Claudio Tapia é reeleito presidente da Associação do Futebol Argentino

AFP - São Paulo,SP

19-05-2020 22:09:00

Claudio Tapia foi reeleito nesta terça-feira para um novo mandato como presidente da Associação do Futebol Argentino (AFA), enquanto o apresentador e empresário de televisão Marcelo Tinelli foi eleito diretor da nova Liga Profissional, que substituirá a Superliga.

Na terça-feira, uma reunião foi realizada por meio de uma videoconferência em que Tapia, que iniciou seu mandato como presidente da AFA em março de 2017, foi votado para prorrogar seu mandato de março de 2021 a 2025.

Tapia foi reeleito presidente da AFA (Foto: Juan Mabromata/AFP)

Também foi aprovada a criação da Liga Profissional, em vez da Superliga Argentina de Futebol (SAF), que foi dissolvida por acordo dos clubes da primeira divisão, com uma primeira mudança que prevê a eliminação de quedas nos próximos dois anos, o que fará que na próxima temporada a competição aumentará de 24 para 26 equipes.

Em princípio, outra mudança é que o campeonato da nova Liga Profissional será realizado de janeiro a dezembro, de acordo com o cronograma dos principais torneios da Conmebol: a Copa Libertadores e a Copa Sul-Americana.


Tapia vai contar com seis vice-presidentes, incluindo Rodolfo D'Onofrio (River Plate) e Marcelo Tinelli (San Lorenzo), Jorge Amor Ameal (Boca Juniors) e Hugo Moyano (Independiente), quatro dos clubes mais populares.

"Tivemos que reconstruir a AFA. Todos sabiam em que condições encontramos esta casa, em uma situação econômica difícil, e quero agradecer a todos os membros do Comitê Executivo, a cada funcionário da AFA e a cada treinador dos selecionados", ressaltou Tapia.

Por seu lado, Tinelli disse que "significa um grande orgulho e um enorme desafio que meus colegas tenham me escolhido para liderar esta nova etapa do nosso amado futebol argentino. Devemos trabalhar para oferecer jogos mais atraentes e torneios dinâmicos. O futebol argentino deve recuperar o lugar de privilégio que ele sabia ter e que fez dele uma potência mundial".

A nova Liga Profissional manterá os direitos e obrigações que a Superliga tinha, mas não será mais uma entidade totalmente independente, porque para assinar um contrato ou ter uma despesa significativa, precisará da aprovação de Tapia ou do comitê executivo da AFA.

Na prática, a criação da Liga Profissional permite que Tapia aumente seu poder à frente da AFA, uma vez que os clubes estão novamente na órbita da entidade que governa o futebol argentino, além de fazer com que o River volte ao conselho de administração depois de alguns anos em que esteve distante da AFA.

Deixe seu comentário