Panamenhos, Evair e o filho Ademir veem o Palmeiras pela 1ª vez

São Paulo, SP

05-07-2018 18:56:24

Nome de ídolo matador e com Divino como filho. Este é Evair, um torcedor panamenho que nunca visitou o Brasil, mas pela primeira vez, pôde ver de perto seu time do coração jogar. Não só ele, aliás, mas o pequeno Ademir, de dois anos, homenagem que o pai fez a um dos maiores jogadores da história do clube.

“Quem escolheu meu nome foi meu pai, que é um grande fã da Seleção Brasileira. E quando eu nasci, em agosto de 1987, a Seleção Brasileira estava jogando o Panamericano de Indianápolis e no time tinha o Evair. Então ele colocou o meu nome do jogador que fez gol na final, que foi no dia 21 de agosto, no dia que eu nasci. E nessa final o Evair fez gol. Então como ele também gostava como o Evair jogava, me colocou esse nome”, contou, antes de explicar o nome do filho.

Evair, filhos e sobrinhos posam para fotos com os mascotes do Palmeiras (Foto: Reprodução)

“Quando meu filho nasceu, estávamos buscando um nome para ele. E eu, para seguir a tradição, estava buscando um nome de algum jogador brasileiro, algum jogador do Palmeiras. Não gostei de nenhum nome na Seleção, e como sou fanático pelo Palmeiras e o Evair é um ídolo do Palmeiras, busquei entre os ídolos e gostei do nome Ademir. Também queria colocar meu nome e achei uma boa combinação e coloquei o nome Ademir-Evair”.

O pequeno Ademir, irmão de Arjen, em homenagem ao holandês Robben, nasceu justamente no ano em que o clube saiu de uma fila sem títulos brasileiros que já durava 22 anos. Nesta semana, foi a vez de conhecer um dos protagonistas naquela conquista.

“E meu filho nasceu em 2016 e no fim do ano o Palmeiras ganhou o Brasileirão pela primeira vez desde o começo de 1990. Então demos sorte ao clube. Meu jogador favorito é Dudu. Eu gosto como ele joga e sempre é protagonista nos momentos importantes. Fez muita coisa importantes e fez um bom trabalho no clube

Antes da partida contra o Independiente Medellin, ele conheceu alguns jogadores e posou para foto com o filho ao lado dos mascotes do Verdão.

“Quando fiquei sabendo que o Palmeiras vinha jogar no Panamá, eu disse ‘tenho que ir a esse jogo, tenho que ver meu time jogar’. E também perguntei para o meu pai e para o meu sogro se queriam vir, todos quiseram e então nós viemos”, finalizou.

https://www.youtube.com/watch?v=93M0cewSlnI

Deixe seu comentário