Henrique nega “cadeira cativa” e admite problema com bola aérea

Tiago Salazar - São Paulo,SP

04-02-2019 12:23:10

Um dos setores reforçados pela diretoria do Corinthians para a temporada 2019 foi a zaga. Manoel chegou e já assumiu a camisa 4. Mas, Fábio Carille deixou claro que o ex-jogador do Cruzeiro chega para brigar por espaço com Léo Santos, Marllon e Pedro Henrique. Tudo porque Henrique é considerado titular absoluto do técnico corintiano.

Apesar da manifestação de Carille, o experiente zagueiro tenta não se deixar levar pela confiança exagerada e faz questão de negar “cadeira cativa” dentro do elenco do Corinthians.

"Todo mundo ali sabe do seu potencial, sua função... todo mundo corre por espaço. Ninguém tem cadeira cativa. A concorrência é sadia, não só na defesa, mas no meio e no ataque. Isso só tende a acrescentar", comentou Henrique, em entrevista coletiva na manhã dessa segunda-feira.

"O time ofensivo parte lá de trás também. Como um time defensivo parte do ataque também. O Gustavo saiu esgotado no sábado, nos ajudou bastante nessa parte defensiva. E o que a gente puder fazer na parte ofensiva, vamos fazer", continuou.

O Derby de sábado marcou a estreia de dupla Henrique e Manoel. Para o xerife de Carille, não houve qualquer problema pela falta de entrosamento com seu novo parceiro, assim como não há com aqueles que vinham jogando.

Mais vídeos em videos.gazetaesportiva.com

"No estilo de jogo do Corinthians, o jeito que o Carille joga, todo mundo está preparado para jogar. Independentemente de quem joga, não muda muita coisa. Todo mundo ali tem o mesmo objetivo e são todos iguais na forma de jogar. Se entrar o Manoel, Pedro ou Marllon, não tem problema nenhum, a gente se conhece, jogadores profissionais, fácil de conversar. Mesmo com pouco tempo de treinamento, a gente procura se entender. Conversamos bastante, não só com o Manoel, mas todo mundo na parte defensiva. A gente se cobra para estar bem".

Leia também:
Boselli perde pênalti e Love dá vitória ao Corinthians em jogo-treino

Talvez a grande questão a ser resolvida, independente da escalação, seja a bola aérea defensiva. Temporada a temporada, o Corinthians vem sofrendo muitos gols dessa forma. 2019 mal começou e já foram quatro gols sofridos oriundos de bolas alçadas na área.

"Precisa ser melhorado, sim. A gente busca nos treinamentos, no pouco tempo que temos, focar na bola parada para acertar. É começo de ano e tem muita coisa para fazer e melhorar", destacou Henrique.


Ao menos no Derby a defesa passou ilesa, apesar da pressão alviverde. O triunfo apagou o tropeço dentro de casa para o Red Bull Brasil e animou o clima para o confronto de quinta-feira, contra o Ferroviário-PE, pela primeira fase da Copa do Brasil.

"O grupo precisava dessa vitória, a gente vem se dedicando nos jogos, temos adversários de qualidade no Paulistão, times bem montados. É claro que essa vitória nos deu confiança que precisávamos para ter sequência. Sabemos dos jogos de mata-mata que teremos, estamos focados na partida de quinta, para fazer um grande jogo", concluiu Henrique.

Deixe seu comentário



×
Quer receber notícias do Corinthians?