Chavez admite desorganização, mas pede calma e que confiem em Ceni

Tiago Salazar - São Paulo,SP

06-02-2017 19:11:10

Andres Chavez iniciou o Campeonato Paulista da forma que todo atacante gosta. O argentino marcou dois gols logo no primeiro jogo oficial do time na temporada. O problema é que a equipe acabou levando quatro atrás e estreou com uma derrota até certo ponto inesperada. Nesta segunda-feira, o jogador foi o escolhido para falar sobre o revés no CT da Barra Funda e, acima de tudo, pediu paciência aos torcedores e manteve a confiança em Rogério Ceni para mudar a impressão deixada em Barueri.

"Se não tiverem (paciência) com Rogério, não sei com quem mais eles terão. Ele não veio aqui perder tempo. Veio para fazer história como fez em 25 anos no clube, como jogador. Veio para ganhar, não para perder. Para ganhar muito mais. Seguramente a torcida tem confiança e terá paciência. E que a adaptação seja rápida para estarmos à frente dos campeonatos", comentou Chavez, que também revelou na entrevista coletiva como foi a reação do técnico dentro do vestiário após a partida de domingo.

Andres Chavez tem contrato apenas até o meio do ano e pode sair antes do São Paulo (Foto: Tiago Salazar/Gazeta Press)
Andres Chavez tem contrato apenas até o meio do ano e pode sair antes do São Paulo (Foto: Tiago Salazar)

"Estávamos todos loucos e ele nos transmitiu muita tranquilidade. Ele é um companheiro a mais. Nos deu a tranquilidade de que é um começo, por mais que ninguém goste de perder. Sabemos que cometemos muitos erros e que temos que melhorar logo para um jogo importante na Copa do Brasil. O Rogério se comportou com muita tranquilidade e isso nos transmite calma. Se ele se desesperasse no primeiro jogo, estaríamos ferrados. Se ele está tranquilo, estamos tranquilos para os jogos. E ele entende a torcida, que quer o time ganhando. Não é fácil, mas vamos tentar deixar nossa torcida alegre", disse.

Apesar de manter otimismo no que o São Paulo pode apresentar e conquistar em 2017, o ex-jogador do Boca Juniors admitiu que a postura do time em campo foi crucial pela derrota, inclusive no seu setor, já que a marcação alta acabou apenas cansado os atacantes, sem qualquer benefício no jogo.

"Foi um pouco exagerada nossa pressão, um pouco por ter saído atrás tão rápido. Foi isso que nos levou a fazer uma pressão desorganizada. Eles não saíam tão bem, não precisava e acabou sendo um desastre. Se alguém tenta pressionar os 90 minutos está ferrado, nem o Barcelona faz isso. Era um time diferente, mas erramos", analisou, minimizando o fato de Corinthians, Palmeiras e Santos terem vencido seus respectivos jogos no mesmo fim de semana.

"Não penso nos outros times. Penso no São Paulo. Em como podemos melhorar e ganhar os próximos jogos. Sabemos que são todos fortes, por isso não podemos perder a confiança por um jogo. Todos querem esse título, mas vamos pensar no nosso papel e melhorar nosso time", concluiu.

Deixe seu comentário