Vôlei/Supercopa feminina

Rio bate Minas no tie-break e conquista o tri da Supercopa de vôlei

São Paulo , SP
13/10/2017 23:59:07

Em: Mais Esportes, Notícias, Superliga Feminina de Vôlei, Vôlei

Decidida pela primeira vez no Centro de Formação Olímpica do Nordeste (CFO), em Fortaleza, a Supercopa feminina de vôlei foi conquistada por uma “velha e única conhecida”: o Sesc Rio de Janeiro bateu o Camponesa Minas por 3 sets a 2, parciais de 21/25, 25/22, 25/19, 19/25 e 15/10, e foi campeão do torneio pela terceira vez consecutiva em três edições do torneio.

Vale ressaltar que, apesar de se tratar de duas das melhores equipes brasileiras na atualidade, o Minas, vice-campeão da última edição da Copa Brasil, só conseguiu disputar a Supercopa pelo fato de as comandadas de Bernardinho venceram tanto a Superliga como a Copa Brasil.

Rio é vencedor das únicas três edições do torneio (Foto: Divulgação/CBV)

Com toda sua força e poderio ofensivo, principalmente no talento individual, o Rio de Janeiro começou em um ritmo mais forte: em certo momento do primeiro set, abriu cinco pontos. O Minas, no entanto, reagiu: o trabalho coletivo na rede, com ajuste do passe e melhora no bloqueio, fez com que a equipe saísse na frente, 25/21.

Diante de um bloqueio rival que muito funcionava no segundo set, o Rio foi se encontrando na partida quando passou a explorá-lo ou quando atacou pelo corredor. Em contrapartida, com a queda na qualidade do passe mineira, Rosamaria, principal arma da equipe até então, tornou-se menos perigosa. Com este cenário, vitória carioca na parcial, 25/22.

A boa entrada de Juciely fez o técnico Bernardinho mantê-la para o início do terceiro set. Demonstrando confiança, a atleta respondeu bem no bloqueio e foi uma das opções – além da oposto Monique, muito regular no jogo – do Rio na parcial finalizada com certa tranquilidade: 25/19.

No quarto set, inversão de atuações. Mais ligado na defesa, e com viradas excelentes, o Minas chegou a abrir até oito pontos de vantagem no decorrer da parcial. Bastante superior, o time do italiano Stefano Lavarine devolveu o placar, 25/19, e forçou o tie-break.

O último e derradeiro set começou bastante equilibrado, com as duas equipes intercalando os pontos. Com o bloqueio funcionando, o Rio abriu uma ligeira vantagem na virada de quadra – de três pontos -, que foi mantida na sequência: final 15/10 e título carioca.