Fluminense atrasa salário e drama volta a prejudicar trabalho

Gazeta Press - Rio de Janeiro , RJ
09/08/2018 11:38:24

Em: Brasileiro Série A, Fluminense, Futebol

Durante o recesso do futebol brasileiro para a disputa da Copa do Mundo, o técnico Abel Braga pediu demissão do Fluminense alegando desgaste. O treinador evitou falar abertamente sobre o assunto, mas os atrasos salariais eram a grande preocupação. O histórico de clubes nesta situação não costuma ser dos melhores. Marcelo Oliveira assumiu o comando do time, porém, também passou a conviver com o drama.

Na última terça-feira, os salários referentes ao mês de julho venceram, tanto para o elenco como para os funcionários. Nada foi depositado e o pior: não há previsão para o dinheiro entrar. O plantel, inclusive, no dia 15 de agosto, deverá completar o segundo mês de atraso.

Os atrasos salariais têm sido constantes desde o começo do ano. O problema é que o elenco pode começar a dar sinais de desgaste. Em 2014, por exemplo, o Botafogo conviveu com esta situação e o time acabou sendo rebaixado no Brasileirão. Uma queda de rendimento é a maior preocupação.

Situação financeira do Fluminense não é nada boa (Foto: Mailson Santana/Fluminense)

A situação só piora financeiramente. Na quarta-feira foi anunciada o fim da parceria com a Valle Express, empresa de cartões de crédito que estampava a marca no peito da camisa do Tricolor. O patrocínio, que teve início em 19 de janeiro, foi findado um dia depois de a empresa anunciar a venda de parte da operação no Brasil a um grupo de investidores dos Estados Unidos. A relação entre as partes já não estava boa porque a empresa vinha encontrando dificuldades de honrar seu compromisso com o Fluminense. Na nota oficial divulgada, o clube deu sinais desta insatisfação: “O Fluminense Football Club informa que foi à Justiça fazer valer os seus direitos e que a partir de hoje, 8 de agosto, a Valle Express não é mais o patrocinador máster do clube.”

O contrato era de dois anos, com previsão de receita para o Fluminense de R$ 20 milhões. As parcelas de janeiro, fevereiro e março foram pagas sem problemas. Porém, a partir de abril a Valle Express não conseguiu honrar seus compromissos, o que já tem gerado um prejuízo de cerca de R$ 1,4 milhão para os cofres do Tricolor carioca.

Em outra nota oficial, a empresa disse que nunca atrasou os pagamentos, apenas os interrompeu por que o Fluminense não estaria cumprindo o acordo. Uma batalha judicial se avizinha em relação ao caso.

Dentro de campo, o elenco segue se preparando para o confronto com o Internacional na próxima segunda-feira, às 20h (no horário de Brasília), no Maracanã, no Rio de Janeiro (RJ), pela 18ª rodada do Campeonato Brasileiro. Nesta sexta-feira, o elenco treina pela manhã.