Ex-parceiro de Cuca, Tonhão se anima com data: “Tudo para dar certo”

Bruno Ceccon - São Paulo,SP

11-06-2016 21:59:38

Há 20 anos, Tonhão jogou final do Paulista como titular (Foto: Acervo/Gazeta Press)
Há 20 anos, Tonhão (à direita do goleiro Sérgio) jogou final do Paulista como titular (Foto: Acervo/Gazeta Press)

Ex-companheiro de Cuca, Tonhão disputou a partida mais importante de sua carreira no dia 12 de junho de 1993. Vinte e três anos depois do histórico título paulista, o antigo zagueiro palmeirense acredita em uma nova vitória sobre o Corinthians na tarde deste domingo.

Médium de 1993 vê meias brancas banalizadas

Palmeiras não ganha Derby no Palestra desde 1970

Coincidentemente, o primeiro Derby do Campeonato Brasileiro 2016 foi marcado para o Dia dos Namorados, data em que Tonhão e seus companheiros encerraram sobre o Corinthians um jejum de 16 temporadas sem títulos. Aos 47 anos, o ex-zagueiro espera que o fato sirva como inspiração para o Palmeiras de Cuca.

“É uma data que tem tudo para dar certo. A torcida vai estar empolgada pela lembrança do título que encerrou a fila e iniciou um período glorioso. Espero que alguém passe essa informação aos atletas e que eles abracem. Vinte e três anos depois, o grupo atual também pode entrar na história ganhando do Corinthians na arena”, afirmou.

Na temporada que antecedeu o final do longo jejum, Tonhão e Cuca foram companheiros no Palmeiras e participaram da campanha que terminou com o vice-campeonato paulista diante do São Paulo. Com o ex-parceiro hoje no comando do time alviverde, o antigo defensor tem um conselho.

“A equipe vem jogando bem e melhorando, mas o Cuca, em conjunto com a comissão e os dirigentes, precisa enxugar o elenco. Não tem como trabalhar com tantos jogadores. Diminuindo o grupo, a qualidade do trabalho aumenta. Ainda tem muita coisa para acertar, mas ele já vem conseguindo implantar seu esquema”, observou Tonhão.

Zagueiro ganhou Paulista, Brasileiro e do Rio-São Paulo (Foto: Acervo/Gazeta Press)
Zagueiro ganhou Paulista-1993, 1994 e 1996, Brasileiro-1993 e 1994 e Rio-São Paulo-1993 (Foto: Acervo/Gazeta Press)

Apesar do elenco numeroso, Cuca terá dificuldades para armar o miolo de zaga contra o Corinthians. Com Vitor Hugo suspenso pelo terceiro cartão amarelo, o técnico pode escalar como titular no Derby o veterano Edu Dracena, sem ritmo de jogo.

“O Vitor Hugo é muito bom, especialmente na bola aérea, tanto na defesa quanto no ataque. A equipe tem que abraçar o substituto para que ele possa fazer uma boa partida contra o Corinthians. Mas é uma perda muito grande e que pode ser sentida, sim”, disse o ex-defensor.

Em 1993, Tonhão formou a zaga titular ao lado de Antônio Carlos na vitória por 4 a 0 sobre o Corinthians. Então com 24 anos de idade, ele foi um dos protagonistas da decisão ao lançar Edmundo no lance que culminou com a expulsão do goleiro Ronaldo e de si próprio.

“O Ronaldo inventou uma cabeçada e o juiz, até para compensar, me expulsou. Como o Palmeiras ganhou, apagou a frustração por não ter ficado até o final. Foi a melhor partida da minha vida. Naquele time, minha função era roubar a bola e tocar para quem estivesse mais perto. Graças a Deus, fiz bem feito e a torcida reconhece até hoje”, disse o ex-atleta, professor em uma escola de futebol da Grande São Paulo.

Em 2013, ano em que a histórica conquista completou o 20º aniversário, Tonhão tatuou no braço esquerdo o número “1993” e a inscrição “defesa que ninguém passa” em alusão ao hino do Palmeiras. Querido pela torcida por sua raça na disputa de cada bola, ele espera ver os sucessores honrarem a camisa neste domingo.

Tonhão e Cuca em 1992 (Foto: Acervo/Gazeta Press)
Tonhão e Cuca (Foto: Acervo/Gazeta Press)

“Vamos jogar na arena e com a torcida apoiando, então os caras não podem correr mais do que a gente. Não pode faltar vontade. Temos um adversário difícil e bem treinado, mas se o Palmeiras igualar na vontade, vai sobressair técnica e taticamente”, apostou, como se ainda fizesse parte do time.

Acompanhado por Evair, Edmundo e César Sampaio, o antigo zagueiro entrará em campo durante o intervalo do Derby para ser homenageado pelo Palmeiras e poderá ouvir os gritos de “Tonhããão, Tonhããão, Tonhão, Tonhão, Tonhão”. Ansioso pelo evento no Palestra Itália, ele alerta que o clima favorável não garante muita coisa no clássico.

“A sorte anda junto com a competência e a doação dentro de campo. Nada vem de graça. Para ganhar um jogo no domingo, é necessário trabalhar bem ao longo da semana, fazer o que o técnico pede e ainda dar aquele algo mais de cada jogador”, afirmou Tonhão.

Deixe seu comentário


×
Quer receber notícias do Palmeiras?