Futebol

Depois de começo pouco animador, Jesualdo começa a empolgar no Santos

São Paulo , SP
08/04/2020 08:00:31

Em: Futebol, Notícias, Santos

Apesar do mal relacionamento com a diretoria, Jorge Sampaoli marcou de forma positiva a temporada passada do Santos. Após o anuncio da saída do argentino, naturalmente, seu substituto assumiria o cargo com o objetivo de ao menos reproduzir as boas atuações do time nos gramados.

Jesualdo Ferreira vive seu melhor momento desde que chegou ao Santos (Foto: Divulgação/Ivan Storti)

O escolhido para cumprir tal objetivo foi Jesualdo Ferreia, experiente treinador de 73 anos com passagens vitoriosas pelo futebol português, árabe e egípcio. Logo na sua primeira entrevista como comandante do Peixe, o português, que estava aposentado, demonstrou todo o seu conhecimento e carinho pelo clube.

O bom humor visto na sua coletiva de apresentação, no entanto, foi se perdendo ao longo dos resultados pouco satisfatórios obtidos pelo Santos no começo da temporada. Apesar das vitórias diante do Guarani e Inter de Limeira, a equipe de Jesualdo Ferreira oscilava muito e sofreu para empatar contra Bragantino e Ferroviária, por exemplo.

Após as derrotas diante do Corinthians e Ituano, o comandante ficou ameaçado no cargo e ouviu vaias da torcida, mas manteve o discurso de que precisaria de tempo para ajustar o time. Diante da clareza de que o Peixe estava apresentando uma melhora, a diretoria o manteve no cargo. E a reviravolta veio logo na estreia da Libertadores.

Enfrentando o Defensa y Justicia, da Argentina, o Santos foi dominado durante o primeiro tempo e perdia por 1 a 0 no intervalo. Jesualdo então promoveu a entrada de Jobson e Kaio Jorge, que seriam os responsáveis por virar a partida e garantir os três pontos.

Dali em diante, o Peixe engatou três vitórias consecutivas, contra Mirassol e Delfín-EQU. Resultados esses que garantiram a liderança isolada do Grupo A do Paulistão e Grupo G da Libertadores.

O responsável por acabar com a sequência de Jesualdo Ferreira foi Fernando Diniz. O time da Vila Belmiro vencia por 1 a 0, quando Jobson recebeu cartão vermelho, e o Tricolor Paulista foi às redes duas vezes com Pablo para garantir a vitória no último jogo antes da pausa forçada.

Após o fim da paralisação por conta do novo coronavírus, Jesualdo tentará manter os bons resultados e o padrão de jogo que, aos poucos, vai implementando no Santos.

Mais vídeos em videos.gazetaesportiva.com

Ads – Rodapé Posts




  • Marcos Andrade

    Espero que emplaque! Ainda é uma incógnita.

    • Jairo Dorval

      Com o elenco que tem, tá fazendo o que pode….

      • Ricardo Gomes da Silva

        Não, você está redondamente enganado.

        O elenco pode deixar a desejar, mas os vários erros dele não tem relação com o elenco:

        1 – Goleiro: o Everson é o pior do elenco (Vladimir, John e João Victor são melhores) e tem falhado em todos os jogos, a saída do gol nas bolas altas é uma das coisas mais bizarras do futebol. Qualquer técnico mediano já teria colocado ele na reserva;

        2 – Escalação contra o Corinthians: o time estava cheio de desfalques, mas isso não é justificativa para escalar um time com 03 volantes de marcação e 03 centroavantes, ou seja, não tínhamos meio de campo e nem quem fizesse as jogadas de ataque para os centroavantes. O Evando e o Jean Motta estavam no banco e mesmo fracos, eles seriam melhores alternativas para organizar o time que 03 volantes e 03 centroavantes;

        3 – Jogo contra o São Paulo: após a expulsão Jobson ficamos sem meio de campo e ele só tentou fazer algo depois que tomamos a virada, ou seja, assistiu o time ser engolido e não se mexeu. Qualquer treinador principiante teria recomposto o meio de campo e deixado 02 jogadores na frente;

        4 – a insistência com o Pará: o Madson jogou um jogo e fez o time voar contra o Mirassol, mas o Pará, um morto em campo, tem a preferência.

        E tem muitos outros erros que vai ficar cansativo escrever todos.

  • Ricardo Gomes da Silva

    Empolga quem?

    Já demonstrou que é muito fraco, entende pouco de futebol. Ele pode ter 73 anos, mas parece técnico de pelada, parece um garoto de 12 anos dirigindo o time.

    O que ele fez contra o São Paulo é assustador, o time tem um jogador expulso (volante de marcação) e ele não recompõe o time. Deixou o time em campo num 4-2-3, ou seja, permitiu ao adversário deitar e rolar no meio de campo e, consequentemente, dominar o jogo e empurrar o time para dentro de sua área de defesa e bola na área com um goleiro fraco como o Everson é garantia que vai tomar gol.

×
Quer receber notícias do Santos?