Tite convoca Vinicius Júnior e Weverton para amistosos da Seleção - Gazeta Esportiva
Copa América Copa América

Tite convocou Vinicius Júnior para amistosos contra Panamá e República Tcheca (Foto: André Mourão/MoWA Press)

O técnico da Seleção Brasileira, Tite, anunciou nesta quinta-feira a lista de convocados para os amistosos de março, contra Panamá e República Tcheca. Serão os últimos testes antes da convocatória para a Copa América, que será disputada entre 14 de junho e 7 de julho, no Brasil.

As principais novidades são o garoto Vinicius Júnior, convocado pela primeira vez para a Seleção principal, e Weverton, do Palmeiras. Destaque do Real Madrid na temporada, o meia-atacante de 18 anos ocupa a vaga de Neymar, que se recupera de uma lesão no pé direito.

Já o goleiro, campeão olímpico em 2016, surpreende porque Tite vinha chamando atletas do sub-20 para a posição. Lucas Paquetá é outra jovem estrela que figura na convocação. Aos 21 anos, o meio-campista tem realizado boas apresentações neste início de trajetória no Milan, o que foi determinante para voltar a ser lembrado por Tite.

A lista também chama atenção pelo retorno de Daniel Alves. O lateral de 35 anos volta a defender o Brasil após um ano. Ele ficou de fora da Copa do Mundo da Rússia por causa de uma lesão no joelho direito.

Além de Neymar, a lista de Tite tem outras ausências importantes. Casos de Douglas Costa, Fernandinho, Renato Augusto, Willian e Marcelo. Enquanto os dois primeiros estão contundidos, os três últimos não foram convocados por mera opção técnica.

No dia 23 de março, a Seleção Brasileira enfrenta o Panamá, na cidade do Porto, em Portugal. Três dias depois, os comandados de Tite encaram a República Tcheca fora de casa, em Praga.

Depois, já com os convocados para a Copa América definidos, o Brasil fará mais dois amistosos preparatórios em junho. O primeiro será contra o Catar, no dia 5, no Maracanã. O segundo, no dia 9, ainda não tem adversário definido, mas a tendência é que ocorra no Beira-Rio, em Porto Alegre.

Cabeça de chave do Grupo A da Copa América, a Seleção Brasileira estreia contra a Bolívia, em 14 de junho, no Morumbi. Em seguida, os comandados de Tite tentam confirmar a vaga nas quartas de final diante de Venezuela e Peru, nos dias 18 e 22, na Fonte Nova e na Arena Corinthians, respectivamente.

Veja a lista de convocados:

Goleiros: Alisson (Liverpool-ING), Ederson (Manchester City-ING) e Weverton (Palmeiras)
Laterais: Alex Sandro (Juventus-ITA), Daniel Alves (PSG-FRA), Danilo (Manchester City-ING) e Filipe Luís (Atlético de Madrid-ESP)
Zagueiros: Éder Militão (Porto-POR), Marquinhos (PSG-FRA), Miranda (Inter de Milão-ITA) e Thiago Silva (PSG-FRA)
Meias: Allan (Napoli-ITA), Arthur (Barcelona-ESP), Casemiro (Real Madrid-ESP), Fabinho (Liverpool-ING), Felipe Anderson (West Ham-ING), Lucas Paquetá (Milan-ITA), Phillipe Coutinho (Barcelona-ESP)
Atacantes: Everton (Grêmio), Gabriel Jesus (Manchester City-ING), Richarlison (Everton-ING), Roberto Firmino (Liverpool-ING) e Vinicius Júnior (Real Madrid-ESP)



A pandemia do coronavírus fez com que a Copa América fosse adiada para 2021. Com isso, a Conmebol já começa a planejar como a competição será realizada no ano que vem, e uma das novidades pode ser o retorno da torcida aos estádios.

Em entrevista à agência Reuters, o secretário-geral adjunto de futebol e diretor de desenvolvimento da federação, Gonzalo Belloso, revelou que, caso surja uma vacina, o torneio deve acontecer com a presença do público.

Dani Alves foi capitão do Brasil na conquista da Copa América do ano passado (Foto: Lucas Figueiredo/CBF)

“A projeção é fazer a Copa América com público total caso haja a vacina contra o coronavírus. Caso não seja possível, também já projetamos com a possibilidade de que seja com 30%, 40% de capacidade dos estádios”, declarou Gonzalo.

Entretanto, o secretário afirmou que a decisão final dependerá das autoridades da Argentina e da Colômbia, sedes da competição, para liberar as partidas com público e permitir a entrada de estrangeiros nos países.

A Copa América estava prevista para ser realizada entre junho e julho deste ano, mas foi atrasada em um ano. O Brasil é o atual campeão e vai em busca de seu 10º título do torneio em 2021.



O novo técnico da seleção do Equador, o argentino Gustavo Alfaro, avaliou nesta segunda-feira que as eliminatórias sul-americanas para a Copa de 2022 são uma das “mais complexas” do mundo.

“São as mais complexas, as mais difíceis”, disse Alfaro Lechuga após a sua chegada a Quito para substituir o holandês Jordi Cruyff, que passou apenas seis meses no cargo, a maior parte do tempo na Espanha.

(Foto: Juan Diego Montenegro/ECUADOR FOOTBALL FEDERATION/AFP)<br />

Às vésperas das eliminatórias sul-americanas, que começam em outubro, o treinador argentino considerou que “estamos todos em um nível competitivo, em nível de igualdade”.

“É uma corrida longa, de fôlego e as eliminatórias sul-americanas são as mais difíceis do mundo pela geografia, pela competitividade, pelo hábito, pela forma como as equipes jogam, pelo respeito, pela hierarquia, pelas trajetórias, pelo nível dos treinadores”, acrescentou.

Alfaro, de 58 anos, que em 2009 dirigia o saudita Al Ahli, mostrou seus planos ambiciosos: “não vim aqui para cumprir um contrato de trabalho. Vim viver a melhor fase da minha vida profissional, e para isso venho trabalhar”.

Jordi Cruyff renunciou ao cargo em julho sem ter dirigido um único treino e, pior, sequer uma partida.

Em entrevista coletiva virtual na sede da seleção equatoriana, na periferia de Quito, Alfaro falou sobre seu objetivo de carimbar um passaporte para a Copa do Mundo do Catar de 2022. “Não poderei alcançá-lo se não contar com o trabalho” dos jogadores, a quem fez um apelo para que “nestes dois anos tenham seus melhores anos como jogadores profissionais”.

O ex-treinador do Boca Juniors em 2019 acrescentou que este objetivo também não será fácil.

“Isso vai ser fácil? Não. Preparem-se para tempos difíceis e complicados como todas as coisas são”, observou ele.

Desde o fracasso na Copa América do Brasil em 2019, comandado pelo técnico colombiano Hernán Darío Gómez, o Equador carece de regularidade e em outubro próximo terá que enfrentar a Argentina, em Buenos Aires, e o Uruguai, em Quito, nas duas primeiras rodadas das eliminatórias.

A seleção tricolor fez sua última participação em uma Copa do Mundo, no Brasil em 2014, quando não conseguiu avançar para as oitavas de final.

Até hoje jogou três edições do Mundial, fazendo sua estreia no Japão e na Coreia do Sul em 2002 (com Bolillo Gómez como técnico) e em seguida na Alemanha em 2006, quando se classificou para as oitavas, seu melhor desempenho.



O técnico argentino Gustavo Alfaro foi anunciado como novo treinador da seleção do Equador, informou nesta quarta-feira o presidente da Federação Equatoriana de Futebol (FEF), Francisco Egas.

(Foto: Juan Mabromata/AFP)

“Gustavo Alfaro e sua equipe técnica estarão no comando da seleção nacional a partir de agora e serão nossos condutores durante as eliminatórias sul-americanas, a Copa América de 2021 e, com sorte, a Copa do Mundo no Catar, em 2022”, disse Egas em entrevista coletiva virtual .

Alfaro chega para substituir o holandês Jordi Cruyff, que pediu demissão do cargo em julho sem ter disputado uma única partida à frente da equipe devido à pandemia da COVID-19.

O treinador, filho do lendário Johan Cruyff, assumiu o comando da seleção equatoriana em janeiro passado, mas depois de declarada a presença do coronavírus no Equador em 29 de fevereiro, ele retornou à Espanha.

Aos 58 anos, Alfaro assume o Equador após ser treinador do Boca Juniors, onde chegou em 2019.



A Conmebol apresentou mudanças no calendário da Copa América 2021 para reduzir as viagens entre as sedes e para aumentar os dias de descanso das seleções nas fases finais.

O torneio continental será disputado na Argentina e na Colômbia, com dois grupos de seis seleções: os 10 países do continente sul-americanos além dos convidados Catar e Austrália.

A edição de 2021 do torneio de seleções mais antigo do mundo, que pela primeira vez será disputado em dois países ao mesmo tempo, foi adiado para o próximo ano devido à crise sanitária causada pela covid-19

Em resposta à pandemia que atinge a região, os organizadores introduziram mudanças na programação e no regulamento do torneio. O formato não foi alterado.

A abertura está prevista para o dia 11 de junho de 2021 em Buenos Aires.

A final será em Barranquilla, na Colômbia, no dia 10 de julho. Nesse mesmo dia, o jogo valendo o terceiro lugar será disputado em Bogotá.

“As mudanças indicadas têm como objetivo reduzir as viagens entre as sedes e adicionar dias de descanso para as equipes classificadas entre a fase de grupos e as quartas de final”, esclareceu a Conmebol.

O conselho da entidade que comanda o futebol sul-americano também autorizou a substituição de até três jogadores na lista de cada país, além das substituições por lesão, uma vez concluída a fase de grupos.

As substituições terão que vir da lista provisória de 50 jogadores apresentada por cada seleção antes do torneio.

O Grupo A é formado por Argentina, Austrália, Bolívia, Uruguai, Chile e Paraguai.  Os jogos serão disputados em Buenos Aires, La Plata, Mendoza, Córdoba e Santiago del Estero.

Já o Grupo B será disputado entre Colômbia, Brasil, Catar, Venezuela, Equador e Peru. A série acontecerá em Bogotá, Cali, Medellín e Barranquilla.



O astro argentino Lionel Messi admitiu que o adiamento da Copa América 2020 para 2021 foi “uma decepção”, mas considerou a decisão “normal e lógica”, diante da situação de crise criada pela pandemia do coronavírus.

“Adiar a Copa América foi uma enorme decepção, mas era o mais normal e lógico”, afirmou o atacante argentino nesta quarta-feira ao site da fornecedora de material esportivo Adidas.

“A Copa seria um grande acontecimento para mim neste ano e tinha uma grande vontade de voltar a disputá-la”, completou o capitão da seleção argentina e do Barcelona.

Foto: AFP/Eitan Abramovich

Em 17 de março, a Conmebol decidiu adiar para junho de 2021 a Copa América, que seria disputada este ano na Argentina e na Colômbia.

“Foi duro quando fiquei sabendo do adiamento, mas compreendi perfeitamente”, afirmou Messi, que, após semanas de confinamento na Espanha devido à pandemia, voltou a treinar com os companheiros de Barcelona.

“Não podemos pensar no que estamos deixando para trás este ano. É melhor pensar no futuro”, insistiu o craque, de olho na volta do futebol na Espanha, onde o campeonato nacional deverá retornar no fim de semana de 12 de junho com jogos com portões fechados.

Foto: Kirill Kudryavtsev/AFP

Jogar sem público “envolve uma série de desafios. A preparação a nível do grupo é a mesma que para qualquer outro jogo, mas é verdade que individualmente é preciso se preparar e se mentalizar para jogar sem público, porque é muito diferente”.

“Mas é normal que, se voltar, seja desta maneira devido a tudo isso que estamos vivendo. Com tudo que está acontecendo no mundo é perfeitamente compreensível”, completou Messi, que não esconde ter “muita vontade de voltar a competir”.

“Será como começar novamente”, considerou, concluindo que “tecnicamente será a mesma temporada, mas acredito que todas as equipes e todos os jogadores viverão isto de forma diferente”.



Por meio de uma videoconferência realizada nesta quarta-feira, o Bureau do Conselho da Fifa homologou algumas das medidas tomadas para combater a disseminação do novo coronavírus. A entidade incluiu no calendário internacional as novas datas da Eurocopa e da Copa América, realizadas entre 11 de junho e 11 de julho de 2021, e comunicou que decidirá futuramente sobre o reagendamento do novo Mundial de Clubes.

Além disso, a Fifa também anunciou o desenvolvimento de um grupo de trabalho entre as confederações, com o intuito de monitorar a evolução da situação em cada continente e agir de maneira coordenada para resolver as questões relativas à pandemia do Covid-19 no futebol.

Fifa comunicou que decidirá futuramente sobre Mundial de Clubes (Foto: Fabrice Coffrini/AFP)

O objetivo é garantir que sejam encontradas soluções que atendam a todas as competições, de todos os níveis, garantindo a saúde dos participantes. Como medida de prevenção à transmissão da doença, diversas competições no mundo inteiro foram paralisadas por tempo indeterminado.

A entidade também informou que irá checar se há a necessidade de emendas ou alterações temporárias ao sistema de regras de transferências de jogadores, para proteger as relações contratuais entre atletas e clubes, ajustando os períodos de registro.

Considerando o impacto econômico da situação, a Fifa ainda irá avaliar se será necessária a criação de um fundo de suporte financeiro a nível mundial e como os mecanismos para isso seriam definidos.

Para completar, a entidade comunicou a doação de 10 milhões de dólares para a Organização Mundial da Saúde (OMS), para o fundo de resposta ao vírus da Covid-19.

“Essa situação excepcional exige medidas e decisões excepcionais. Essa crise afeta o mundo inteiro e é por isso que as soluções precisam levar em consideração os interesses de todas as partes ao redor do mundo. Hoje mostramos novamente um espírito de cooperação, solidariedade e unidade. Gostaria de agradecer a todos os presidentes das confederações por suas contribuições e esforços positivos. Conto com o apoio de toda a comunidade do futebol para avançar”, declarou o presidente da Fifa, Gianni Infantino.



 

A Copa América seguirá sendo disputada na Argentina e Colômbia (Foto: Lucas Figueiredo/ CBF)

Em função da pandemia do coronavírus, a Copa América deste ano está adiada para 2021. A decisão foi comunicada em nota pela Conmebol na manhã desta terça-feira.

“Após uma detalhada análise da situação em torno à evolução mundial e regional do Coronavírus (COVID19), e das recomendações realizadas pelos organismos internacionais em matéria de Saúde Pública para extremar as precauções, a Conmebol comunica o adiamento da edição 47ª da Conmebol Copa América nas datas de 11 de junho a 11 de julho de 2021“, diz parte do comunicado.

A disputa do maior torneio de seleções da América estava agendada entre os dias 12 de junho e 12 de julho, na Argentina e Colômbia. Doze países estão envolvidos na disputa. Além dos dois sede, Chile, Uruguai, Paraguai, Bolívia, Equador, Brasil, Venezuela e Peru participariam, bem como os convidados Catar e Austrália.

No próximo ano, a Copa América será realizada de 11 de junho a 10 de julho. O chaveamento será o mesmo e a ordem das partidas não sofrerá nenhuma alteração, segundo a Conmebol.

A decisão foi tomada em acordo com a Uefa, que também postergou a disputa da Eurocopa, inicialmente marcada para o mesmo dia 12 de junho deste ano.

A Seleção Brasileira está na chave B da Copa América, ao lado de Colômbia, Equador, Peru, Venezuela e Catar. A estreia do time de Tite estava agendada para 14 de junho, diante da Venezuela, no estádio Olímpico Pascual Guerrero, em Cali, na Colômbia.



Gabigol superou Neymar entre os jogadores mais citados (Foto: Alexandre Vidal/CRF)

Nesta terça-feira, o Twitter divulgou a lista com os assuntos mais comentados no Brasil em 2019. Não bastasse o Flamengo ter sido o clube com maior destaque na rede social, o atacante Gabigol liderou a lista entre os atletas. Curiosamente, o camiseta 9 ficou à frente de Neymar, que estava na ponta do levantamento feito em junho.

Quando o assunto são os campeonatos mais citados neste ano, a Libertadores da América ocupa o topo da lista. O pódio se completa com a Copa do Mundo de Futebol Feminino e a Copa América, respectivamente.


Levando em consideração todas as partidas de futebol disputadas no mundo, a decisão pelo troféu mais cobiçado da América do Sul, entre Flamengo e River Plate, foi a mais comentada.

Abaixo, confira as listas divulgadas:

Atletas:
1. Gabigol (Flamengo)
2. Arrascaeta (Flamengo)
3. Neymar (PSG)
4. Bruno Henrique (Flamengo)
5. Diego Ribas (Flamengo)

Campeonatos:
1. Libertadores
2. Copa do Mundo de Futebol Feminino
3. Copa América

Times:
1. Flamengo
2. Vasco
3. Corinthians
4. São Paulo
5. Palmeiras
6. Fluminense
7. Cruzeiro
8. Santos
9. Internacional
10. Atlético-MG



Estão definidos os grupos e os confrontos da Copa América de 2020, realizada entre 12 de junho e 12 de julho na Colômbia e na Argentina. Em evento ocorrido nesta terça-feira, em Cartagena, em território colombiano, a Conmebol sorteou as chaves, que já estavam pré-definidas, e o calendário da competição.

Os destinos de Austrália e Catar, seleções convidadas, também foram determinados. A primeira se junta a Argentina, Bolívia, Chile, Paraguai e Uruguai no Grupo Sul, com disputa em solo argentino. Já a segunda fica no Grupo Norte ao lado de Brasil, Colômbia, Equador, Peru e Venezuela, em chave que será sediada na Colômbia.

O primeiro confronto da Copa América será entre Argentina e Chile no Monumental de Núñez, em Buenos Aires, no dia 12 de junho. Já o jogo de estreia da Seleção Brasileira, atual campeã do torneio continental, está marcado para o dia 14 do mesmo mês, contra a Venezuela, em Cali.

Além disso, no evento desta terça-feira foi divulgado que Pibe foi o nome escolhido para o mascote da competição, por meio de votação na internet. A bola oficial do torneio também foi apresentada.

A próxima edição da Copa América, realizada apenas um ano depois da última, faz parte de uma adequação de calendário. A partir de 2020, o torneio seguirá os moldes da Eurocopa e será disputado de quatro em quatro anos, apenas em anos pares.

Além disso, o formato também foi alterado. Agora, as 12 seleções são divididas em dois grupos de seis, nos quais as equipes se enfrentam em turno único. Os quatro melhores colocados de cada chave se classificam para o mata-mata, com quartas de final, semifinal e final. A decisão está marcada para 12 de julho, em Barranquilla, na Colômbia.

Confira a sequência de partidas do Brasil na primeira fase da Copa América de 2020:

Brasil x Venezuela, 14/06 (Cali)

Brasil x Peru, 18/06 (Medellín)

Brasil x Catar, 23/06 (Barranquilla)

Brasil x Colômbia, 27/06 (Barranquilla)

Brasil x Equador, 01/07 (Bogotá)