Atletismo/Corrida Internacional de São Silvestre

Marílson admite tristeza por ver na TV a 90ª São Silvestre

André Sender - São Paulo, SP - Brasil
16/12/2014 10:00:19

Em: Atletismo, Corrida Internacional de São Silvestre, Mais Esportes

Tricampeão da Corrida Internacional de São Silvestre, o brasileiro Marílson Gomes dos Santos acompanhará a 90ª edição da prova pela televisão. O fundista não participará do evento de 31 de dezembro como parte de sua programação para disputar a maratona dos Jogos Olímpicos de 2016 no Rio de Janeiro. Mas não sem dor.

Aos 37 anos de idade, Marílson diminuiu o ritmo de competições e treinos na temporada de 2014 porque uma possível lesão colocaria em risco sua tentativa de classificação às Olimpíadas. Assim, abdicou da 90ª São Silvestre e correrá uma maratona no primeiro semestre de 2015 para obter índice para os Jogos Pan-americanos de Toronto e o Mundial de Atletismo.

“Para mim será doloroso assistir à prova pela televisão. É uma corrida de que eu sempre gostei e na qual tenho muita história. Não só pelas minhas vitórias, mas por todas as outras vezes em que participei. Era sempre uma grande festa”, afirmou Marílson, campeão em 2003, 2005 e 2010.

Marílson Gomes dos Santos abdicou da 90ª São Silvestre para intensificar preparação olímpica
Marílson Gomes dos Santos abdicou da 90ª São Silvestre para intensificar preparação olímpica – Credito: Djalma Vassão/Gazeta Press

O fundista de Brasília subiu ao pódio da São Silvestre pela primeira vez em 1999, em que ficou na quarta colocação, e repetiu o desempenho dois anos depois. Antes de conquistar o primeiro de seus três títulos, Marílson ainda foi vice-campeão da prova no ano de 2002, superado por Robert Cheruiyot.

“Tenho uma história muito grande com a São Silvestre, mas não podia sacrificar o ano que vem que será muito importante para mim. Eu vinha de alguns anos treinando e competindo muito, sempre constante, e estava precisando de um descanso para tentar essas marcas para as Olimpíadas, o Pan, e o Mundial”, explicou.

O planejamento de Marílson foi traçado ao lado de seu técnico Adauto Domingues, que também tem grande relação com a São Silvestre. Quando ainda era atleta profissional, o mentor do corredor brasiliense disputou 15 vezes a prova de 31 de dezembro em São Paulo e subiu ao pódio em quatro.

Adauto foi o terceiro colocado da São Silvestre em 1985 e em 1988 e ficou na quinta posição em 1987 e 1990.