Follmann celebra Prêmio Laureus: "Passa um filme na minha cabeça"

São Paulo, SP

27-02-2018 21:52:57

Jakson Follmann foi o representante da Chapecoense no Prêmio Laureus, que aconteceu no Principado de Mônaco, nesta terça-feira. Vencedor da categoria “Momento esportivo do ano”, o clube catarinense acabou superando outras histórias comoventes do esporte e nada mais justo que o ex-goleiro alviverde, que teve de abrir mão de sua carreira ao amputar uma das pernas, receber o troféu. Emocionado, ele ressaltou a importante do prêmio para a instituição e não se esqueceu de seus ex-companheiros, vítimas de uma grande tragédia no final de 2016.

A Chapecoense entrou na disputa após Alan Ruschel, Neto e Jakson Follmann marcarem presença no amistoso do clube catarinense contra o Barcelona, no ano passado, no Camp Nou. O trio comoveu o mundo pelo fato de terem sobrevivido ao acidente aéreo que vitimou 71 pessoas, incluindo 51 integrantes da delegação alviverde, em Medellín, na Colômbia.

“Para mim, é uma emoção muito grande poder representar o clube, passa um filme na minha cabeça. A saudade é muito grande, é eterna. Esse prêmio representa muito para nós sobreviventes, para a Chapcoense, para a cidade de Chapecó, para o torcedor da Chapecoense que tanto sofreu, que tanto sofre. A gente fica muito emocionado em poder receber esse prêmio, que é o Oscar dentro do esporte”, disse Jakson Follmann.

' href='https://www.gazetaesportiva.com/wp-content/uploads/imagem/2018/02/27/000_11E766-1024x709.jpg' data-thumb='https://www.gazetaesportiva.com/wp-content/uploads/imagem/2018/02/27/000_11E766-1024x709.jpg'>

Além disso o ex-goleiro da Chape também enfatizou a importância do prêmio para a reconstrução do clube. Mesmo após o acidente, a agremiação de Santa Catarina não só conseguiu se manter na Primeira Divisão do futebol brasileiro, mas também se classificar à Pré-Libertadores deste ano, em que acabou eliminada pelo Nacional-URU.

“Esse prêmio também é muito importante para a reconstrução do nosso clube. É claro que a reconstrução é muito difícil, foi feita passo a passo, até porque esse prêmio, vale ressaltar, é em homenagem aos nossos irmãos que partiram, que estão com Deus lá no céu. A gente fica extremamente emocionado e ao mesmo tempo motivado para poder dar seguimento ao dia a dia do clube e ao dia a dia das nossas vidas pessoais”, completou Follmann.

A Chapecoense também concorreu na categoria “Melhor retorno do ano” contra o Barcelona, que superou o Paris Saint-Germain nas oitavas de final da Liga dos Campeões ao vencer o jogo de volta por 6 a 1, Valentino Rossi, que quebrou a perna e após três semanas competiu no GP de Aragão de MotoGP, Roger Federer, o premiado e que chegou à disputa ao faturar o Aberto da Austrália após ficar seis meses longe das quadras por conta de uma lesão no joelho esquerdo, além de Justin Gatlin, campeão mundial dos 100m rasos, batendo Usain Bolt, e Sally Pearson, outra figura do atletismo.

 

 

Deixe seu comentário