Acusações de desvio de dinheiro: CBV se diz "perplexa"

São Paulo, SP

19-12-2018 22:08:30

Após denúncias de desvio de verbas públicas feitas pelo Ministério Público do Paraná, a Confederação Brasileira de Voleibol (CBV) divulgou, nesta quarta-feira, uma nota oficial quanto ao assunto. No documento, a organização se disse perplexa, mas evitou maiores esclarecimentos por não ter recebido, ainda, qualquer tipo de intimação ou citação oficial referente à ação.

Na última segunda-feira, o ex-jogador Ricardinho teve suas contas bancárias e automóveis bloqueados pela Justiça. A ação foi proposta pelo Ministério Público de Maringá, devido à realização de dois eventos de vôlei financiados pela prefeitura da cidade em 2014, que custaram cerca de 880 mil reais aos cofres municipais.

Veja também: Taubaté leva virada, é derrotado e perde chance de vice-liderança

A Confederação Brasileira de Vôlei delegou a organização dos eventos - partidas da Liga Mundial de Vôlei (Brasil x Polônia) e outra da Copa do Brasil - para o Maringá Vôlei, clube de Ricardinho e participante da Superliga.

De acordo com o Ministério Público, a organização só comprovou o custo de 204 mil reais dos 880 mil doados pela prefeitura.

Com isso, a CBV, além do superintendente de competições de quadra da entidade, Renato D'Ávila, e o gerente de captação de recursos e responsabilidade social, Marcos Aurelio da Silva Gonçalves, viraram réus em um processo por enriquecimento ilícito.

Confira a nota oficial da Confederação Brasileira de Voleibol:

"A Confederação Brasileira de Voleibol (CBV) comunica que recebeu com perplexidade, e somente através da imprensa, a informação de que teria se tornado ré em ação proposta pelo Ministério Público do Paraná. Também segundo essas informações veiculadas pela imprensa, o objeto da ação envolveria dois eventos na cidade de Maringá: Copa Brasil e uma etapa da Liga Mundial, ambos realizados no ano de 2014.

A CBV não tem como se manifestar com maior profundidade sobre o tema, pois, até este dia 19 de dezembro, não recebeu qualquer tipo de intimação ou citação oficial da Justiça ou do Ministério Público do Paraná referente à ação noticiada pela imprensa.

Caso venha a ser citada e tenha acesso aos autos da ação, a CBV informa que prestará os esclarecimentos que se fizerem necessários.

A CBV presta solidariedade aos dois profissionais da casa citados no episódio e reafirma a total confiança nos mesmos, profissionais extremamente capacitados e de sólida reputação.

Assim, devidamente esclarecidos os pontos acima, a CBV reforça, mais uma vez, o compromisso com a governança e transparência e está à disposição para qualquer esclarecimento."

Deixe seu comentário