COPA DO MUNDO 2018 RÚSSIA

O técnico Tite escalou o time que considera ideal desde o início pela primeira vez na manhã deste domingo. No Estádio Ernst Happel, com um gol marcado por Neymar, a Seleção Brasileira ganhou da Áustria por 3 a 0 no último amistoso antes da Copa do Mundo.

Artilheiro da gestão Tite na Seleção, Gabriel Jesus marcou seu 10º gol em Viena e, no segundo tempo, Neymar e Philippe Coutinho aumentaram. Considerada pela comissão técnica parecida com a Costa Rica, rival na Copa do Mundo da Rússia, a Áustria não aliviou e marcou duro o time visitante.

Nesta segunda-feira, a Seleção Brasileira já faz seu primeiro treinamento em Sochi, base durante a Copa do Mundo da Rússia. Às 15 horas (de Brasília) do próximo domingo, pela primeira rodada do Grupo E, o time dirigido por Tite encara a Suíça, em Rostov.

O Jogo – O Brasil manteve maior posse de bola desde o começo do amistoso e, com paciência, procurou a melhor alternativa para tentar furar a defesa austríaca. O time local jogou sério no último ensaio da Seleção antes da Copa do Mundo e chegou firme, principalmente em cima do atacante Neymar.

A Áustria assustou no momento em que Lainer recebeu de Schopf pela direita e cruzou para Arnautovic chutar por cima do gol. O Brasil respondeu com Philippe Coutinho, que limpou a marcação pelo meio e bateu para defesa na ponta dos dedos do goleiro Lindner.

A Seleção Brasileira inaugurou o marcador aos 34 minutos do primeiro tempo. Após chute frontal disparado por Marcelo, a bola desviou na defesa e sobrou na esquerda para Gabriel Jesus, em posição duvidosa, finalizar com categoria diante de Lindner.

O time visitante marcou o segundo gol aos 17 minutos da etapa complementar. Willian recebeu pela direita e, com visão de jogo, acionou Neymar do lado oposto. O camisa 10 dominou sem ser incomodado, deixou Dragovic no chão e fuzilou o goleiro adversário.

Em desvantagem, a Áustria esmoreceu e sofreu o terceiro gol aos 23 minutos da etapa complementar. Em jogada pela esquerda, Roberto Firmino, que substituiu Gabriel Jesus, tabelou com Philippe Coutinho. O meia sobrou livre na cara de Linder e definiu com competência.

Tite aproveitou a etapa complementar para realizar alterações e dar ritmo a alguns reservas, entre eles Douglas Costa, que substituiu Neymar. A Seleção Brasileira teve chances para marcar o quarto gol, uma delas com Firmino, mas o placar seguiu inalterado.

FICHA TÉCNICA
ÁUSTRIA 0 x 3 BRASIL

Local: estádio Ernst Happel, em Viena, na Áustria
Data: 10 de junho de 2018, sábado
Horário: 11h (de Brasília)
Árbitro: Viktor Kassai (HUN)
Assistentes: Oszkar Lemon (HUN) e Zsolt Varga (HUN)
Cartões amarelos: Schopf, Prodl (AUT)
Gols:
BRASIL: Gabriel Jesus, aos 34 minutos do 1º Tempo, Neymar, aos 17 minutos do 2º Tempo, e Phillipe Coutinho, aos 23 minutos do 2º Tempo

ÁUSTRIA: Lindner; Prodl, Dragovic, Hinteregger e Lainer; Baumgartlinger, Schlager (Burgastaller), Schopf (Hierlander), Grillitsch (Zulj) e Alaba; Arnautovic
Técnico: Franco Foda

BRASIL: Alisson; Danilo, Thiago Silva (Marquinhos), Miranda e Marcelo (Filipe Luis); Casemiro (Fernandinho); Paulinho, Philippe Coutinho (Taison), Willian e Neymar (Douglas Costa); Gabriel Jesus (Firmino)
Técnico: Tite



Debaixo de chuva e em meio a um frio de 6ºC, a seleção portuguesa de futebol realizou seu primeiro treino em território russo, em Kratovo, cidade a 50 km da capital Moscou, onde a equipe estará concentrada durante toda a Copa do Mundo. Os jogadores foram a campo diante de cerca de 250 torcedores, que aproveitaram para prestigiar as atividades e a presença da estrela Cristiano Ronaldo.

O início do treinamento foi marcado por um trabalho de aquecimento, seguido por uma atividade que contou com “golzinhos” no meio do campo. A parte final foi constituída por um exercício em campo reduzido, que só contou com a ausência do goleiro Rui Patrício, que trabalhou em separado.

Os gandulas que trabalharam no treino deste domingo e continuarão trabalhando no CT de Saturn ao longo do Mundial são crianças locais, escolhidas para desempenharem a função.

Cristiano Ronaldo esteve em contato com os fãs ao longo das atividades, ora acenando, ora pedindo para que que o barulho e a agitação diminuíssem. Ao fim da sessão, o camisa sete chutou uma bola para o lado de fora do campo.

A estreia de Portugal na Copa acontecerá na próxima sexta-feira, 15 de junho, quando enfrenta a Espanha em um dos duelos mais aguardados da primeira fase, no Estádio Olímpico de Fisht, em Sochi. Pelo Grupo B, os lusitanos também terão como adversários Marrocos e Irã.





Nascido em Londrina, no Paraná, foi lá que Fernandinho começou sua caminhada no futebol, aos 13 anos. Não demorou muito para ir à capital e chegar ao Atlético-PR, em 2001, com 15 anos. Mesmo muito novo, foi integrado ao grupo e viu de perto o time que conquistou o Campeonato Brasileiro do mesmo ano pelo Furacão. Assim que virou titular da equipe, aos 19 anos, chegou à Seleção sub-20. Convocado quase em cima da hora, participou do Mundial e foi o autor do gol do título do Brasil, em cima da Espanha.

Se tornou destaque no time paranaense e logo chamou atenção da Europa. Com apenas 20 anos, se mudou para o Velho Continente com destino à Turquia. O Shakhtar Donetsk foi sua casa por oito anos, onde conquistou inúmeros títulos e se tornou ídolo da torcida. Foram 14 taças, entre elas uma Liga Europa e seis Campeonatos Turcos.

Tantos títulos e a importância no time ucraniano fizeram o Manchester City criar interesse no volante. O time inglês abria os cofres para montar um time competitivo e não economizou na contratação de Fernandinho. Foram desembolsadas 34 milhões de libras (cerca de R$169 milhões na cotação atual) para levar o camisa 7 do Shakhtar para o Etihad Stadium na janela de transferência de verão de 2013.

Em sua primeira temporada no City foram dois títulos conquistados. O bom momento no time rendeu ao paranaense uma vaga na Seleção Brasileira para a Copa. O volante foi chamado apenas na última convocação antes da oficial e garantiu a vaga nos 23 jogadores de Felipão. Titular durante o Mundial, Fernandinho guarda grande trauma do trágico 7 a 1, por ter falhado no quarto gol da Alemanha.

Nos últimos quatro anos, ergueu mais três taças pelo City e viu Pep Guardiola chegar ao time. Homem de confiança do espanhol, fez parte da campanha histórica no Campeonato Inglês da última temporada. Na era Tite, só não tem mais convocações na posição de volante que Paulinho. E, aos 33 anos, chega à Copa da Rússia como um dos mais velhos e experientes do elenco.



Com planos de ser técnico em breve, Sylvinho tem Tite como referência (Foto: Lucas Figueiredo/Divulgação)

Estreante em Copas, Tite lembrou o Mundial conquistado no comando do Corinthians durante a reta final da preparação do Brasil para o torneio na Rússia. Aos 57 anos, no auge da carreira, o técnico é visto como inspiração para o ex-lateral Sylvinho, um de seus auxiliares na Seleção.

Em uma longa trajetória no futebol, o antigo ala esquerdo esteve ao lado de nomes como Arsene Wenger, Pep Guardiola, Roberto Mancini e Frank Rijkaard. Trazido ao Corinthians por Edu Gaspar em 2013, ele teve a oportunidade de trabalhar com Tite, parceria que se repete na Seleção Brasileira.

“Tenho no Adenor Bacchi uma referência muito alta de treinador. (Trabalhar com Tite) é um delicioso stress. São quatro, cinco reuniões diárias e tenho aprendido muito nesse convívio. Um dia, vou ter que caminhar sozinho. É um plano e vai acontecer naturalmente, mas ele é minha referência”, afirmou Sylvinho.

Em 2012, ainda antes da chegada de Silvinho ao Corinthians, Tite comandou o time alvinegro rumo ao título do Mundial de Clubes. Na véspera de encontrar a Áustria no último amistoso preparatório para a Copa, o comandante lembrou o jogo derradeiro do clube antes de embarcar para o Japão.

“Pelo Campeonato Brasileiro, perdemos por 3 a 1 do São Paulo, de um time que não era nem o titular. Tenho certeza que a confiança desceu. Para remontar os cacos, foi difícil. Eu me remeti a isso e falei com os jogadores do desafio que temos no jogo que antecede a Copa”, explicou Tite, em alusão ao duelo com a Áustria.

A Seleção Brasileira entrará em campo com Alisson; Danilo, Thiago Silva, Miranda e Marcelo; Casemiro; Willian, Paulinho, Philippe Coutinho e Neymar; Gabriel Jesus. A tendência é que a formação seja mantida para o primeiro jogo pela Copa do Mundo da Rússia.



Casemiro nasceu no estado de São Paulo, mas “come pelas beiradas” como um bom mineiro. Discreto e paciente no estilo de jogo e ao longo de sua carreira, o volante de 26 anos foi crescendo aos poucos no cenário do futebol nacional e internacional, chegando em 2018, oito anos após o início de sua trajetória no esporte profissional, como titular da Seleção Brasileira e do Real Madrid.

O jogador começou sua carreira nas categorias de base do São Paulo, clube que o projetou para o futebol. Promovido por Ricardo Gomes para o time principal do Tricolor, Casemiro fez sua estreia em julho de 2010. No ano seguinte, foi aos poucos assumindo o posto de titular da equipe, que acabou lhe garantindo a primeira convocação para defender o Brasil.

Em 2012, o volante conquistou, no final do ano, a Copa Sul-Americana. O atleta acabou não atuando muito durante a campanha, já que não conseguiu confirmar status de titular absoluto no período, sendo pouco aproveitado pelos comandantes tricolores e lidando com críticas da torcida e até mesmo internas no São Paulo.

Foi com esse cenário que Casemiro acabou sendo negociado com o Real Madrid, inicialmente em um contrato de empréstimo para o time B do gigante espanhol. Por lá, se destacou e chegou a atuar na equipe principal, à época comandada por José Mourinho. Tudo isso motivou a diretoria merengue a contratar o jogador em definitivo.

Entretanto, tal fato não significou que a carreira do volante nos blancos estava assegurada. Agora sob o comando de Carlo Ancelotti, Casemiro não teve muitas chances com o treinador e teve empréstimo acertado ao Porto, para a disputa da temporada europeia de 2014/15. Na equipe portuguesa, foi comandado pelo atual treinador da Espanha, Julen Lopetegui, e assumiu papel importante no onze titular do time, chegando inclusive a marcar um golaço de falta contra o Basel, nas oitavas de final da Liga dos Campeões daquele ano.

Isso ocasionou seu retorno ao Real Madrid, que ativou sua cláusula de recompra e renovou contrato com o atleta até 2021. A partir daí, sua carreira na equipe deslanchou: depois de poucas chances com Rafa Benítez, recebeu de Zidane importante função na intermediária da equipe e, junto de Modric e Kroos, formou um dos melhores meios de campo da Europa. O resultado surgiu em grande estilo: 11 títulos conquistados com a camisa merengue, sendo, entre eles, quatro Liga dos Campeões.

Pela Seleção Brasileira, depois da primeira convocação em 2011, Casemiro recebeu boas chances com Mano Menezes, mas, após a demissão do treinador, não foi mais chamado por seu sucessor, Felipão. Depois da Copa do Mundo de 2014, o volante voltou a ser convocado, mas teve lugar garantido na equipe após respaldo de Tite, que lhe atribui papel central no esquema implantado pelo próprio comandante brasileiro. É com essa função e confiança da comissão técnica que o jogador de 26 anos vai para o Mundial da Rússia.




Em seu último teste antes de estrear na Copa do Mundo, a Seleção Brasileira disputará um amistoso contra a Áustria, neste domingo, às 11 horas (de Brasília), em Viena. Ídolo do Red Bull Salzburg, que conquistou o pentacampeonato nacional no mês passado, o zagueiro André Ramalho conhece bem os próximos adversários do time canarinho e projeta um duelo interessante para os comandados de Tite.

“A Áustria não está na Copa, mas tem bons jogadores e vem evoluindo, então creio que será muito útil esse amistoso para o Brasil. O novo técnico (Franco Foda) está levando jogadores diferentes, dando chances para molecada e outros que não vinham tendo espaço. Além disso, é um treinador que consegue postar bem seus times. O Red Bull nos últimos anos tem sido soberano, mas o Sturm Graz, enquanto ele esteve lá, conseguiu brigar com a gente e isso é um mérito dele”, afirmou o defensor.

O zagueiro André Ramalho soma cinco títulos com a camisa do austríaco Red Bull Salzburg (Foto: Divulgação)

A evolução da Áustria pôde ser notada no último final de semana, quando os comandados de Franco Foda derrotaram a atual campeã mundial Alemanha por 2 a 1. Dias antes também haviam vencido a Rússia, anfitriã do Mundial, por 1 a 0.

“Vejo que a Áustria está tendo uma evolução positiva com jogadores que atuam aqui, como o meu companheiro de equipe Lainer, em excelente fase, o Deni Alar, que joga no Sturm Graz e está muito bem. Isso sem falar no Hinteregger, que jogou comigo e é muito bom zagueiro, o Dragovic que teve destaque por onde passou, e o capitão Baumgartlinger, que é um grande jogador também. Todos são atletas de destaque em seus respectivos times. De modo geral, a Áustria vem evoluindo, tem bons valores individuais e aos poucos tem tudo para crescer como conjunto”, analisou.

André Ramalho adiantou que o Brasil enfrentará uma equipe influenciada pelas escolas alemã e suíça. O amistoso será ainda mais útil, já que a Seleção irá encarar os suíços em sua estreia na Copa, no dia 17 de junho, em Rostov.

“Até pela proximidade e o mesmo idioma, creio que a escola de futebol da Áustria tem influência alemã. Muitos jogadores que saem do país vão jogar na Alemanha. De certa forma, o estilo de jogo austríaco também é um pouco parecido com o da Suíça. Por coincidência, o antigo treinador da seleção da Áustria é suíço e o atual, alemão”, ressaltou.

Após duas temporadas na Alemanha, André Ramalho conquistou o seu quinto título pelo Salzburg. Segundo ele, na Áustria, as pessoas têm o costume de acompanhar a Seleção Brasileira, jogadores e até clubes do País.

“Acompanham bastante o nosso país e estão sempre comentando de um ou outro jogador que esteja se destacando. Além dos clubes em evidência, como foi o Grêmio no ano passado. Todos se empolgam quando veem o Brasil tão bem como vem jogando agora com o Tite. Para mim, é a Seleção mais respeitada do mundo. Todos estão sempre interessados em saber o que se passa não só na Seleção, mas com os jogadores de forma geral”, finalizou.



Convidado para o jogo, goleiro Júlio César publicou foto no Instagram (Imagem: Reprodução)

Na campanha até a decisão da Copa do Mundo de 1998, a Seleção Brasileira acabou derrotada pela Noruega ainda na primeira fase. Neste sábado, quase 20 anos depois, ex-jogadores que participaram do torneio reencontraram os donos da casa para um jogo festivo em Oslo e ganharam por 3 a 0.

Nomes como Rivaldo, César Sampaio, Giovanni, Aldair, Júnior Baiano, Edmundo, Bebeto e Roberto Carlos, convocados para a Copa do Mundo de 1998, participaram do jogo. O grupo de veteranos foi comandado por Ronaldo, mais um chamado por Zagallo para o Mundial da França.

Edmundo inaugurou o marcador para o time brasileiro, Giovanni aumentou e o lateral direito Gabriel (ex-jogador de São Paulo e Fluminense) encerrou o placar com um golaço do meio de campo. Assim, o grupo de veteranos deu o troco nos noruegueses.

Há 20 anos, o Brasil entrou em campo com Taffarel, Cafu, Júnior Baiano, Gonçalves e Roberto Carlos; Dunga, Leonardo, Rivaldo e Denilson; Bebeto e Ronaldo. Bebeto marcou o primeiro gol, mas a Noruega virou o placar com Tore Andre Flo e Rekdal. Ainda assim, o time de Zagallo alcançou a final, mas acabou derrotado pela França.

Hoje sob o comando do técnico Tite, a Seleção Brasileira se prepara para disputar a Copa do Mundo 2018. Às 11 horas (de Brasília) deste domingo, em Viena, a equipe encara a Áustria no último amistoso antes da estreia na Rússia.

 



Neste sábado, a Argentina chegou à Rússia para jogar a Copa do Mundo. O time comandado por Jorge Sampaoili desembarcou no Aeroporto Internacional de Moscou. Antes, os argentinos estavam na Espanha, em Barcelona, onde realizou uma série de treinamentos.

Os hermanos estavam na Catalunha, desde o dia 31, e usaram o CT Joan Gamper, do Barça. Porém, o time teve um desfalque durante a preparação. O meia Lanzini, foi cortado, e Enzo Perez foi chamado para o lugar.

Lionel Messi, o maior destaque da equipe, e a grande esperança dos argentinos para vencerem a terceira Copa, disputará o seu quarto Mundial. O jogador buscará seu primeiro título de peso com a seleção de seu país, e a sexta Bola de Ouro na carreira.

A Argentina está no Grupo D da Copa do Mundo, com Islândia, Nigéria e Croácia. A estreia está marcada para o próximo sábado às 10h00 (horário de Brasília), em Moscou, no Estádio do Spartak contra os islandeses. Após o desembarque na capital russa, o plantel irá para Bronnisty.

Argentina está na Rússia para a disputa da Copa do Mundo (Foto: Twitter Oficial/FIFA)