Futebol/Campeonato Brasileiro Série B

Em jogaço, Atlético-GO faz 5 a 3, conquista Série B e rebaixa Tupi

São Paulo , SP
12/11/2016 21:25:22 — 12/11/2016 21:44:26

Em: Atlético-GO, Brasileiro Série B, Futebol, Tupi
(Foto: Divulgação)
Atlético-GO foi campeão da Série B pela primeira vez em sua história (Foto: Divulgação)

Um jogaço com direito a duas viradas – uma de cada lado – deu o título do Campeonato Brasileiro da Série 2016 ao Atlético-GO. Com grande público e ingressos esgotados, o Dragão bateu o Tupi por 5 a 3 no estádio Olímpico Pedro Ludovico e sagrou-se campeão da Segundona pela primeira vez em sua história, com duas rodadas de antecedência. Do outro lado, mesmo valente, o Galo Carijó acabou rebaixado à Série C.

O Dragão começou o jogo mostrando porquê é o campeão da Série B, quando Gilsinho abriu o placar com um golaço. Hiroshi empatou para o Tupi, mas o zagueiro Marllon colocou o Atlético-GO na frente de novo antes do intervalo.

O Tupi voltou ligado no segundo tempo e Macos Serrato deu novas esperanças aos mineiros no início da etapa final. Pouco depois, Hiroshi marcou seu segundo gol, o terceiro do Tupi, e decretou a virada dos visitantes.

O Dragão, no entanto, estava determinado a ser campeão em casa e empatou o jogo mais uma vez na metade do segundo tempo, com Luiz Fernando. Aos 33, Jorginho marcou e definiu nova virada no placar, fazendo 4 a 3. Já no final, aos 41, Matheus Caravlho deu número final ao marcador e anotou o tento do título, fazendo 5 a 3 para o Rubro-Negro.

Com o resultado, o Atlético-GO chegou aos 70 pontos na Série B e não pode mais ser alcançado pelo Vasco, que soma 62, já que restam apenas duas rodadas na Segundona. Já o Tupi-MG ficou nos 30 pontos ganhos, oito atrás do Oeste, primeiro clube fora do Z4, e não tem mais possibilidades matemáticas de escapar da Série C.

Na próxima rodada, o Atlético-GO vai visitar o Sampaio Corrêa, sábado, às 17h30 (de Brasília), no Castelão, para a entrega das faixas da Série B. Já o Tupi-MG cumpre tabela no sábado, quando recebe o Náutico, às 16h30 (de Brasília), no Municipal de Juiz de Fora. Ambos os jogos são válidos pela 37ª rodada da Série B.

O JOGO

Gilsinho abriu o placar aos 14 minutos (Foto: Divulgação)
Gilsinho abriu o placar aos 14 minutos (Foto: Divulgação)

A partida tinha clima de final desde o primeiro minuto no estádio Olímpico. Logo aos dois minutos, o desesperado Tupi perdeu sua primeira chance de gol, mas pecou na finalização. Giancarlo recebeu livre na área, mas chutou em cima de Kléver. No rebote, Jonathan, sozinho, pegou errado na bola e mandou para fora.

O Atlético-GO respondeu aos 14 minutos e mostrou porque está muito próximo de ser o campeão brasileiro da Série B 2016. Magno Cruz avançou pela direita e tocou para Gilsinho. O atacante fez o corta luz e já saiu para receber de Jorginho, ficando na cara do gol para bater com calma e abrir o placar com um golaço para o Dragão.

O Tupi não se abateu e começou a pressionar pelo empate. Aos 23, Giancarlo recebeu lindo passe em profundidade e bateu para a defesa de Kléver, que foi bem no lance e ainda pegou o rebote. Cinco minutos depois, porém, Kléver pegou mais uma, mas nada pôde fazer no rebote. Hiroshi recebeu livre pela esquerda e, na segunda finalização, já sem goleiro, empatou o jogo para o time visitante.

O Dragão, porém, estava determinado a ficar com o título em casa. Com 42 jogados, Gilsinho cruzou no segundo pau e o zagueiro Marllon subiu mais que todo mundo para testar a bola no ângulo e colocar os mandantes na frente mais uma vez.

De cabeça, zagueiro Marllon faz o segundo do Atlético-GO (Foto: Divulgação)
De cabeça, zagueiro Marllon faz o segundo do Atlético-GO (Foto: Divulgação)

O Tupi voltou do intervalo determinado a reagir novamente e, após Hiroshi perder boa chance, marcos Serrato igualou o placar. Jonathan dividiu com Marllon na área e, mesmo caído, conseguiu tocar para Marcos Serrato, que finalizou de canhota para empatar o jogo.

A igualdade, porém, não era suficiente para o Tupi escapar da Série C e, aos 16 minutos, Hiroshi se desenhava como herói do Galo Carijó. Henrique cruzou da direita e o camisa 10 visitante subiu bem para testar firme, na direção do gramado, e colocar os mineiros na frente.

A partida estava eletrizante no estádio Olímpico e Luiz Fernando mais uma vez colocou os dois times e igualdade no placar. Magno foi lançado em velocidade, passou para Alison. O atacante furou, mas a bola sobrou para Luiz Fernando, que tocou para o fundo do gol.

O Atlético-GO estava mesmo destinado ao título da Segundona e, para não dar nenhuma esperança ao Vasco, conseguiu o quarto gol – decretando nova virada -, aos 33 minutos. Luiz Fernando fez ótima enfiada para Magno, que perdeu o tempo de bola, mas evitou a saída pela linha de fundo e rolou para Jorginho. O meia chegou batendo cruzado e mandou para as redes.

Aos 41, para terminar com as dúvidas, o Dragão fez mais um e fechou o placar. Em contra-ataque fulminante, Silva recebeu de Magno em velocidade, invadiu a área e toca na saída de Rafael Santos. Matheus Carvalho ainda tocou na bola antes de ela entrar. A torcida foi ao delírio com o título inédito no Olímpico.

FICHA TÉCNICA
ATLÉTICO-GO 5 X 3 TUPI

Local: Estádio Olímpico Pedro Ludovico, em Goiânia (GO)
Data: 12 de novembro de 2016, sábado
Horário: 19h30 (de Brasília)
Árbitro: Luiz César de Oliveira Magalhães (CE)
Assistentes: Marcione Mardonio da Silva Ribeiro (CE) e Armando Lopes de Sousa (CE)

Cartões amarelos: Jorginho e Magno Cruz (ATL); Henrique, Marcos Serrato e Recife (TUPI)

Gols:
Atlético-GO: Gilsinho, aos 14 minutos, e Marllon, aos 42 do primeiro tempo; Luiz Fernando, aos 22, Jorginho, aos 33, e Matheus Carvalho aos 41 minutos da segunda etapa
Tupi-MG: Hiroshi, aos 28 minutos do primeiro e 16 do segundo, e Marcos Serrato, aos 11 da segunda etapa

ATLÉTICO-GO: Klever; Matheus Ribeiro, Marllon, Ricardo Silva e Romário; Bruno Barra, Michel, Jorginho (Silva) e Magno Cruz; Gilsinho (Luiz Fernando) e Alison (Matheus Carvalho)
Técnico: Marcelo Cabo

TUPI: Rafael Santos; Henrique, Gabriel Santos, Bruno Costa e Luiz Paulo; Recife (Vinicius Kiss), Renan Teixeira, Marcos Serrato, Jonathan e Hiroshi (Sávio); Giancarlo (Rubens)
Técnico: Júlio Cirico