COPA DO MUNDO 2018 RÚSSIA

Contando com Marcelo e Casemiro, que se apresentaram nesta quarta-feira, e Fagner, recuperado de lesão no músculo posterior da coxa, a Seleção Brasileira trabalhou quase completa no CT do Tottenham em seu terceiro dia de preparação na Inglaterra. Contudo, o técnico Tite repetiu a rotina do dia anterior, permitindo os jornalistas acompanharem somente a parte de aquecimento do treino em Londres e mantendo o mistério em relação à equipe que irá enfrentar a Croácia no amistoso do próximo domingo.

Além da dupla do Real Madrid, que se sagrou campeã pela terceira vez seguida da Liga dos Campeões no último sábado, Fagner foi outra novidade no treino desta quarta. O lateral-direito foi a campo e desta vez não se limitou apenas a participar do aquecimento, mostrando desenvoltura e sem exibir qualquer limitação física a quatro dias do penúltimo teste do Brasil antes da estreia na Copa.

O time verde e amarelo só não esteve completou por conta de Douglas Costa, que não apareceu no gramado. O atacante, com lesão semelhante à de Fagner, ainda realiza tratamento com a parte de fisioterapia e segue trabalhando nas dependências internas do moderno CT do Tottenham, localizado a 20 km do centro de Londres, no bairro de Enfield.

Nesta quarta-feira, a Seleção Brasileira completou dez dias de preparação para o Mundial. Após a primeira etapa realizada na Granja Comary, em Teresópolis, o técnico Tite não deu qualquer pista sobre o time que irá enfrentar a Croácia, apesar de já ter todos os 23 convocados à sua disposição.

Vitinho, lateral do Cruzeiro, e o atacante Brenner, do São Paulo, viajaram para completar as atividades por conta da ausência de alguns nomes importantes, entretanto, mesmo com o grupo completo, a dupla segue com a Seleção Brasileira até o dia 8 de junho, quando os comandados de Tite vão a Viena, na Áustria, para encarar a seleção local.

Na atividade desta quarta, os jogadores mais uma vez fizeram um trabalho de aquecimento com bola. Divididos em três grupos que formaram suas respectivas rodas de bobinho, os jogadores também atuaram em campo reduzido posteriormente, mantendo a prioridade pela posse de bola. Enquanto isso, os goleiros treinaram com o preparador Taffarel em um campo anexo.

O Brasil segue no CT do Tottenham até sexta-feira, quando embarca para Liverpool, local do amistoso com a Croácia, marcado para às 11h (de Brasília) do próximo domingo. Após o jogo, a delegação retorna para Londres, continuando a disfrutar da excelente estrutura dos Spurs.



Japão de Kagawa não foi bem e viu a pressão para a Copa aumentar (Foto: Kazuhiro Nogi/AFP)

Na manhã desta quarta-fera, o Japão recebeu a seleção de Gana em amistoso preparatório para a Copa do Mundo e acabou derrotado pelo placar de 2 a 0. Antes do Mundial, a seleção asiática ainda enfrenta a Suíça, dia 8, e o Paraguai, dia 12 de junho. Gana, fora da Copa, volta a entrar em campo dia 7 de junho, contra a Islândia.

O Japão já entrou em campo pressionado para a partida, uma vez que trocou de técnico a pouco mais de dois meses para a Copa do Mundo e já acumulava cinco jogos sem vitória. Logo aos nove minutos, contudo, o meia Thomas abriu o placar a favor de Gana.

O treinador Akira Nishino apostava em seus medalhões: Kawashima, Nagatomo, Makino, Hasebe e Honda, todos com mais de 30 anos de idade, mas os jogadores não renderam. Okazaki e Kagawa saíram do banco de reservas para tentar o panorama da partida, mas também não conseguiram o gol.

A equipe japonesa ficava a maior parte do tempo com a bola nos pés, mas não conseguia vazar o goleiro Ofori, que foi um dos melhores em campo. Ao todo, os samurais tiveram 19 chutes ao gol, sendo oito deles certos.

Logo aos seis minutos do segundo tempo, a seleção ganesa teve pênalti a seu favor. Emmanuel Boateng, que atua pelo Levante, foi para a cobrança e ampliou o placar em Yokohama. Minutos depois, Honda, principal esperança de gols do Japão, foi substituído, e com mais uma derrota, viu do banco de reservas a pressão em cima da seleção asiática para a Copa do Mundo ficar cada vez maior.




A Seleção Brasileira, enfim, está completa. Nesta quarta-feira, Marcelo e Casemiro se juntaram ao restante do elenco comandado pelo técnico Tite em Londres após uma folga prolongada em decorrência da final da Liga dos Campeões. A dupla do Real Madrid, inclusive, é esperada no trabalho programado para o período da tarde no CT do Tottenham.

Assim como os jogadores do Real Madrid, Roberto Firmino também havia recebido folga até esta quarta-feira, já que também disputou a grande decisão da Liga dos Campeões, no entanto, o atacante do Liverpool preferiu antecipar sua apresentação, embarcando em um trem rumo à capital inglesa, onde a Seleção Brasileira realiza a segunda parte de sua preparação para a Copa do Mundo.

Como já não possui qualquer desfalque, o técnico Tite deverá começar a sinalizar o time que irá a campo no próximo domingo, no amistoso contra a Croácia, em Anfield, estádio do Liverpool. Desde que iniciou os trabalhos na Granja Comary, em Teresópolis, Tite optou por misturar os prováveis titulares com os atletas considerados reservas nas equipes formadas para treinamentos em campo reduzido, mantendo o mistério.

Como o grupo não estava completo, alguns jovens revelados nas categorias de base de clubes brasileiros foram convocados para se juntar à Seleção em Teresópolis, o que dificultou ainda mais a vida dos jornalistas em decifrar a equipe que duelará com os croatas. O lateral Vitinho, do Cruzeiro, e o atacante Brenner, do São Paulo, inclusive, viajaram a Londres com a delegação.

A partida contra a Croácia será o penúltimo teste da Seleção antes da estreia no Mundial. O time canarinho também terá pela frente a Áustria, no próximo dia 10, em Viena. De lá, o grupo segue para Sochi, já na Rússia, onde ficará hospedado durante todo o torneio.



Jorge Luis Pinto já comandou duas vezes a Costa Rica e uma vez Honduras (Foto: Orlando Sierra/AFP)

Jorge Luis Pinto foi um dos responsáveis por levar a Costa Rica a sua melhor campanha na história da Copa do Mundo. O treinador colombiano comandou Los Ticos, que foram eliminados para a Holanda, até as quartas de final do Mundial disputado Brasil em 2014. Em entrevista exclusiva à Gazeta Esportiva, ele relembrou o desempenho histórico.

“(A campanha foi) sensacional. Uma equipe que jogou muito bem, tinha uma estrutura muito bem definida, jogava, propunha, era muito organizada, tinha uma grande segurança defensiva. Foram cinco partidas e dois gols (sofridos), um de pênalti e outro de rebote. Penso que foi um bom trabalho”, afirmou antes de analisar a Costa Rica para o Mundial da Rússia. “Sinto que eles têm que fazer um bom trabalho. Tem experiência, oito jogadores que atuaram no Brasil comigo e isso é muito importante. Acredito que vão fazer um bom trabalho na Rússia”.

O técnico de 65 anos, que afirma ter e receber carinho da torcida costa-riquenha, ainda disse ter o interesse me vir comandar uma equipe no Brasil. No entanto, ele nunca recebeu uma proposta oficial. “Pode ser. Sinto confiança e é um país que gostaria muito de trabalhar e que eu estudei. Vamos ver”, declarou Jorge Luis Pinto. “Nunca tive um convite direto (de um clube brasileiro)”.

Comandante de Honduas na última Eliminatória da Concacaf, o treinador colombiano reconheceu que poderia ter conseguido uma vaga na Copa do Mundo depois de ficar em quarto lugar no geral e perder por 3 a 1 no placar agregado para a Austrália na repescagem.

“Não foi a melhor (campanha). Perdemos pontos em casa, empatamos com Panamá no último minuto, com Costa Rica e Estados Unidos (também empatamos) e isso nos prejudicou. A repescagem foi muito difícil. Teve a viagem e não foi fácil jogar contra a Austrália”, disse antes de analisar o time panamenho, que foi uma das surpresas para o Mundial da Rússia. “É uma equipe experimentada, que tem jogadores muito experientes”.

*Especial para a Gazeta Esportiva



Dos quatro convocados por Tite para atuar na zaga da Seleção Brasileira na Copa do Mundo, Thiago Silva só tem mais jogos como titular do que Geromel. Embora tenha sido testado entre os 11 iniciais nos últimos jogos do Brasil, o defensor do Paris Saint-Germain sabe que Miranda e Marquinhos estão à sua frente, contudo, não vê qualquer problema de figurar no banco de reservas na Rússia, daqui a 15 dias.

Miranda e Marquinhos formaram o miolo de zaga durante toda a campanha da Seleção Brasileira em busca da classificação para a Copa do Mundo nas Eliminatórias Sul-Americanas. Nos amistosos, contudo, o técnico Tite optou por testar outras formações, com Miranda ou Marquinhos ao lado de Thiago Silva. Independentemente da escolha do treinador do Brasil, fato é que o capitão da equipe verde e amarela no Mundial de 2014 chega para a sua terceira Copa com um status completamente diferente.

“Os dois [Miranda e Marquinhos] são grandíssimos jogadores, já demonstraram isso. Miranda até mais na sua carreira, Marquinhos por estar iniciando bem. A briga é sadia, a competitividade é boa e pode elevar o nível de concentração”, afirmou Thiago Silva.

O jogador do Paris Saint-Germain também não escondeu de Geromel, considerado hoje o quarto zagueiro da Seleção Brasileira. Embora seja uma das últimas opções do técnico Tite para o setor defensivo, o jogador do Grêmio não foi esquecido pelo seu concorrente de posição e, inclusive, acabou recebendo grandes elogios de Thiago Silva.

“Se ele [Tite] vem citando os três, até mesmo o Geromel, que está em fase extraordinária no Brasil, todos estão em condições de jogar. Nem sempre quem começa, termina. Pode acontecer uma lesão que não permita um jogador de jogar, mas ele tem quatro jogadores que podem entrar a qualquer momento e dar conta do recado”, prosseguiu.

Também treinado por Renato Gaúcho em seus tempos de Fluminense, sendo vice-campeão da Libertadores de 2008 pelo Fluminense, Thiago Silva não se limitou a falar sobre a “fase extraordinária” de Geromel no Grêmio. Na visão do zagueiro do PSG, uma das características de seu concorrente que mais saltam aos olhos é o equilíbrio emocional.

“[O Geromel] É um jogador muito frio, concentrado no que está fazendo. Não perde quase nunca a concentração. Erros todos nós cometemos, somos humanos, é normal que erre, mas se você ver o nível de concentração no treino… isso fez com que ele chegasse aqui. As pessoas falam que jogador bom está na Europa, mas ele demonstrou isso com o Grêmio. Tive o Renato [Gaúcho] como treinador e sei o que ele passa para o Geromel. Ele é um cara aberto para trocar ideia, e isso facilita para ele e todo o grupo”, finalizou.



A seleção do Peru vai disputar uma Copa do Mundo depois de 36 anos. Apesar das ausências nas últimas edições, seu povo jamais abandonou a paixão pelo futebol. Diante desse cenário é fácil imaginar o clima que todo o país tem vivido nos últimos dias. E toda essa expectativa foi regada de muita euforia com a vitória por 2 a 0 em cima da Escócia na noite dessa terça-feira, em Lima, no estádio Nacional.

O meia do São Paulo, Christian Cueva, abriu o placar aos 37 minutos da primeira etapa, em cobrança de pênalti. Na etapa final, logo aos dois minutos, o camisa 10 Farfan fechou o placar.

Apesar da sentida ausência de Paolo Guerrero, ex-capitão, ídolo e centroavante do time comandado pelo argentino Ricardo Gareca, técnico com passagem pelo Palmeiras, os torcedores confiam em uma campanha digna do Peru na Rússia.

A despedida de seu país natal foi em grande estilo. Agora, a preparação segue longe de casa, com dois amistosos já marcados, contra Arábia Saudita e Suécia, dias 2 e 9 de junho, respectivamente.

Integrante do grupo C no Mundial, os peruanos vão encarar Dinamarca, França e Austrália. Apesar de serem considerados azarões, os sul-americanos, por ora, estão invictos há 13 partidas. A última derrota aconteceu justamente frente ao Brasil, dia 16 de novembro de 2016, pelas Eliminatórias. Os comandados de Tite venceram por 2 a 0 na ocasião.

 




A noite dessa terça-feira foi de despedida e também de esperança para os argentinos. No mítico estádio da Bombonera, em Buenos Aires, a seleção do técnico Jorge Sampaoli fez o que se esperava dela: goleou o Haiti. Com Messi inspirado, a equipe alviceleste enfiou 4 a 0 nos modestos visitantes, que pareciam mais encantados com a presença do camisa 10 do que concentrados no amistoso.

Já nessa quarta, a delegação da Argentina que vai à Copa do Mundo embarca rumo a Barcelona, cidade onde Messi é Rei e local de preparação da seleção sul-americana antes de rumar para a Rússia.

O último teste dos hermanos está marcado para o dia 9 de junho, contra Israel, em Jerusalém. Depois disso, o desafio será a estreia no Mundial, diante da Islândia, dia 16. O grupo D da Copa ainda tem Croácia e Nigéria.

Apesar do placar elástico conquistado nessa terça, o primeiro tempo da partida terminou com apenas um gol marcado, o primeiro de Messi no jogo, em cobrança de pênalti sofrido por Lo Celso.

No intervalo, a imagem curiosa foi dos torcedores locais aplaudindo os visitantes e principalmente do assédio dos jogadores haitianos em cima de Lionel Messi, astro do futebol mundial, que ali mais representava um ídolo do que um rival para a seleção do pobre país do Haiti.

Na etapa final, Messi marcou mais duas vezes antes dos 20 minutos em dois lances de conclusão rápida já dentro da área. Para fechar a conta, Sério Kum Aguero também foi às redes depois de assistência camisa 10 e capitão argentino.

Após o apito final, a seleção da Argentina agradeceu o apoio de sua fanática torcida, que retribuiu com muitos aplausos e cantaria. Ainda deu tempo dos haitianos tirarem mais algumas lascas de Messi. E assim, com o clima misto entre empolgação e ansiedade, os atuais vice-campeões mundiais partem os últimos ajustes antes de mais uma Copa do Mundo.

 



A Inglaterra começou sua preparação para a Copa do Mundo olhando para um trauma recente: as disputas de pênaltis. Segundo o goleiro Pickford, do Everton, os comandados de Gareth Southgate têm treinado até a caminhada em direção à marca das penalidades.

“Estamos fazendo a caminhada desde o meio de campo. Não estamos pensando longe demais. Mas nos bastidores estamos trabalhando muito para nos prepararmos da maneira que gostaríamos”, afirmou o jogador ao jornal inglês The Guardian.

Pickford disse que a Inglaterra já está treinando pênaltis visando as fases mata-mata da Copa (Foto: AFP)

Desde o Mundial de 1990, os ingleses participaram de sete disputas de pênaltis em torneios oficiais, e só venceram uma delas. Para aumentar ainda mais a preocupação, apenas dois arqueiros conseguiram defender cobranças: David Seaman e Paul Robinson. Das 36 penalidades que a seleção inglesa teve contra nos últimos 28 anos, 30 foram convertidas, quatro acabaram indo para fora e apenas duas foram defendidas.

“É um momento de sorte às vezes. Tem vezes que você apenas escolher um lado para pular, espera e se joga nesse lado. Se você conseguir, conseguiu. Se não, tenta na próxima vez. É como uma loteria. Se você defender duas cobranças, pode se tornar um herói, mas não existe uma pressão sobre você”, declarou o arqueiro.

Por fim, o jogador foi questionado em relação à baixa média de idade dos goleiros convocados por Southgate para a Copa do Mundo. Dentre os três arqueiros, Nick Pope é o mais velho, com 26 anos.

“Olhe nossa experiência no Campeonato Inglês. Joguei 38 jogos nesta temporada, sendo vários em copas e na Liga Europa. É daí que você obtém sua experiência. É por isso que eu fui a seis ou sete clubes de empréstimo a partir dos 17 anos, para me tornar o melhor goleiro que posso ”.

Membro do grupo C, o time inglês estreia contra a Tunísia, em Vologrado, no dia 18 de junho. Seis dias depois, enfrenta o Panamá em Nizhny Novgorod e encerra a primeira fase no dia 28 contra a Bélgica, em Kaliningrado.