Mais Esportes/Futebol Feminino

Pia Sundhage é a nova técnica da Seleção feminina de futebol

São Paulo , SP
25/07/2019 11:23:25 — 25/07/2019 11:29:47

Em: Brasil, Copa do Mundo Feminina, Futebol, Futebol Feminino, Mais Esportes, Notícias

Após a demissão de Vadão e rumores sobre a nova técnica da Seleção Brasileira feminina de futebol, a CBF confirmou a sueca Pia Sundhage, de 59 anos, para o cargo na manhã desta quinta-feira por meio de uma nota em seu site oficial. O contrato terá dois anos de duração, com possibilidade de renovação por mais dois.

Acordo é válido por dois anos, com chance de prorrogação para mais dois (Foto: Laís Torres/CBF)

“A escolha da Pia reflete a nova dimensão que vamos imprimir ao futebol feminino no Brasil. A partir da sua chegada, desenvolveremos um planejamento totalmente integrado entre a Seleção Principal e a base, equilibrando objetivos de curto prazo, como Tóquio 2020, com a renovação contínua dos nossos talentos”, iniciou o presidente da entidade, Rogério Caboclo.

O mandatário também rasgou elogios à nova treinadora. “Pia reúne a experiência e o talento perfeitos para isso. É uma enorme alegria termos essa lenda do futebol feminino no nosso time. Na busca permanente por inovação e excelência, teremos pela primeira vez, uma treinadora estrangeira comandando a Seleção Brasileira Feminina”, completou.

Bicampeã olímpica com os Estados Unidos, a treinadora de 59 anos estava à frente do desenvolvimento da base da Seleção Sueca e aceitou a proposta para escrever novos capítulos de sua vitoriosa história no Brasil. Segundo o comunicado, a negociação entre as partes foi concluída na tarde da última quarta-feira.

Pia Sundhage estava no comando da seleção sub-16 feminina dos Estados Unidos, após uma vitoriosa trajetória no time principal, que conquistou a medalha de ouro nos Jogos Olímpicos em duas oportunidades, em Pequim (2008) e Londres (2012), além do vice-campeonato mundial em 2011.

Depois disso, ela foi para o comando da seleção sueca, onde conquistou a medalha de prata nas Olimpíadas de 2016, no Rio de Janeiro. Ela deixou a Suécia em 2017, após eliminação nas quartas de final da Eurocopa. Em sua carreira, ela também passou por Hammarby (Suécia), Boston Breakers (EUA), Kollbotn (Noruega), KIF Orebro (Suécia) e China (assistente).

Enquanto jogadora, disputou duas Copas do Mundo, de 1991 e 1995, e uma Olimpíada, em 1996, somando 144 jogos e 71 gols com a camisa da seleção sueca. Ainda em seu currículo está o título de melhor treinadora de futebol feminino pela FIFA, em 2012.