Gerente do Palmeiras explica mudanças que renderam sucesso na base

Gabriel Ambrós - São Paulo,SP

03-02-2020 13:46:16

Nos últimos dois anos, as categorias de base do Palmeiras conquistaram mais de 50 títulos e promoveram sete atletas ao elenco profissional de Vanderlei Luxemburgo. Em 2020, Gabriel Veron, Gabriel Menino, Patrick de Paula, Wesley, Angulo, Alanzinho e Lucas Esteves compõem, e estão ganhando chances, no time de cima.

Em entrevista à Gazeta Esportiva, o gerente de futebol do Alviverde Cícero Souza, desde 2014 no clube, explicou as mudanças implementadas na base palmeirense nas últimas temporadas.

“É o papel do gestor traçar a ideia de futebol de cada clube. O profissional e a base caminham juntos, e infelizmente, na maioria dos clubes brasileiros existe um muro - de um lado trabalha a equipe profissional, do outro a equipe de base; sem processos integrados, sem metodologias integradas, sem uma visão mais ampla”, contou.

Além da integração entre base e profissional, mais quatro fatores foram destacados pelo dirigente: investimento em infraestrutura; contratação de um corpo técnico qualificado; aumento da exposição; e a ideia clara, por parte do clube, do tipo de jogador que quer revelar. 

Mais vídeos em videos.gazetaesportiva.com

“O que foi feito no Palmeiras foi o que todos os clubes deveriam fazer: valorizar a estrutura. Precisou-se trabalhar um pouco na estrutura de Guarulhos e uma série de contratações chaves”, explicou.

O gerente de futebol Cicero Souza, da SE Palmeiras, durante treinamento, na Academia de Futebol.

“Contratação de um coordenador de base específico e com expertise para isso; contratação de olheiros e observadores com expertise; a qualificação das comissões técnicas; a visão macro de fazer as categorias de base excursionarem, principalmente para conhecerem outros modelos e também agregar em valor de mercado com a sua exposição, o Palmeiras por exemplo conseguiu fazer vendas com isso”, seguiu o dirigente. 

“E acima de tudo, uma ideia de qual jogador você quer formar. Esse é o papel do gestor nesse momento em relação às categorias de base e que eu acho que muitos clubes do Brasil ainda precisam despertar para”, concluiu.


Presidente da Abex (Associação Brasileira de Executivos de Futebol), o dirigente participou da mesa Uma nova gestão para uma nova indústria - O(a) executivo(a) como profissão regulamentada, no Congresso de Futebol das Américas, realizada na última semana de janeiro. 

Deixe seu comentário