COPA DO MUNDO 2018 RÚSSIA

Prestes a deixar a Itália, onde fez a preparação para a Copa, a Alemanha chega nesta terça-feira (12) na Rússia. A atual campeã do mundo é, mais uma vez, uma das mais cotadas para levar a taça e o treinador Joachim Löw falou sobre o panorama desta edição da competição e admite que sua seleção é o alvo das demais.

Löw foi sincero em sua opinião (Foto: Christof STACHE/AFP)

“As outras seleções se aperfeiçoaram desde 2014. Equipes como França, Espanha, Brasil e Argentina estão melhores. Quando você é Campeão do Mundo, vencedor da Copa das Confederações, número 1 no ranking da Fifa por três, quatro anos, você será caçado. Todos os times vão querer derrubar o defensor do título”, declarou Löw.

“As equipes são bem parecidas em qualidade. Então, é preciso um pouco de sorte e ficar livre de lesões. É necessária uma performance em alto nível, ser preciso. Assim como treinos físicos e táticos, é importante estar mentalmente forte para suportar a pressão e sermos disciplinados”, afirmou o técnico.

O alemão ainda ressaltou que seus jogadores também evoluíram. “Desde 2014, nós desenvolvemos nosso estilo de jogar. Se cometermos os mesmos erros que cometemos diante da Áustria, não seremos mais do que uma equipe média. Agora, se fizermos as pequenas coisas certo, será difícil jogar contra a gente. Somos fortes ofensivamente, mas dizem que boas defesas ganham torneios. É um princípio fundamental para termos em mente”, disse.

Por fim, o treinador analisou brevemente a dificuldade do grupo que a Alemanha caiu. “Todos os times do Grupo F estão em um nível similar. Suécia e Coreia do Sul não são equipes fáceis de se enfrentar. México tem muitas qualidades táticas e técnicas. São oponentes fortes e perigosos”, completou.



Nesta sexta-feira, a Seleção Portuguesa fará sua estreia na Copa do Mundo contra a Espanha. Alguns jogadores estão definindo aonde jogarão na próxima temporada. Após as agressões e invasões no CT do Sporting, Rui Patrício já havia reincidindo com o clube. Agora, mais três estão fora dos Leões na próxima temporada: Gelson Martins, William Carvalho e Bruno Fernandes.

Os jogadores encaminharam as solicitações para a Federação Portuguesa de Futebol e estão livres no mercado para acertarem com outro clube. Além dos atletas, o treinador Jorge Jesus também já não está no clube.

Gelson Martins não ficará no Sporting na próxima temporada (Foto: Emmanuel Dunand/AFP)

Caso algum outro atleta queira deixar o Sporting, o prazo final para rescisão é quinta-feira. Assim, essa semana é decisiva para os jogadores definirem os seus futuros por questões contratuais. Lembrando que a invasão dos torcedores aconteceu como forma de protesto, pelo Leão não ter conseguido se classificar para a próxima Liga dos Campeões.

Portugal está no Grupo B, da Copa do Mundo, na companhia de Espanha, Marrocos e Irã. A estreia está marcada para a próxima sexta-feira às 15h00 (horário de Brasília), em Sochi diante dos espanhóis.



A França pode ser uma das favoritas para a Copa do Mundo de 2018, mas para Mikael Silvestre, vice-campeão com a equipe na competição de 2006, os torcedores da seleção devem se preocupar com a defesa. Em entrevista ao site da Fifa nesta segunda-feira, Silvestre analisou os aspectos defensivos do clube.

“O treinador não conseguiu montar a defesa por um tempo, o que é sempre uma preocupação quando você vai para essa competição. Mas os jogadores lutando pelo seu espaço têm a habilidade de se estabelecerem e fazerem a mesma contribuição para a seleção do que fazem nos clubes”, afirmou.

Silvestre analisou seleção da França antes da Copa do Mundo (Foto: AFP)

Silvestre também comentou sobre sua torcida na Copa do Mundo e o desempenho de Dembele, principal jogador jovem da equipe. O atleta do Barcelona despontou no Rennes, da França, quando Mikael Silvestre era o diretor de futebol do clube.

Torço para a França, como qualquer bom torcedor. O fato de que sou ex-jogador da seleção não muda nada. Esse é o sentimento mais importante. Quando fala com amigos, jogadores, técnicos e especialistas de futebol, todos dizem que estamos entre os favoritos”, disse.

“Dembele é um ótimo jogador. Não estou surpreso de vê-lo neste nível. Quando alguém tem o talento que ele tem, você presta atenção. Teve uma ascensão meteórica e as coisas estão claras na cabeça dele, sem complicações, que é uma característica que ele compartilha com o Mbappé. Ir para a seleção foi somente uma outra fase para eles – é difícil para alguns, mas não eles. Eles estão prontos. São incrivelmente talentosos, e isso não me surpreende”, completou.



Alisson foi formado no Internacional (Foto: Joe Klamar/AFP)

Precisando urgentemente de um goleiro confiável, o Liverpool fez proposta de 65 milhões de euros (aproximadamente R$ 285 milhões) para a Roma para contratar Alisson Becker, arqueiro titular da Seleção Brasileira na Copa do Mundo da Rússia. A oferta ainda incluiria o treinador Jurgen Klopp garantido que o jogador de 25 anos seria o titular.

Os Reds sabem que parte da derrota na final da Liga dos Campeões foi Loris Karius, que falhou no terceiro gol do Real Madrid e bobeou no lance em que Benzema abriu o placar. Os merengues seriam um dos concorrentes da equipe de Anfield na contratação de Alisson, no entanto o time espanhol só poderia oferecer a disputa pela titularidade com o costa-riquenho Keylor Navas.

O goleiro brasileiro já declarou que quer definir o seu futuro antes da Copa do Mundo e que, caso não consiga assinar com um clube antes da disputa, só voltará a se envolver em negociações contratuais ao término da campanha do Brasil na Rússia.

Alisson se transferiu para a Roma em julho de 2016 por oito milhões de euros. Na última temporada, o jogador de 25 anos sofreu 47 gols em 49 partidas e passou 22 jogos sem ser vazado.



Deschamps defendeu o goleiro Lloris (Foto: Franck Fife/AFP)

O goleiro Hugo Lloris sofreu críticas da imprensa e da torcida após falhas nos dois últimos amistosos da seleção francesa. Na vitória diante da Itália, o arqueiro espalmou falta cobrada por Balotelli para o meio da área e Bonucci marcou no rebote, enquanto no empate contra os Estados Unidos sofreu o gol de Julian Green em um chute no canto que protegia. Apesar do cenário, Didier Deschamps, treinador dos azuis, bancou o goleiro, mas reconheceu que ele “pode fazer melhor”.

“É uma posição específica, ingrata. Claro, ele sabe que nessas duas situações, principalmente a última, pode fazer melhor. Quando existem gols nos quais podemos sentir que a responsabilidade do goleiro está envolvida, é um pouco mais complicado. Hugo tem experiência, ele viu outros. Isso pode acontecer a qualquer momento, e é melhor que isso aconteça antes do que durante (a Copa do Mundo)”, disse o comandante francês em entrevista coletiva, nesta segunda-feira.

Quando perguntado sobre a diferença técnica de Giroud em comparação a Mbappé e Griezmann, Deschamps foi enfático e defendeu o centroavante do Chelsea. “Se você espera que Olivier Giroud pegue a bola e drible três jogadores, ele não fará isso. Mas não tire a qualidade de Olivier. Veja o que ele faz, os gols que ele marca, se eles são bonitos ou não. Ele é um artilheiro.”

Tentando o bicampeonato mundial, a seleção francesa inicia sua caminhada na Copa neste sábado, às 7 horas (de Brasília), contra a Austrália. Na segunda rodada, a França encara a Dinamarca antes de decidir o grupo C da competição contra o Peru.



A Inglaterra tem o terceiro elenco mais novo da Copa do Mundo e tenta chegar menos desacreditada em um Mundial do que nas edições passadas. Sem conseguir chegar nas semifinais desde 1990, na Itália, os ingleses se reinventaram ao comando de Gareth Southgate e acreditam que é possível fazer uma boa campanha e apagar a eliminação precoce no Brasil em 2014, ainda na fase de grupos.

Southgate tenta acabar com campanhas ruins da Inglaterra (Foto: Paul ELLIS/AFP)

O jovem técnico mudou o sistema de jogo inglês e, no psicológico, incentiva seus jogadores a acreditarem que podem ir longe. “Por que eu limitaria o que eles sentem ser possível? Meu trabalho é permitir que as pessoas sonhem. Faça o impossível parecer possível. Nenhum de nós vai ficar animado ou sair da cama apenas para sair do grupo. Eles estão em na idade e têm fome, entusiasmo e qualidade para que possam continuar melhorando”, disse.

“Temos que melhorar para alcançar os últimos estágios de um torneio e isso vai exigir muito trabalho nas próximas semanas e um grande compromisso. Mas estou vendo evidências de que eles estão abraçando esse desafio “, completou o comandante.

No comando da seleção desde 2016, depois da eliminação na Eurocopa nas oitavas de final, para a surpresa Islândia, Southgate espera que o grupo tenha aprendido com a experiência para não sofrer algo parecido na Rússia. “O que tentamos fazer não é enterrar essa experiência. Se você enterrá-lo e não discutir por que isso aconteceu, você não aprenderá a lição. Foi uma decepção. Com o tempo, os jogadores têm sido mais abertos sobre isso e implementamos métodos e trabalho psicológico para lidar com esses problemas”

O técnico completou exaltando seus atletas e a camisa da Inglaterra. “Esta é uma equipe diversificada com diferentes conjuntos de habilidades e eles têm a chance de fazer sua própria história. Sempre que você está na Inglaterra, você tem a oportunidade de fazer história ”.

A estreia inglesa acontece na segunda (18), contra a Tunísia.



O astral da Seleção Brasileira não poderia ser melhor após vencer o último amistoso antes da estreia na Copa do Mundo de maneira contundente, por 3 a 0, contra a Áustria. No caminho de Viena para Sochi, onde a delegação permanecerá durante toda a primeira fase, Paulinho exemplificou bem o momento do time verde e amarelo ao parabenizar Fagner, que completa 29 anos nesta segunda-feira.

Em imagens feitas pela CBF durante o voo até a Rússia, Paulinho vai até a poltrona em que Fagner está e dá os parabéns ao lateral-direito oferendo um “bolo” feito aparentemente de isopor com uma azeitona presa a um palito de dentes na base superior, como se fosse uma vela de aniversário.

Aos risos, Paulinho pede para que Fagner, que está ao lado de Cássio, seu companheiro no Corinthians, apague a vela, o que foi atendido. Posteriormente, um dos jogadores da Seleção ainda joga uma coberta em cima do jogador do Timão, que foi muito receptivo com as brincadeiras antes do desembarque em Sochi.

Nesta segunda-feira o elenco recebeu uma folga de Tite e sua comissão técnica, satisfeitos com o desempenho do Brasil nos últimos dois amistosos. O grupo volta a trabalhar na terça pela manhã, quando entra na fase final de sua preparação para o confronto com a Suíça, às 15h (de Brasília) de domingo, em Rostov.




Nesta segunda-feira, a seleção do México foi mais uma a chegar em solo russo para a disputa da Copa do Mundo deste ano. No último sábado, os mexicanos foram derrotados pela Dinamarca por 2 a 0, no último amistoso pré-Mundial.

A equipe comandada pelo ex-técnico do São Paulo, Juan Carlos Osorio, aterrizou em Moscou, capital da Rússia, e já iniciará a preparação para a Copa.

O México está no Grupo F da competição internacional, junto da Alemanha, Coreia do Sul e Suécia. A estreia do time de Osorio será no domingo, dia 17, diante os alemães, às 12h00 (horário de Brasília). O duelo acontecerá no Estádio Olímpico Lujniki.

 



Martínez vai completar dois anos no comando da Bélgica (Foto: BRUNO FAHY/AFP)

Comandando a seleção que mais subiu no ranking mundial nos últimos anos, o espanhol Roberto Martínez tem em mãos, provavelmente o melhor elenco da Bélgica em uma Copa do Mundo na história. A geração de ouro belga chega à Rússia atrás apenas da Alemanha no ranking da Fifa e tenta surpreender – ou confirmar sua ascensão – no mundial que começa nesta semana.

Desde agosto de 2016 treinando a Bélgica, Martínez estreia numa Copa contra o Panamá, na segunda-feira, 18. Apesar de não ser unanimidade no país, o técnico não se intimida e, em entrevista para o site inglês The Guardian, mostrou-se focado e tranquilo para o maior desafio da carreira.

“Eu me lembro da minha primeira Copa do Mundo em 1982, quando eu tinha 10 anos, comecei uma coleção da Panini com meu pai, peguei todos as figurinhas e tentei entender o máximo que pude sobre as outras nações. Então, estar envolvido no torneio, como treinador de uma seleção, significa muito. Mas, assim como o futebol, é tudo sobre os jogadores. Eu tenho um grupo fantástico e acredito totalmente neles”, afirmou.

Pressionado por se classificar em primeiro na fase de grupos, em que se encontra no Grupo G, com Inglaterra, Panamá e Tunísia, além de conseguir chegar, pelo menos na semifinal, Martínez é cauteloso. “O fracasso não está tentando vencer. Vamos ser aventureiros e corajosos. Vamos tentar ganhar todos os jogos. Mas os sentimentos que você desenvolve nos três jogos do grupo são essenciais”.

“Temos o talento, mas, claramente, um país como a Alemanha, por exemplo, já tem a crença nisso. Quando você fala com ex-jogadores da Alemanha, eles dizem que quando eles vestiram a camisa, eles não tiveram dúvidas de que venceriam. Essa psicologia é poderosa em torneios mata-mata. Precisamos mostrar essa mentalidade e acredito que o faremos porque nossa atitude e talento são muito bons”, completou o espanhol.

Apenas uma derrota em toda a sua campanha como treinador belga(Foto: EMMANUEL DUNAND/AFP)

A frente da seleção por 18 jogos até a Copa, Martínez perdeu apenas um jogo e, nas eliminatórias europeias, viu sua seleção ser a primeira classificada para o Mundial. “Perdemos apenas meu primeiro jogo, o amistoso contra a Espanha, e desde então os jogadores mostraram um foco incrível. Foi um jogo muito interessante porque Julen Lopetegui assumiu como treinador ao mesmo tempo. Esse foi nosso primeiro jogo no comando. Foi semelhante quando ele assumiu o Porto e nos enfrentamos em um amistoso no Everton”

O técnico ainda analisou a seleção espanhola, uma das mais cotadas para ser campeã na Rússia. “A Espanha está em um bom momento. Eles têm uma boa mistura de jogadores que já sabem o que significa ganhar um grande torneio e jogadores mais jovens que jogaram neste estilo nos últimos 10 anos. A partir daí aprendemos muito taticamente e ajustamos. Estamos prontos para competir contra times como a Espanha”.

Martínez também explicou um pouco sobre os sistemas que experimentou e o que prefere utilizar. “Normalmente não jogamos em 5-3-2, mas queremos ser flexíveis. O sistema que mais usamos foi o 3-4-3, pois ajuda os jogadores da frente que temos com Kevin, Eden Hazard, Dries Mertens e Romelu Lukaku. Foi bom nas eliminatórias, mas tentamos outros sistemas em amistosos. O México foi fantástico taticamente e nos deu um ótimo exercício.

“Mas o sistema é apenas uma posição inicial. Estou mais interessado na maneira como jogamos e na nossa mentalidade. Na Copa do Mundo, precisamos mostrar que estamos preparados para sofrer – e enfrentar adversidades. Este grupo não tem uma geração anterior para mostrar como vencer um grande torneio. Então, está quase indo para o desconhecido e precisamos estar muito focados”, afirmou Martínez.