Gazeta Esportiva |

Com salário atrasado, Oleg deixa Brasil antes de definir vaga olímpica

Em Ginástica, Mais Esportes, Olimpíadas 2016
Atualizado em 01/12/2015 - 12:37:17 Compartilhe
São Paulo , SP

Falta menos de um ano para os Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro, e as principais ginastas do Brasil, que dependem da repescagem para conquistar uma vaga, estão sem treinador. O atraso nos vencimentos levou o ucraniano Oleg Ostapenko a pôr um fim antecipado à sua segunda passagem no Brasil e voltar para seu país de origem ao lado da esposa Nadia.

Oleg esteve à frente da Seleção Brasileira entre 2001 e 2008, quando trabalhou com as medalhistas mundiais Daiane dos Santos e Daniele Hypolito. Ao fim do ciclo olímpico de Pequim, no qual a equipe verde e amarela terminou em oitavo lugar, o ucraniano anunciou sua saída e foi treinar a equipe russa juvenil.

Ele retornou ao Brasil em 2011 para treinar as ginastas do Centro de Excelência de Ginástica (Cegin), antiga sede da Seleção, em Curitiba, visando as Olimpíadas do Rio de Janeiro. Mas a inadimplência por parte das entidades nacionais obrigou o treinador a deixar o trabalho pela metade.

Quatro meses antes do evento-teste decisivo, atraso nos vencimentos tirou Oleg da ginástica brasileira (foto: Divulgação)

De acordo com o jornal O Globo, o salário de Oleg e dos outros treinadores era mantido através da Lei de Incentivo Fiscal, e dependia da captação de recursos com empresas privadas, que destinam parte do dinheiro de impostos a projetos esportivos. A crise financeira deixou as captações abaixo do esperado, obrigando o Comitê Olímpico do Brasil (COB) a intervir para manter o ucraniano no mínimo até o Mundial de Glasgow, disputado em outubro.

Na Escócia, a equipe liderada por Jade Barbosa e Dani Hypolito terminou em nono lugar, um posto atrás do necessário para garantir a vaga nas Olimpíadas do Rio, e precisará disputar uma das quatro vagas restantes durante o evento-teste, em abril. Além das veteranas, as atletas Lorrane Oliveira, Mariana Oliveira e a jovem Caroline Pedro eram treinadas por Oleg na capital paranaense.

A expectativa é que ele passe a treinar a seleção da Bielorrússia, que vive uma reformulação. No entanto, a responsável pelo Cegin, Eliante Martins, disse em entrevista ao UOL Esporte que o ucraniano ainda não aceitou a proposta e irá permanecer algum tempo na Ucrânia, enquanto aguarda uma solução e uma eventual nova proposta das entidades brasileiras.

A também ucraniana Irina Iliachenko, no Brasil desde 1999, foi escolhida para assumir o posto de Oleg no Cegin. A treinadora já havia substituído o compatriota em 2009, após a ida de Oleg para a Rússia. Iliachenko dirigiu a Seleção no ciclo olímpico de Londres 2012, ocasião em que não conseguiu a vaga.

Comente