Gazeta Esportiva |

Robson Conceição esquece favoritismo de cubano e vai à final no boxe

Em Mais Esportes, Olimpíadas 2016, Olimpíadas Destaque
Atualizado em 14/08/2016 - 17:32:52 Compartilhe
São Paulo , SP
Robson Conceição perdeu o primeiro round, mas deu a volta por cima para se manter vivo na busca do ouro olímpico (Foto: Yuri CORTEZ/AFP)
Robson Conceição perdeu o primeiro round, mas deu a volta por cima para se manter vivo na busca do ouro olímpico (Foto: Yuri CORTEZ/AFP)

Robson Conceição enfrentou Jorge Alvarez neste domingo em busca de uma vaga para a grande final do peso ligeiro masculino. Diante do tricampeão mundial e medalhista de bronze em Londres 2012, o brasileiro não se intimidou e passou por cima do favorito na categoria, conseguindo encaixar bons golpes para superar o rival por 3 a 0 e avançar à decisão olímpica em busca do ouro.

O primeiro round contou com Robson Conceição tentando se impor dentro do ringue e indo para cima do adversário. Inteligente, o boxeador baiano tentou desestabilizar o adversário se colocando com a guarda baixa na disputa. Rápido e muito bem nos contragolpes, o Robson, no entanto, acabou derrotado no assalto inicial em decisão não muito bem aceita pela torcida, que lotou o pavilhão 6 do Riocentro.

Já no segundo round Robson Conceição manteve o bom desempenho inicial e desta vez conseguiu convencer os juízes de que levou a melhor sobre o adversário. Sem conseguir bloquear os golpes do brasileiro, Jorge Alvarez sentiu o peso da mão do adversário e viu seu oponente crescer na disputa por uma vaga na grande final olímpica no peso ligeiro.

No último e decisivo round o combate levou o público ao delírio com a trocação entre os dois boxeadores já nos segundos finais. Inteiro na luta e demonstrando boa resistência nas investidas do cubano, Robson Conceição conseguiu a virada e se classificou para a grande final do peso ligeiro masculino, mantendo vivo o sonho da medalha de ouro.

Após a luta, Robson Conceição valorizou o apoio da torcida. Diante de uma arena lotada, o boxeador revelou que o apoio dos brasileiros foi fundamental para garantir o resultado. “Essa torcida é muito importante, o resultado poderia ter sido diferente. No primeiro round, quando começaram a cantar “eu sou brasileiro”, me deram uma motivação a mais e com isso consegui sair com a vitória”, disse em entrevista ao SporTV.

Andreia – Pela categoria médio (até 75kg) do boxe feminino, a brasileira Andreia Bandeira venceu sua luta nas oitavas de final e foi para a próxima fase da competição. Contra a boxeadora da República Dominicana, Atheyna Bylon, a brasileira venceu por pontos em decisão dividida dos juízes (2 a 1).

A brasileira volta ao ringue nesta quarta-feira, às 15h (de Brasília), para enfrentar a boxeadora chinesa Li Qian. Caso vença a rival asiática, Andreia já garante mais uma medalha de bronze para o boxe brasileiro.

Robenilson – Quem também entrou no ringue neste domingo foi Robenilson de Jesus. Competindo pelo peso galo, o brasileiro não foi páreo para o rival norte-americano Shakur Stevenson. O adversário de apenas 19 anos não se intimidou com a torcida que compareceu ao pavilhão 6 do Riocentro e conseguiu encaixar boa sequência de golpes para se classificar às quartas de final.

Robenilson iniciou bem o confronto e chegou a encurralar o adversário, que levou uma série de golpes, aparentando ter sentido o impacto. No entanto, apesar de ter apenas 19 anos, Shakur Stevenson não se abalou e manteve a calma para aos poucos reverter o quadro, forçando o brasileiro a paralisar a luta para receber atendimento médico, por conta do corte que sofreu no rosto.

O boxeador brasileiro ainda ensaiou uma reação no último round, mas já era tarde demais para ele. Com a derrota por 3 a 0, Robenilson acabou eliminado e deu adeus às chances de uma medalha olímpica.

Michel Borges – Na última luta brasileira deste domingo, Michel Borges encarou outro favorito ao ouro olímpico e não conseguiu avançar na chave do meio-pesado (até 81 kg). Contra o cubano tricampeão Julio Cesar La Cruz, o brasileiro perdeu por decisão unânime dos juízes (30 a 27).

Medalhista de ouro nos últimos três mundiais (2011, 2013 e 2015) e dois Pan-Americanos (2011 e 2015), La Cruz foi muito superior a Borges e tomou conta da luta, deixando o adversário brasileiro no centro do ringue e distribuindo os golpes cercando o lutador da casa. De guarda baixa e chamando a luta, o cubano foi muito mais efetivo e venceu todos os três assaltos por 10 a 9.

 

Comente