Futebol/Brasileiro Série A

Vasco estuda medidas temendo protestos da torcida

Gazeta Press - Rio de Janeiro , RJ
12/09/2018 14:25:13

Em: Brasileiro Série A, Futebol, Notícias, Vasco
Vasco vive momento turbulento no Brasileiro (Foto: Rafael Ribeiro/Vasco)

Jogadores sendo ameaçados na saída do clube, carros sendo interceptados e fogos atirados do lado de fora do Centro de Treinamento do Almirante, em Vargem Pequena, Zona Oeste do Rio de Janeiro. Está é a realidade do Vasco após a derrota de 1 a 0 para o Vitória, na Bahia, a quarta consecutiva no Campeonato Brasileiro, onde o Cruz-Maltino aparece colado na zona de rebaixamento e fora dela apenas por conta de critérios de desempate.

Diante deste cenário, a diretoria estuda medidas para evitar que algo de mais grave aconteça. Na manhã desta quarta-feira membros da diretoria se reuniram para tratar de alguns posicionamentos. As imagens do zagueiro Luiz Gustavo sendo obrigado a parar o carro, abrir a janela e ouvir ameaças de torcedores viralizou nas redes sociais, causando preocupação. O auxiliar Valdir Bigode chegou a conversar com os torcedores na saída do CT.

Vários torcedores estão ameaçando agredir os torcedores caso o Vasco não vença o clássico contra o Flamengo no próximo sábado, às 19h (de Brasília), no Estádio Mané Garrincha, em Brasília, pela 25ª rodada do Campeonato Brasileiro. Por isso a logística do retorno ao Rio de Janeiro está sendo analisado e deve sofrer alterações.

A ida, em conjunto com a delegação do Flamengo, na sexta-feira, em voo fretado, não deve ser alterado por conta dos possíveis prejuízos financeiros causados pelas modificações. Mas um forte esquema de segurança foi montado, a Polícia Militar foi avisada, assim como o próprio clube rubro-negro.

Dentro de campo o elenco voltou a trabalhar nesta quarta-feira, mais uma vez em uma atividade fechada para a imprensa. Nas últimas atividades da semana o técnico Alberto Valentim vai definir o time que pretende utilizar no clássico. Ele não vai poder contar com o lateral-direito Yago Pikachu. O jogador, que vem atuando de maneira improvisada no meio-de-campo, foi expulso contra o Vitória e cumpre suspensão, assim como o volante argentino Leandro Desábato, advertido com o terceiro cartão amarelo na mesma partida.

Outro problema é a ausência do meia Wágner, que teve seu contrato rescindido de forma unilateral na Justiça por conta de atrasos salariais e no pagamento do Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS). O Vasco vai tentar recorrer da decisão.