São Caetano bate o Bragantino e é o campeão da Série A2 do Paulista

São Paulo, SP

06-05-2017 21:34:13

São Caetano e Bragantino entraram em campo na noite desse sábado já com as vagas garantidas para a elite do futebol Paulista do ano que vem. Mas, mais do que isso, o confronto no Anacleto Campanella, no ABC, valia a taça de campeão da Série A2. E debaixo de muita chuva, o Azulão fez a festa com seu torcedor e conquistou o título com uma vitória por 2 a 1 na final de jogo único, para 6.372 torcedores.

Desde 2004, quando bateu o Paulista de Jundiaí e conquistou a taça na Série A, o São Caetano não sabia o que era ser campeão. Por outro lado, o jejum da equipe de Bragança Paulista vai continuar. O último título do clube segue sendo a conquista da Série C, em 2007.

Além do troféu, o São Caetano leva R$ 280 mil como premiação e uma vaga para disputar a Copa do Brasil de 2018. Vale destacar que o classificado na primeira fase da competição nacional embolsa R$ 500 mil, valor muito significante para times do interior.

O jogo
O gramado não era dos melhores. Com a chuva torrencial que caia no ABC, a situação ficou um pouco pior. Dessa forma, não havia como exigir muito dos jogadores, que passaram a adotar os lançamentos como armas para tentar furar os bloqueios defensivos. O campo não chegou a criar poças, mas a irregularidade e um pouco de lama atrapalhavam os atletas mais técnicos.

Assim, foi justamente na bola aérea que o São Caetano criou o primeiro grande lance da final. Logo aos 10 minutos, o Azulão abriu o placar com Sandoval, que aproveitou desvio de cabeça de Ermínio depois de cobrança de falta de Alex Reinando. O problema é que o assistente viu impedimento na jogada e anulou tudo. E errou.

No minuto seguinte, Carlão saiu cara a cara com Renan Rocha, mas parou na grande defesa do goleiro de Bragança. O São Caetano era melhor em campo. Os visitantes encontravam dificuldades para ter posse de bola. Mesmo assim, por pouco não surpreenderam depois de uma saída do gol totalmente sem nexo do arqueiro Paes.

Sorte do Azuão, e azar do Bragantino, que em um lance muito parecido, aos 39 minutos, acabou levando um gol. Dessa vez foi a vez de Renan Rocha errar ao sair debaixo das traves. O goleiro acabou socando a bola para a marca do pênalti, onde estava Paulinho Santos, que só teve o trabalho de mandar para o gol vazio.

Uma grande vantagem para o segundo tempo, porém, que não foi muito bem aproveitada. Na volta do intervalo, o Massa Bruta partiu para a pressão e criou duas situações para empatar em menos de três minutos. Na primeira, o centroavante Rafal Grampola desperdiçou de maneira inacreditável. Em compensação, na sequência o camisa 9 emendou uma bicicleta depois de sobra na área e deixou tudo igual em grande estilo.

A partida novamente ficou muito equilibrada e com muitos espaços, principalmente pelo fato da chuva ter dado uma trégua. De novo, melhor para os donos da casa. Aos 21 da etapa final, Régis também estava no centro da área do Bragantino para aproveitar uma sobra de bola e estufar as redes.

Os últimos minutos foram de muita apreensão. O capitão do Azulão, o volante Eslei recebeu o segundo amarelo por causa de um toque de mão na bola e acabou deixando sua equipe com um jogador a menos em campo, apesar de muita reclamação.

O Bragantino teve pouco mais de dez minutos para buscar ao menos uma nova igualdade e levar a definição do título para a maraca da cal. No entanto, apesar de muita pressão, o São Caetano conseguiu se segurar e garantiu o grito de “é campeão” após o apito final do árbitro no Anacleto Campanella.

Deixe seu comentário