Árbitro relata xingamentos de dirigentes e jogadores do São Paulo após Choque-Rei - Gazeta Esportiva
Árbitro relata xingamentos de dirigentes e jogadores do São Paulo após Choque-Rei

Árbitro relata xingamentos de dirigentes e jogadores do São Paulo após Choque-Rei

Gazeta Esportiva

Por Redação

04/03/2024 às 10:21

São Paulo, SP

O empate de 1 a 1 entre São Paulo e Palmeiras, neste domingo, ficou marcado pelas polêmicas de arbitragem. O árbitro Matheus Delgado Candançan relatou na súmula que foi xingado por jogadores e membros da diretoria do Tricolor no corredor dos vestiários no Morumbis.

"Foram proferidas as seguintes palavras pelos dirigentes Fernando Bracalle Ambrogi, Carlos Belmonte Sobrinho, Julio César Casares, 'safados, que pênalti foi esse? Sem vergonhas, filhos da p*', vai tomar no c*, você não vai ficar em paz, desgraçados, o Abel apitou o jogo hoje'". escreveu o juiz.

O lateral direito Rafinha e o atacante Wellington Rato, que ficaram de fora do embate por lesão, também protestaram.




Segundo o árbitro, o experiente defensor disse: "Vai tomar no c*, como dá um pênalti desse, safado, você nunca mais vai apitar aqui". Rato, por sua vez, declarou: "Safado, vai tomar no c*, filho da p*".

Para conter os ânimos, Matheus Delgado Candançan solicitou a intervenção do policiamento com escudos. As autoridades, então, retiraram os dirigentes e jogadores tricolores.

O VAR foi o protagonista do clássico ao marcar um pênalti do goleiro Rafael no zagueiro Murilo. Depois, sugeriu a revisão por um possível pênalti de Piquerez em Luciano, mas Matheus Candançan manteve sua decisão de campo. Outro lance polêmico foi a não expulsão de Richard Ríos após entrada em Pablo Maia, jogada que não foi revisada pelo árbitro de vídeo.

"Não pode atuar essa forma. Vi agora o auxiliar do árbitro xingando o Calleri. O auxiliar do Abel, João, rindo, ironizando. Chega de o Abel apitar jogo no Paulistão. Ou a Federação tem força e autonomia, ou vamos repudiar em todas as instâncias. Foi uma vergonha o que vimos no Morumbi hoje. Pênalti absurdo, e depois o VAR chama o árbitro em um pênalti legítimo do Luciano e ele se acovardou. A agressão ao Pablo, quase arrebentam o moleque, era para cartão vermelho direto. Ele dá amarelo, e o VAR se omitiu. Hoje é um dia triste para o futebol paulista. Reitero, o futebol paulista que é forte, tem uma liderança grande do Reinaldo [Carneiro Bastos, presidente da Federação Paulista de Futebol], mas não pode acontecer o que aconteceu hoje", desabafou Julio Casares.



O presidente do São Paulo também revelou que Jonathan Calleri, suspenso, mas que acompanhou o clássico no Morumbis, foi intimidado por um membro da arbitragem ao reclamar das decisões do juiz após a partida.

"Queremos representar contra o auxiliar do árbitro, que xingou o Calleri, que estava quieto. Todos protestando e chamando ele, ele se acovardou quando o VAR chamou. O lance do Pablo é uma vergonha. Um garoto que foi convocado para a Seleção Brasileira. Pênalti absurdo. Se for assim, ele tem que dar durante os jogos quatro ou cinco pênaltis por jogo. O goleiro sai, a bola é dele. Eu lamento, não é exaltação, porque a vitória era merecida pelo que construímos dentro de campo. Lamentamos profundamente a omissão do VAR, a incompetência do árbitro. No lance do Pablo ele deu amarelo, e o VAR não chamou. O que o VAR está fazendo", contou.

O técnico Abel Ferreira não concedeu entrevista coletiva após o empate, pela 11ª rodada do Campeonato Paulista. A decisão se deu após o São Paulo barrar a sala de coletiva do estádio para o treinador falar.

Conteúdo Patrocinado