Futebol/Paris Saint-Germain

Diretoria do Paris Saint-Germain considera Mbappé intransferível

São Paulo , SP
20/05/2019 16:01:55

Em: Futebol, Futebol Francês, Futebol Internacional, Notícias, Paris Saint Germain
Mbappé deu declaração que chocou a diretoria do PSG (Foto: Franck Fife/AFP)

Neste domingo, Kylian Mbappé chocou a diretoria do Paris Saint-Germain, ao dizer que queria mais responsabilidades, seja no clube francês ou em outro lugar. O jovem de 19 anos é considerado intransferível, mas segundo o Le Parisien, os dirigentes acreditam que a declaração do atacante foi para conseguir uma renovação de contrato.

“Talvez esse seja o momento de ter mais responsabilidades. Talvez seja no PSG, com muito prazer, ou em outro lugar, com um novo projeto”, afirmou.

A declaração veio em meio a negociação, já iniciada, pela renovação de contrato de Mbappé. Após analisar a fala do atacante, membros da diretoria do PSG acreditam que faz parte de uma trama para melhorar seu contrato. Mesmo com compromisso até o fim de 2023, o jovem quer estar no mesmo patamar de Neymar.

Mbappé foi eleito o melhor jogador do Campeonato Francês (Foto: Franck Fife/AFP)

Mbappé sabe que está em uma posição privilegiada. Ele foi eleito o melhor jogador do Campeonato Francês, marcou 32 gols e deu sete assistências, e é especulado no Real Madrid. Nasser Al-Khelaifi sabe que o atacante quer ser considerado um líder do time, e espera um projeto esportivo melhor que o atual.

O presidente do clube teve reunião com Thomas Tuchel nesta manhã, em que concordaram que Mbappé é considerado intransferível e peça chave na equipe. Através das redes sociais, o PSG emitiu um comunicado.

“Os laços que ligam PSG e Mbappé, após dois anos de história comum, vão continuar na próxima temporada. Com uma ambição compartilhada de fazer história no futebol europeu, no ano dos 50 anos do PSG, um momento muito aguardado para também escrevermos juntos uma grande página na história do nosso clube em que cada grande jogador tem que fazer sua parte, sempre trabalhando pelo coletivo”, diz a nota.