Futebol

Fã de lanchonete, Pituca garante não estar pedindo muito para renovar com o Santos

Tiago Salazar - Santos , SP
22/10/2018 06:30:08

Em: Brasileiro Série A, Escolha do editor, Futebol, Notícias, Santos

Jeitão simples, bom de papo, daqueles que ri antes mesmo do fim da piada. Esse é Diego Pituca, titular absoluto do Santos e dono de uma ascensão meteórica na equipe da Baixada Santista. Nem por isso, os sintomas da famosa marra da boleiragem contaminou o atleta oriundo de Mogi Guaçu.

Assistir os amigos da base no estádio da Portuguesa Santista e, principalmente, ir ao Mc Donald’s ainda são as preferências do meio-campista na hora de passear com a esposa para curtir um pouco do tempo de folga.

“Olha, eu gosto de assistir. Como eu subi dalí, eu tenho amigos, então, quando tem jogo, eu gosto de assistir. Eu e minha esposa, se tiver jogo no Ulrico Mursa, onde der para eu ir assistir… Eu gosto de estar no campo, eu gosto de assistir, acompanhar”, contou, em entrevista exclusiva à Gazeta Esportiva, depois de um treino no CT Rei Pelé.

Mais vídeos em videos.gazetaesportiva.com

Nada, porém, parece ser melhor do que comer hamburguês, para Diego Pituca. E não estamos falando desses lanches artesanais, famosos nos dias de hoje. É fast-food mesmo.

“Comer uma pizza, ir no Mc… Melhor coisa é ir no Mc. Chegou a noite, já bora, bora para o Mc”, revelou, à gargalhadas. Mas será que a dieta de um atleta de alto rendimento permite esse tipo de alimentação? “Lógico que pode, pô. Está louco? Melhor coisa é o Mc”, garantiu Pituca, sem titubear, para mais risadas em seguida.

Talvez a única questão que deixe o jogador de 26 anos com o semblante mais preocupado seja referente às negociações de seu novo contrato. O atual vínculo vai até 2021, o Peixe detém apenas 50% dos direitos econômicos e a multa é considerada baixa: R$ 8 milhões. As boas apresentações na temporada chamaram atenção, outros clubes cresceram o olho e a diretoria santista está em contato com o empresário de Pituca para tentar firmar uma renovação. O recado, então, vai direto para o torcedor.

“Pode ficar tranquilo. Estou feliz, estou vivendo um grande momento, espero permanecer aqui no Santos por muito tempo. Já tive uma conversa com o presidente, com meu empresário, espero que até o final do ano a gente possa resolver isso”, vislumbrou.
“Está faltando o presidente, né?”, continuou, de novo encabulado, entre risos, diante da insistência no assunto, antes de garantir que sua pedida salarial não é a causa das tratativas seguirem emperradas. “Pô, nada a ver, acho que não. A gente vai chegar em um acordo aí e vai dar tudo certo”, resumiu Pituca, que ainda recebe um dos salários mais baixos do elenco.

Confira outros trechos da entrevista exclusiva com Diego Pituca:

Como tudo começou
“Cheguei em fevereiro, o Jair (Ventura) me subiu, porque eu estava no Sub-23, falou que não ia dar tempo de me inscrever no Campeonato Paulista, falou para eu ter paciência, que ele ia me dar oportunidade, e graças a Deus ele me deu essa oportunidade, minha estreia (como titular) foi na Vila, na Libertadores, era um sonho. E fico feliz de poder ter essa sequência”.

Mudança de posição
“Quando o Jair me colocou, o Alisson tinha se machucado, que é primeiro volante. Eu sempre joguei de segundo volante ou meia. Ele falou que ia me colocar de primeiro e eu falei: ‘pode me colocar, que na hora a gente vê o que faz’. A oportunidade a gente não pode deixar passar, né? E na base eu sempre fui meia e segundo volante. Com o Cuca eu jogo mais de segundo (volante), onde eu prefiro mais jogar”.

Cobrança de Cuca nas finalizações
“Ele sempre fala com a gente, não só comigo, mas agora, literalmente, ele me cobra muito para entrar dentro da área, ser elemento surpresa. Eu não tinha muito essa característica de entrar muito na área. Agora, com a cobrança dele, a gente entra para tentar a primeira bola, a segunda bola, para fazer o gol”.

Pretensões
“Eu sempre falo que eu vivo o meu momento. Não sei o que vai acontecer daqui três, quatro dias, eu quero viver meu momento. É lógico que a gente está em uma sequência boa, o sonho de todo mundo aqui é disputar essa Libertadores. Estamos no passo, se a gente ganhar do Inter, a gente já encosta no Atlético, então, vamos ver passo a passo, depois pegar o Fluminense e ver o que vai dar”.

Pressão de ver rivais brigando por título
“Com certeza (incomoda). A gente vê nossos rivais aqui de São Paulo brigando e a gente não começou tão bem o Brasileiro, mas, como eu falei, estamos numa sequência boa. Mas agora é pensar em classificar para a Libertadores e o ano que vem pensar em título”.




×
Quer receber notícias do Santos?