Gazeta Esportiva

Santos só empata com o Água Santa, chega ao terceiro jogo sem vitória e ouve vaias na Vila

Rodrigo Matuck - Santos,SP

25/01/23 | 23:35

O Santos chegou ao seu terceiro jogo seguido sem vencer na temporada. Na noite desta quarta-feira, o Peixe ficou apenas no empate de 0 a 0 com o Água Santa, em plena Vila Belmiro, pela quarta rodada do Campeonato Paulista. O resultado irritou os torcedores, que vaiaram o time após o apito final e pediram respeito e honra com a camisa do clube.

Com o resultado, o Alvinegro Praiano segue na terceira colocação do grupo A, com cinco pontos, assim como o Botafogo-SP, que está em segundo. O líder é o Red Bull Bragantino, que tem sete. O Netuno, por sua vez, foi para terceiro da chave C, com dois.

O Santos volta a campo agora no sábado, quando recebe a Ferroviária, pela quinta rodada do Paulistão. A bola rola no gramado do Canindé a partir das 18h30 (de Brasília). No domingo, às 15 horas, o Água Santa recebe a Portuguesa.


O jogo - Atuando com o apoio de sua torcida, o Peixe iniciou a primeira etapa dominando a posse de bola. A equipe, porém, teve bastante dificuldade para encontrar espaços na forte marcação dos visitantes, que subiram as suas linhas para apertar os mandantes ainda no campo de defesa.

Assim, a primeira descida mais perigosa do Alvinegro foi aos 10 minutos. Ângelo fez boa jogada individual pela direita e cruzou rasteiro para Marcos Leonardo, que mandou pela linha de fundo. Aos 18, Soteldo recebeu bom passe de Carabajal e deixou na medida para Lucas Pires. Com liberdade, o lateral invadiu a área e mandou na rede pelo lado de fora.

A partir de então, o Água Santa melhorou e passou a criar problemas para a defesa santista. Com 31 minutos, Bruno Xavier deu lindo drible em Nathan, entrou na área e bateu rasteiro para a tranquila defesa de João Paulo. Instantes depois, o goleiro foi exigido a fazer grande intervenção. Após cobrança de escanteio, Didi apareceu livre na entrada da pequena área e cabeceou firme. Atento, o arqueiro se esticou todo para operar um milagre.

Do outro lado, o Santos voltou a levar perigo apenas nos acréscimos. Ângelo pegou a sobra depois de cruzamento de Soteldo, dominou, cortou para o meio e bateu para a defesa de Ygor. No lance seguinte, o camisa 11 voltou a ser acionado pela direita e, novamente, parou nas mãos do goleiro.

2º tempo

O início do segundo tempo foi bem morno na Vila Belmiro. Os donos da casa seguiram dominando a posse de bola, mas com dificuldades para criar perigo.

Já o Água Santa apostou nos contra-ataques. Com 20 minutos, Luan Dias recebeu na intermediária, costurou até a entrada da área e finalizou para a defesa de João Paulo.

Com o susto, o Santos tentou apertar um pouco mais. Aos 26, Marcos Leonardo recebeu grande passe de Messias e saiu cara a cara com o goleiro, mas foi travado na hora certa. Na sequência, Carabajal cobrou falta dentro da área e Bauermann cabeceou com muito perigo à direita do gol.

Nos minutos finais, o Peixe intensificou a sua pressão. Contudo, a equipe seguiu com sérias dificuldades para ser perigosa. A melhor chance saiu já nos acréscimos, em cabeçada de Messias por cima. Com isso, o jogo terminou sem gols e com protestos da torcida mandante.

FICHA TÉCNICA
SANTOS 0 X 0 ÁGUA SANTA

Local: Estádio da Vila Belmiro, em Santos (SP)
Data: 25 de janeiro de 2023 (quarta-feira)
Horário: 21h35 (de Brasília)
Árbitro: Edina Alves Batista (Fifa)
Assistentes: Neuza Inês Back (Fifa) e Miguel Cataneo Ribeiro da Costa
VAR: Rodrigo Guarizo Ferreira do Amaral
Cartões amarelos: Nathan (Santos; Marcondes, Igor Henrique, Joílson, Rodrigo Sam (Água Santa)
Público: 9.125
Renda: R$ 442.025,00

SANTOS: João Paulo; Nathan (João Lucas), Messias, Maicon e Lucas Pires; Rodrigo Fernández (Gabriel Pirani), Sandry e Carabajal (Lucas Barbosa); Ângelo (Lucas Braga), Marcos Leonardo (Rwan Seco) e Soteldo.
Técnico: Odair Hellmann

ÁGUA SANTA: Ygor; Reginaldo, Rodrigo Sam (Cristiano), Didi e Joílson; Bruno Xavier, Ronald (Lelê) e Marcondes; Bruno Xavier (Gabriel), Júnior Todinho (Bruno Mezenga) e Igor Henrique.
Técnico: Thiago Carpini

Deixe seu comentário