COPA DO MUNDO 2018 RÚSSIA

Depois de um dia repleto de descanso para os jogadores, a comissão técnica da Seleção Brasileira resolveu dosar trabalho e recuperação para os atletas neste domingo, em Sochi. Com todo o grupo em campo – apenas Danilo e Douglas Costa ficaram de fora em tratamento de lesões -, o técnico Tite comandou um treino com bola para aqueles que não foram titulares na vitória por 2 a 0 contra a Costa Rica.

Os atletas que começaram a partida seguiram no processo de recuperação física e fizeram atividades leves com os preparadores físicos Fábio Mahseredjian e Ricardo Rosa. Após o alongamento, Paulinho, Thiago Silva, Miranda, Fagner e Philippe Coutinho correram em volta do gramado do Campo A do CT, onde se desenvolveu todas as atividades do dia.

Já Neymar, Marcelo, Casemiro e Gabriel Jesus ativaram os músculos trabalhando com bola no futmesa. O goleiro Alisson se juntou a Cássio e Ederson nas atividades do dia com o preparador Taffarel. Ontem (sábado), o camisa 1 fez regenerativo na academia e não foi a campo.

A sessão de treino do dia ainda teve os reservas aperfeiçoando as jogadas de ataque em trabalho de finalizações. Gabriel Jesus e Willian também participaram desta atividade. No fim, os atletas ainda realizaram cobranças de pênaltis.

Fernandinho, que entrou no decorrer dos dois primeiros jogos do Brasil na Copa do Mundo, comentou sobre a preparação para enfrentar a Sérvia, jogo que decidirá a classificação para a próxima fase da Copa do Mundo. “Nós vamos precisar de todo mundo para encarar esse jogo contra a Sérvia. Nosso conjunto é muito forte. Temos qualidades individuais, mas o nosso coletivo é o nosso diferencial e precisaremos disso nesse próximo jogo”, avaliou.

A Seleção  é líder do Grupo E, com quatro pontos. Em caso de vitória, a equipe brasileira se classifica como primeiro do bloco. O empate também garante o Brasil nas oitavas, porém talvez no segundo lugar. No outro jogo decisivo do grupo, jogam Suíça e Costa Rica.





Durmaz sofreu insultos racistas nas suas redes sociais (Foto: Odd Andersen/AFP)

Alvo de ofensas, o meia sueco Jimmy Durmaz foi apoiado por seus companheiros. Autor da falta que culminou com o belo gol de falta de Tony Kroos, que deu a vitória a Alemanha, o jogador recebeu um enxurrada de mensagens ofensivas nas redes sociais, muitas delas em tom racista por sua origem turca. Revoltado, o atleta leu uma mensagem após o treino da Suécia deste domingo em que repudiou as críticas que recebeu.

“Eu sou um jogador de futebol de alto nível, ser criticado é algo que temos que viver com isso, mas ser chamado de ‘imigrante de merda’ e ‘homem-bomba’, e receber ameaças de morte contra mim e meus filhos é completamente inaceitável. Eu sou sueco, com orgulho de vestir nossa camisa ou nossa bandeira. Eu gostaria de agradecer às pessoas boas, maravilhosas, que espalham alegria. Isso nos abraça. Nós ficaremos unidos, somos todos suecos”, disse o jogador.

Durante a leitura da mensagem, o elenco e o treinador estiveram ao lado de Durmaz, simbolizando apoio ao jogador. No final, todos os atletas se juntaram e falaram: “Dane-se o racismo”.

A Suécia volta aos gramados pela Copa do Mundo na quarta-feira, quando enfrenta o México em Ecaterimburgo, às 11h (de Brasília). A equipe de Jan Andersson precisa de uma vitória para se classificar à próxima fase.

 



O duelo entre Japão e Senegal deixou as duas seleções abraçadas na liderança do grupo H da Copa do Mundo, com 4 pontos, após o empate em 2 a 2 deste domingo (24), em Ecaterimburgo. O resultado deixa as equipes encaminhadas para a classificação às oitavas, dependendo apenas de suas forças na última rodada da fase de grupos.

Empate não foi ruim para ambos os times (Foto: Anne-Christine/AFP)

Com destaque para Saio Mané, eleito homem do jogo pela Fifa, o Senegal mostrou um grande poder ofensivo, concentrando maior parte das tentativas de gol. A seleção africana conseguiu o dobro de arremates em direção ao gol adversário, 14 a 7 e tendo ainda uma melhor pontaria, já que apenas três chutes asiáticos foram no gol, enquanto os senegaleses tiveram sete.

Apesar da maior agressividade, o Senegal viu o Japão ter mais posse de bola, chegando a ter em alguns momentos do jogo a mais de 70% de posse. Ainda assim, o time asiático não conseguiu mostrar eficiência na hora da finalização. Apostando no contra-ataque e na velocidade, a equipe de Mané parou no goleiro Kawashima.

A maior posse de bola do Japão é resultado também da boa troca de passes do time, que acertou mais do que todas as tentativas do Senegal, com 83% de eficiência nesse fundamento.Já os africanos com mais de 100 passes a menos, ainda errou mais, com 79% de acertos.

O próximo jogo do Japão é contra a Polônia, enquanto Senegal duela com a Colômbia. Os dois países esperam o resultado do jogo entre Colômbia e Polônia, já que caso termine em empate, as duas seleções não têm mais chances de avançar às oitavas, classificando automaticamente senegaleses e japoneses.

 



Japão e Senegal disputaram uma partida movimentada durante a tarde deste domingo. Com participação nos dois gols de sua seleção, o atacante Takashi Inui brilhou durante o empate por 2 a 2 que manteve aberta a briga pelas duas vagas às oitavas de final da Copa do Mundo no Grupo H.

No primeiro tempo, em jogada pelo lado esquerdo da grande área, ele ficou com a bola após domínio de Nagatomo e bateu com precisão para marcar. Na etapa complementar, evitou a saída pela linha de fundo e cruzou na medida para Honda empatar o marcador novamente.

Aos 30 anos de idade, o ponta esquerda de 1,69m de altura já passou pelo futebol alemão e, atualmente, defende o Betis, da Espanha. Curiosamente, Takahashi Inui foi escalado apenas uma vez nas Eliminatórias, na vitória decisiva do Japão sobre a Austrália.

Japão e Senegal têm os mesmos quatro pontos, mas, como tomou menos cartões amarelos (três contra cinco), a seleção asiática lidera o Grupo F. Na última rodada da primeira fase, às 11 horas (de Brasília) de quinta-feira, a equipe defendida por Inui enfrenta a Polônia dependendo de um empate para avançar, em Volgogrado.



Os classificados do Grupo H da Copa do Mundo da Rússia serão conhecidos apenas na última rodada. Com o empate por 2 a 2 registrado em Ecaterimburgo neste domingo, Japão e Senegal, a um ponto das oitavas de final, seguem em uma briga acirrada pela liderança.

As duas seleções têm os mesmos quatro pontos ganhos, com quatro gols marcados e três sofridos – os asiáticos levam vantagem por terem recebido menos cartões amarelos (três contra cinco). Em mais uma partida disputada pelo Grupo H neste domingo, a Colômbia eliminou a Polônia ao ganhar por 3 a 0.

Na última rodada da primeira fase da Copa do Mundo, às 11 horas (de Brasília) de quinta-feira, o Japão volta a campo para enfrentar a Polônia, em Volgogrado. Ao mesmo tempo, em Samara, Senegal e Colômbia encerram a participação na etapa classificatória.

O Jogo – Em um primeiro tempo equilibrado, o Senegal inaugurou o marcador logo aos 10 minutos. Wague recebeu pela direita e cruzou dentro da área. Haraguchi desviou de cabeça e Sabaly completou para o gol. Ao invés de agarrar, o goleiro N’Diaye rebateu. A bola tocou em Mané e terminou nas redes.

O Japão não ficou abalado com o gol sofrido logo no começo da partida e chegou ao empate aos 33 minutos do primeiro tempo. Após lançamento longo, Nagatomo não dominou exatamente da forma que desejava pela esquerda, mas a bola ficou com Inui, que ajeitou e chutou com precisão para igualar o marcador.

Na tentativa de retomar a vantagem no placar, Senegal ainda deu um susto no Japão antes do final do primeiro tempo. Em jogada pelo lado direito da grande área, Niang recebeu em condições de finalizar de canhota, mas o goleiro Kawashima saiu bem e conseguiu defender.

O Japão cresceu no segundo tempo e quase virou. Primeiro, Shibazaki cruzou rasteiro da direita, mas Osako furou de maneira inacreditável. Pouco depois, do lado esquerdo da grande área, Inui recebeu passe de calcanhar de Osako e chutou colocado, no travessão.

O Senegal brecou o ímpeto japonês aos 25 minutos do segundo tempo e retomou a vantagem. Mané recebeu do lado esquerdo e tocou para Sabaly, que cruzou rasteiro. Niang desviou e a bola sobrou limpa do outro lado para finalização certeira de Wague.

A seleção asiática empatou aos 32 minutos da etapa complementar. Osako cruzou da direita, o goleiro N’Diaye saiu e não achou nada. Perto da linha de fundo do lado oposto, Inui cruzou. Honda, que entrou no lugar de Kagawa, apenas completou para igualar tudo novamente.

FICHA TÉCNICA
JAPÃO 2 x 2 SENEGAL

Local: Estádio Principal, em Ekaterinburgo (Rússia)
Data: 24 de junho de 2018 (Domingo)
Horário: 12h(de Brasília)
Árbitro: Gianluca Rocchi (Itália)
Assistentes: Elenito Di Liberatore (Itália) e Mauro Tonolini (Itália)
Cartões amarelos: Inui e Hasebe (JAP); Niang, Sabaly e N’Doye (SEN)
Público: 32.572 pessoas
Gols:
JAPÃO: Inui, aos 33 minutos do 1º Tempo, e Honda, aos 32 minutos do 2º Tempo
SENEGAL: Mané, aos 10 minutos do 1º Tempo, e Wague, aos 25 minutos do 2º Tempo

JAPÃO: Kawashima; Sakai, Yoshida, Shoji e Nagatomo; Hasebe, Shibasaki, Haraguchi (Okazaki), Kagawa (Honda) e Inui (Usami); Osako
Técnico: Akira Nishino

SENEGAL: Khadim N’Diaye; Wagué, Sané, Koulibaly e Sabaly; Pape N’Diaye (N’Doye), Alfred N’Diaye (Kouyate) e Gana; Ismaila, Niang (Sarr) e Mané
Técnico: Aliou Cissé



Fagner foi o único atleta dos que atuam no Brasil a ser titular contra a Costa Rica (Foto: Pedro Martins/Mowa Press)

Aos 29 anos, Fagner construiu a maior parte de sua carreira jogando em seu país de origem. Prestes a fazer a sua segunda partida na Copa do Mundo, o lateral direito do Corinthians minimiza a sua breve experiência na Europa, onde defendeu PSV-HOL e Wolfsburg-ALE por um curto período de tempo, para se credenciar como titular  da Seleção Brasileira.

“O nível de enfrentamento nos treinamentos da Seleção te deixa em condições de enfrentar qualquer adversário. Enfrentar Neymar, Taison, Douglas Costa, te prepara para qualquer tipo de situação nos jogos. Estou tranquilo, pensando em ajudar no jogo da melhor maneira possível”, argumentou, em entrevista coletiva, neste domingo.

Com a lesão no quadril de Danilo, sofrida na véspera da partida contra a Costa Rica, Fagner pôde estrear em Mundiais e, de quebra, foi o único titular entre os que atuam no futebol brasileiro. Lucro para quem chegou na Rússia graças ao corte de Daniel Alves, a quem não ousa a se comparar.

“É difícil me comparar, o Daniel é um excelente jogador. Mas procurei fazer o que estou habituado a fazer no meu clube: o básico. Fui ganhando confiança no jogo e fiquei muito feliz por como as coisas se desenrolaram. Acredito que a tendência, como sou um cara chato, é ir melhorando no decorrer dos jogos”, projetou.

Embora tenha desconversado quando questionado sobre o assunto, Fagner deve permanecer na equipe e enfrentar a Sérvia no decisivo duelo da próxima quarta-feira, em Moscou. Neste domingo, em Sochi, Danilo deu sequência ao seu tratamento com a fisioterapia da Seleção e não viajará com o grupo para a capital russa.

Seja como for, Fagner se vê preparado para o desafio. “Sei o quanto é importante, mesmo no Brasil, eu estar mais próximo dessa intensidade do futebol europeu. A intensidade dos treinos te dá essa melhora, me senti muito bem contra a Costa Rica. A tendência é melhorar física, técnica e mentalmente para os demais jogos. Aqui temos os melhores jogadores do mundo. O nível de concentração dos treinos tem que ser muito alto”, finalizou.

Com quatro pontos ganhos, o Brasil lidera o Grupo E e joga por um empate diante da Sérvia para alcançar as oitavas de final da Copa do Mundo. O duelo está previsto para a próxima quarta-feira, às 15 horas (de Brasília), em Moscou.



Ochoa está satisfeito com desempenho da equipe (Foto: YURI CORTEZ/AFP)

Com a vitória sobre a Coréia do Sul no sábado (24), o México chegou aos seis pontos e lidera o grupo F, com três de vantagem para Suécia e Alemanha. Muito perto das oitavas de finais, os mexicanos precisam de um empate contra a Suécia para não depender da outra partida e avançar de fase. Apesar de estar com a vida mais tranquila que as outras seleções, o goleiro Ochoa lembra que nada foi conquistado ainda.

“Antes de começar a Copa, poucos teriam apostado que o México teria seis pontos. Sabemos que ainda não conseguimos nada, e vamos seguir sem relaxar. Temos que gerar essa sequência de bons resultados”, disse o goleiro.

Um dos líderes do elenco mexicano, Ochoa vem fazendo uma Copa muito boa, principalmente pela atuação contra a atual campeão do mundo, Alemanha. Ele apoia o técnico Juan Carlos Osorio e sua maneira de dispor taticamente o time, e revela que o time está consciente do que sa equipe pode fazer.

“Sempre apoiamos o técnico. Ainda queremos mais. Vejo os sonhos de todos meus companheiros para seguir até o último dia. Estamos com os pés no chão. Minha esperança e de meus companheiros é ficar até o último dia. Esta seleção quer mais que as anteriores”, concluiu.

O próximo jogo da seleção mexicana é contra a Suécia, na quarta-feira (27).



Anderson Santamaría revelou ter pensado no pior ao ver Farfán caído (Foto: Anne-Christine Poujoulat/AFP)

O lance em que o meio-campista Jefferson Farfán se chocou com um atleta sub-20 , utilizado para completar as atividades da seleção, assustou o elenco peruano. Na ocasião, o atleta de 33 anos caiu desacordado no gramado e teve que ser levado às pressas para o hospital. Neste domingo, um dia depois, o zagueiro Anderson Santamaría revelou ter pensado que o companheiro de seleção havia falecido com a pancada.

“Pensei no pior porque ele não se mexia, não mexia as pernas os braços, abriram os olhos dele e estavam brancos, ele apenas piscava. Foi muito duro, nunca havia visto uma situação assim. Pedimos a entrada da ambulância, que graças a Deus estava ali. Mas os médicos nos informaram que, por sorte, ele já se recuperou”, declarou o jogador.

Farfán foi titular na derrota para a Dinamarca por 1 a 0. Porém, perdeu o posto para o atacante Paolo Guerrero na segunda partida, diante da França, e entrou apenas no segundo tempo, já com o placar adverso. Os peruanos também perderam o duelo e acabaram tendo a eliminação da Copa do Mundo confirmada.

Apesar do susto, Farfán já está recuperado, mas segue em observação no hospital. Com isso, não viaja para Sochi, onde a equipe de Ricardo Gareca enfrenta a Austrália, às 11h (de Brasília), na partida em que encerra sua participação no torneio.