D´Ale rechaça salários atrasados no Inter e explica relação com Odair

Do correspondente Cesar Esteves - Porto Alegre,RS

08-03-2019 21:56:40

Antes titular incontestável, o meia D´Alessandro virou reserva no Internacional e entrou só no fim do jogo diante do Palestino na estreia da equipe na Libertadores. O argentino afirmou que está ciente que pelo fato de estar com 38 anos não será titular na maioria das partidas.

“Conversar com o Odair eu converso todos os dias de treino. Nós conversamos muito, porque nos conhecemos bem e faz tempo. A minha situação no clube hoje é a mesma do ano passado. Eu sou mais um atleta do grupo, onde eu tive uma conversa com o treinador e ele falou para vocês de que não farei parte de todos os jogos. Foi assim no ano passado. Não fiz parte de muitos jogos, algumas vezes não entrei e nem por isso tive uma atitude diferente. Eu evolui como atleta e pessoa. Neste momento da carreira, entendo as coisas de outra maneira”, analisou.

D´Ale negou os boatos de que se recusaria a jogar por causa de atraso de salários no clube.

“Quando se fala no meu nome, quando se cita o D’Alessandro, sempre se relaciona com salário. Sempre foi assim. As críticas nunca são boas, mas servem para evoluir. E a gente vê também quando a crítica tem razão. Quando a crítica vem pelo lado pessoal, é diferente. Vocês são formadores de opinião, entram na cabeça do torcedor, é difícil controlar. Isso se espalha muito rápido. Às vezes essas mentiras ou uma coisa mal dita para preencher um espaço no jornal ou na rádio nos causam um incômodo”, comentou.

Questionado sobre a sua condição física, o argentino mais uma vez se mostrou incomodado com algumas críticas. O meio-campista pediu que fosse cobrado por aquilo que pode mostrar dentro do campo devido as suas características.

“Eu quero entender qual é a cobrança sobre o D'Alessandro atleta. Eu nunca fui forte na marcação, nunca fui rápido, nunca tive a força que, por exemplo, tem o Patrick. Eu nunca tive essas qualidades, tive outras. Fisicamente é normal que com 38 anos eu esteja diferente. Não sou aquele guri de 25 anos que jogava três vezes na semana. Quero entender porquê se cobra coisa que eu nunca tive. Querem deixar essa opinião para o torcedor? A bola tem que correr, tenho que fazer ela correr. No momento que eu parar de fazer a bola correr, de segurar e tentar fazer o que eu não devo, aí podem cobrar. Mas não esperem que eu ganhe na velocidade, não esperem que eu trombe com o cara e corra 50 metros. Não podem cobrar coisas que fogem da minha estrutura como atleta”, revelou.

Por último, D´Alessandro considerou fundamental ter iniciado com vitória fora de casa na Libertadores.

“O resultado foi muito positivo, de suma importância. O jogo foi controlado, a análise do jogo foi positiva também. É muito importante começar a competição ganhando", finalizou.

Neste sábado o elenco colorado faz o último treinamento, às 10h(de Brasília), no CT Parque Gigante. Internacional e Aimoré se enfrentam neste domingo, às 16h(de Brasília), no Estádio Beira-Rio, pela nona rodada do Campeonato Gaúcho.

Deixe seu comentário