Há quatro anos, Gabriel Jesus roubava a cena e Palmeiras se salvava na Libertadores

São Paulo, SP

06-04-2020 09:00:12

Há quatro anos, em 6 de abril de 2016, Gabriel Jesus protagonizou um duelo movimentado entre Rosario Central e Palmeiras. Jogando na Argentina, as equipes empataram por 3 a 3 pela 5ª rodada da fase de grupos da Libertadores.

Na época, o empate salvou temporariamente o Alviverde de uma eliminação no torneio. A equipe de Cuca acabaria caindo na rodada final, após goleada sobre o River Plate-URU no Allianz Parque e vitória dos argentinos sobre o Nacional-URU.

No fim, o Verdão terminou em 3º com oito pontos, atrás dos uruguaios, com nove, e do Rosario, com 11. Com o foco voltado ao Campeonato Brasileiro, o elenco comandado por Cuca deu a volta por cima e acabou se consagrando campeão nacional no fim do ano.

Precisando do resultado para seguir com chances de classificação, o Alviverde abriu duas vezes a frente do placar com Gabriel Jesus, mas não segurou o resultado.

Na primeira etapa, o jovem atacante, então com 19 anos, marcou logo de cara, aproveitando erro de recuo da defesa adversária. Os mandantes empatariam com Donatti em cobrança de falta, mas sofreriam outro tento de Jesus, agora em cabeçada dentro da área.

A situação mudou no segundo tempo. Em cobrança de falta ensaiada, Cervi saiu na cara de Fernando Prass e empatou. Depois, Marco Ruben converteu pênalti e virou o placar.


Com a derrota, o Palmeiras estava sendo eliminado. Gabriel Jesus perdeu a cabeça, agrediu um adversário e acabou expulso. Com um menos, Lucas Barrios ainda deixou tudo igual e manteve viva a chance de classificação.

Na época, o Rosario Central era dirigido pelo atual técnico do Internacional Eduardo Coudet. A equipe também contava com o meia Lo Celso, hoje no Tottenham. Os argentinos chegaram até as quartas de final da edição, quando foram eliminados pelo campeão Atlético Nacional-COL.

Ponto de virada
Para o Palmeiras, a eliminação acabou servindo como um ponto de virada no ano. Recém-contratado após a demissão de Marcelo Oliveira, Cuca foi mantido no cargo e faturou o Campeonato Brasileiro mais tarde, encerrando o jejum de 22 anos do clube longe da taça.

Deixe seu comentário


×
Quer receber notícias do Palmeiras?