que jogo, eu sou só o presidente remunerado", declarou.

Após os próprios jogadores, como o goleiro Sidão, cobrarem o cumprimento de sua promessa - Vampeta prometeu dar um "selinho" na presidente Dilma Rousseff em caso de sucesso do Audax -, o mandatário disse não saber nem se vai ter tempo de ir à Brasília (DF) para honrar sua palavra.

Nesta segunda, dia em que a Comissão do Impeachment está sendo decidida no Senado para avalizar o processo de impedimento da atual presidente, Vampeta reiterou o desafio e brincou com a instabilidade no Executivo do País. "A promessa é o selo na Dilma. Os caras falam 'você já foi lá e deu cambalhota'. E eu voltaria lá. Será que dá tempo de chegar lá? (risos)", falou.

*especial para Gazeta Esportiva

Deixe seu comentário