Atacante do Vasco, Cano quer ver Argentina campeã no Brasil - Gazeta Esportiva
Copa América Copa América

O argentino Germán Cano se tornou o maior ídolo do elenco atual do Vasco. Artilheiro da equipe, ele deixou o futebol de seu país há dez anos, mas não esquece da seleção argentina. Com a Copa América começando neste domingo no Brasil, Cano manifestou sua torcida por ver o conterrâneo Lionel Messi campeão.

Multicampeão pelo Barcelona e várias vezes escolhido o melhor jogador do mundo, Messi, entretanto, nunca conseguiu resultados expressivos com a seleção argentina. Seu maior triunfo foi o ouro olímpico nos Jogos de Pequim, em 2008. Em Copas do Mundo e Copas América, Messi só alcançou o vice.

Messi esteve muito próximo de se consagrar em 2014, quando foi vice-campeão mundial (Foto: Fernando Dantas/Gazeta Press)

O último título da Copa América dos vizinhos foi em 1993, uma espera, portanto, de 28 anos. Além disso, para Messi, que completará 34 anos este mês, esta pode ser sua última oportunidade.

”Todos os argentinos querem que ele ganhe a Copa América. Ele fez muito pela Seleção e o vejo muito comprometido em reverter essa situação que já o fez viver várias tristezas. Espero que desta vez possa acontecer”, afirmou Cano em entrevista ao canal TyC Sports, da Argentina.

O desempenho da equipe no empate por 2 a 2 diante da Colômbia, pelas Eliminatórias, deixou Cano esperançoso.

”Se seguir jogando da mesma forma como jogou, a equipe vai funcionar bem. Espero que nos possa oferecer um bom futebol para todos da torcida e consolidar um grupo que possa continuar a ganhar confiança”, disse.

A seleção da Argentina está no grupo A da Copa América, ao lado de Bolívia, Chile, Paraguai e Uruguai. A estreia será contra o Chile, na próxima segunda-feira, no Nilton Santos, no Rio de Janeiro.

Pelo Vasco, Cano deve estar em campo neste sábado à noite em Pelotas diante do Brasil-RS, pela terceira rodada da Série B do Campeonato Brasileiro.



O Brasil estreou com vitória na Copa América 2021. Neste domingo, a equipe do técnico Tite superou a Venezuela sem grandes dificuldades, marcando um placar de 3 a 0. Confira abaixo os gols do jogo:

– Primeiro gol: marcado por Marquinhos

– Segundo gol: marcado por Neymar

– Terceiro gol: marcado por Gabigol



O capitão Casemiro reforçou a motivação da seleção brasileira para não boicotar a Copa América, mesmo com a insatisfação geral do elenco.

A comissão técnica e os atletas externaram o incômodo com a transferência repentina da competição para o Brasil, principalmente pelo fato da CBF não dividir a notícia com o grupo.

Mesmo assim, nenhum jogador se recusou a atuar. E o Brasil venceu a Venezuela por 3 a 0 neste domingo, no Mané Garrincha, pela estreia na Copa América.

“Importante os três pontos, começar bem. Venezuela tinha muitos desfalques, mas é o nosso trabalho, nosso foco”, disse Casemiro, ao SBT.

“Aqui existem homens, mas um dia fomos crianças e tivemos o sonho de honrar a camisa. Sempre queremos honrar essa camisa. Quando se entra aqui essa camisa obriga a isso. O escudo obriga a fazer o melhor e dar o máximo. Somos homens, mas fomos crianças e vivemos esse sonho”, completou.

O Brasil voltará a campo para enfrentar o Peru, quinta-feira, às 21h (de Brasília), no Nilton Santos.



Marquinhos abriu o placar para o Brasil na vitória por 3 a 0 sobre a Venezuela na noite neste domingo, no Estádio Mané Garrincha, pela estreia na Copa América.

O zagueiro furou a retranca dos visitantes aos 22 minutos do primeiro tempo e tornou o duelo mais fácil para os donos da casa.

“Equipe conseguiu desempenhar bom papel, fizemos o que queríamos fazer. Encontramos um time fechado, mas abrimos o placar no primeiro tempo e isso nos ajudou”, disse Marquinhos, ao SBT.

“É importante marcar gols, mesmo sendo zagueiro. Procuro ajudar na sempre, principalmente em jogos como esse, fechados. É importante sair na frente e graças a Deus saímos com a vitória”, completou.

O Brasil voltará a campo para enfrentar o Peru, quinta-feira, às 21h (de Brasília), no Nilton Santos.



Everton Ribeiro aproveitou mais uma chance com o técnico Tite na vitória do Brasil por 3 a 0 sobre a Venezuela na noite neste domingo, no Estádio Mané Garrincha, pela estreia na Copa América.

O gols foram marcado por Marquinhos e Neymar, um em cada tempo, mas o meia entrou no intervalo, na vaga de Lucas Paquetá, e deu nova dinâmica ao ataque.

“Muito bom poder entrar e ajudar. Tite pediu para movimentar mais e abrir espaço pela direita. Com tabelas e jogo rápido, criamos chances. Estamos de parabéns pela estreia. Encontramos espaços contra um time que veio muito fechado”, disse Everton, ao SBT.

“Oportunidade única. É disputado, mas estou preparado para fazer meu melhor quando entrar em campo e se Deus quiser vamos sair campeões”, completou.

O Brasil voltará a campo para enfrentar o Peru, quinta-feira, às 21h (de Brasília), no Nilton Santos.

 



Neymar igualou Ronaldo em gols marcados pela seleção brasileira em jogos oficiais: são 67, atrás apenas do Rei Pelé.

Nas contas da Fifa, Neymar está a 10 gols de empatar com Pelé. Nos números da CBF, porém, o atual camisa 10 está a 28 gols de distância.

Neymar fez o segundo gol da vitória da seleção brasileira sobre a Venezuela na noite deste domingo, no Mané Garrincha, pela estreia na Copa América.

Além dos 67 gols, Neymar ainda soma 47 assistências em 106 partidas pela Seleção.



O Brasil venceu a Venezuela por 3 a 0 neste domingo, no Estádio Mané Garrincha, pela estreia na Copa América. O gols foram marcado por Marquinhos, Neymar e Gabigol.

O Brasil foi amplamente superior à Venezuela e desperdiçou oportunidades para alcançar um placar ainda mais dilatado. Os visitantes não criaram nada.

Líder das Eliminatórias, o Brasil já seria favorito contra a penúltima colocada, e o surto de covid-19 da “Vinotinto” só intensificou o desnível. O adversário só teve sete atletas no banco de reservas.

O Brasil voltará a campo para enfrentar o Peru, quinta-feira, no Nilton Santos. A Venezuela medirá forças com a Colômbia, também na quinta, no Estádio Olímpico.

O JOGO

O Brasil dominou a Venezuela desde o pontapé inicial. A primeira chance veio logo aos sete minutos, quando Neymar cobrou escanteio fechado e Richarlison desviou com perigo de cabeça.

No minuto 9, Neymar acionou Richarlison e o atacante se atrapalhou com a bola, mas conseguiu desviar com a perna esquerda para boa defesa de Graterol. Aos 10, Renan Lodi cruzou e Militão cabeceou perto do gol.

Quando o placar marcava 22 jogados, a Venezuela não resistiu mais. Neymar cruzou em escanteio e Marquinhos aproveitou o bate-rebate na pequena área para fazer com a canhota. 1 a 0.

Pouco depois, no minuto 25, Renan Lodi cruzou e Richarlison desviou para o fundo das redes. A arbitragem, porém, assinalou impedimento corretamente. Ainda deu tempo para, aos 29, Neymar receber de Militão, driblar e bater perto da trave de Graterol.

SEGUNDO TEMPO

A Seleção voltou com Alex Sandro na vaga de Renan Lodi e Everton Ribeiro no lugar de Paquetá. Com Ribeiro, o time melhorou ofensivamente e a primeira oportunidade etapa final ocorreu já aos sete minutos. Gabriel Jesus cruzou fechado e Neymar quase desviou de carrinho no segundo pau.

O Brasil finalmente ampliou aos 19 minutos, em pênalti sofrido por Danilo e convertido com a categoria de sempre por Neymar. Bola para um lado, goleiro do outro.

Com 2 a 0 no placar, o Brasil diminuiu o ritmo, mas ainda fez o terceiro. Neymar driblou o goleiro Graterol e cruzou para Gabigol, de peito, fechar o placar aos 43 minutos. Vitória merecida dos donos da casa.

FICHA TÉCNICA
BRASIL 3 x 0 VENEZUELA

Local: Estádio Mané Garrincha, em Brasília (DF)
Data: 13 de junho de 2021 (domingo)
Horário: 18h (de Brasília)
Árbitro: Esteban Ostojich (URU)
Auxiliares: Carlos Barreiro e Martin Soppi (URU)
VAR: Julio Bascuñan (CHI)
Cartões amarelos: Brasil: Renan Lodi e Gabigol. Venezuela: Manzano e Mago

GOL:
Brasil: Marquinhos, aos 22 minutos do 1T, e Neymar e Gabigol, aos 19 e 43 minutos do 2T

BRASIL: Alisson, Danilo, Eder Militão, Marquinhos e Renan Lodi (Alex Sandro); Casemiro, Fred (Fabinho) e Lucas Paquetá (Everton Ribeiro); Gabriel Jesus (Vinicius Jr), Neymar e Richarlison (Gabigol)
Técnico: Tite

VENEZUELA: Graterol, La Mantia, Martínez e Mago; González (Hernández), Moreno, Manzano (Celis), Casseres (Castillo), José Martínez e Cumaná. Aristegueita (Córdova)
Técnico: José Peseiro




A seleção colombiana anunciou neste domingo que dois integrantes da comissão técnica testaram positivo para a covid-19. Segundo comunicado, os contaminados foram o assistente Pablo Román e o fisioterapeuta Carlos Entrena.

Os profissionais estão assintomáticos e já se encontram em quarentena. Eles poderão retomar suas atividades após 10 dias de isolamento, desde que permaneçam sem sintomas.

Com a confirmação, a Colômbia se torna a terceira seleção a registrar casos da covid-19 no Brasil. Antes, a Venezuela já havia identificado 13 contaminados, enquanto a Bolívia teve quatro infectados.

A delegação colombiana está em Cuiabá, no Mato Grosso, para realizar sua estreia na Copa América. O time entra em campo neste domingo às 21 horas (de Brasília), na Arena Pantanal, para enfrentar o Equador.



Neste domingo, a Copa América 2021 será iniciada. Brasil e Venezuela enfrentarão às 18h (de Brasília), no estádio Mané Garrincha, pela abertura da competição. Porém, muitas polêmicas envolvem a realização do torneio em solo brasileiro, já que o país soma quase 500 mil mortes pela pandemia da covid-19.

A Conmebol, por meio de seu site oficial, divulgou uma carta aberta, explicando os motivos das escolhas do Brasil como país sede.

”A Conmebol está plenamente consciente da situação que o continente está atravessando no contexto da pandemia. Também reconhece a importância do futebol na cultura sul-americana e o papel que tem desempenhado na saúde física, mental e espiritual da população desde o início da pandemia. Portanto, com a ajuda de um painel de especialistas e em estreita coordenação com as autoridades sanitárias dos 10 países, projetou e implementou com sucesso rigorosas ações e medidas sanitárias em todos os seus torneios”.

Antes do Brasil, Colômbia e Argentina foram escolhidas como sedes, porém, acabaram rejeitando o torneio em seu território.

”A Conmebol fez um acordo com o governo brasileiro que o país sediará a Copa devido ao acima exposto e ao fato de que a última competição foi realizada em 2019, o que facilita muito a organização. Como a Argentina e a Colômbia foram desqualificadas como sedes, o protocolo da Direção de Competições de Seleções da Conmebol prescreve como primeira alternativa a sede do torneio anterior”, explica a nota.

”A Copa América 2021 não foi feita ‘às pressas’, o que seria impossível. O torneio levou mais de um ano de intensa organização, com a mobilização de recursos financeiros, humanos e técnicos significativos em todo o continente”.

A entidade declara ainda era de grande importância que a Copa América fosse realizada ao mesmo tempo em que a Eurocopa, para atingir um equilíbrio entre os continentes.

”A Conmebol modificou o calendário de competições para conseguir a coincidência entre a Copa América e a Eurocopa. O objetivo de alinhar os dois torneios é minimizar o desgaste físico e mental dos jogadores. Isto beneficia os próprios jogadores, os clubes e as seleções. E, fundamentalmente, os atletas sul-americanos e europeus chegarão à Copa do Mundo em condições de igualdade”.