COPA DO MUNDO 2018 RÚSSIA

Neste domingo, a seleção de Senegal anunciou o corte de um de seus atletas. O lateral-direito Saliou Ciss não se recuperou a tempo, e está fora da Copa do Mundo. O jogador sofreu uma lesão no amistoso contra Luxemburgo, no dia 31 de maio. Para o seu lugar, Adama Mbengue foi escolhido.

“Saliou Ciss não poderá mais participar da Copa do Mundo por causa de uma séria lesão ocorrida no período de preparação da equipe”, dizia o comunicado oficial da Federação de futebol do país.

O substituto, Adama Mbengue tem 24 anos, e atua no Caen, da França. O lateral já deve se juntar a seus companheiros em Moscou neste domingo.

A equipe liderada por Sadio Mané estreia no Mundial nesta segunda-feira contra a Polônia, de Robert Lewandowski às 12h00 (horário de Brasília). Os senegaleses estão no Grupo H, com Colômbia e Japão, além dos poloneses.

Saliou Ciss foi cortado, e não disputará a Copa do Mundo (Foto: Shaun Botteril/Fifa)


O atacante Hirving Lozano entrou para a história do futebol mexicano na manhã deste domingo. Autor do gol da vitória sobre a poderosa Alemanha, o jogador do PSV Eindhoven celebrou o feito alcançado no Estádio Luzhniki diante dos atuais campeões.

O México decidiu a partida aos 34 minutos do primeiro tempo. Após roubar a bola na defesa, o time dirigido pelo colombiano Juan Carlos Osório fez uma rápida transição ao campo de ataque. Lozano recebeu de Chicharito, cortou a marcação de Ozil e fuzilou Neuer.

“É o melhor gol que marquei na vida. Todos sonhamos em jogar uma Copa e começar de forma tão positiva e importante. Não sei se é a maior vitória (da história do México), mas com certeza é uma das maiores. É ótimo começar com o pé direito, contra os atuais campeões. É um grande resultado e mostra nosso trabalho duro”, disse Lozano.

O colombiano Juan Carlos Osório, com passagem pelo São Paulo, ficou satisfeito com a performance de sua equipe. O México investiu nos contragolpes puxados por Carlos Vela na metade inicial e se defendeu de maneira bem-sucedida na etapa complementar.

“Sempre pensamos em ter dois jogadores rápidos nas pontas. Escolhemos o Hirving, que é nosso atleta mais veloz. Já estávamos preparados para a entrada do Mario Gomez. O México mostrou hoje que tem um futuro brilhante”, declarou o treinador colombiano.

Com o triunfo histórico sobre a Alemanha, o México marca seus primeiros três pontos no Grupo F da Copa do Mundo. Às 12 horas (de Brasília) de sábado, o time defendido por Hirving Lozano e Juan Carlos Osório volta a campo para enfrentar a Coreia do Sul, em Rostov.




Harry Kane tem 24 anos e defende o Tottenham (Foto: Nicolas Asfouri/AFP)

O caminho da Inglaterra na Copa do Mundo começa nesta segunda-feira diante da Tunísia e o país tem um sério candidato na briga pela chuteira de ouro: Harry Kane. O atacante do Tottenham, porém, já tem um adversário de peso. Cristiano Ronaldo marcou três gols na estreia de Portugal contra a Espanha e segundo o inglês, “colocou pressão”.

“Ele colocou um pouco de pressão, com certeza. É um jogador fantástico e teve um jogo fantástico. Mas tenho que focar em mim e no time. Tomara que eu possa marcar três gols também e já esteremos no mesmo nível. Mas não é algo em que vou pensar muito”, destacou coletiva de imprensa.

Kane sequer foi convocado para o Mundial do Brasil e agora, como capitão da seleção da Inglaterra, destacou também sua evolução nesse período: “Há quatro anos, estava de férias, assistindo. Pocchettinho (técnico do Tottenham) chegou naquela época, me deixou mais em forma, mais forte. É muito trabalho, muita determinação. Tenho crescido a cada ano e estou ansioso para mostrar ao mundo até onde posso ir”, pontuou.

A bola rola para Inglaterra e Tunísia nesta segunda-feira, às 15h (de Brasília), na Arena Volgogrado, fechando a primeira rodada do Grupo G, que tem, mais cedo, o duelo entre Bélgica e Panamá, às 12h (de Brasília)



O atacante Hirving Lozano foi o protagonista de uma partida memorável na manhã deste domingo. Com um gol do atacante do PSV Eindhoven, o México ganhou da Alemanha por 1 a 0 no Estádio Luzhniki, desbancando os atuais defensores do título.

O México decidiu a partida aos 34 minutos do primeiro tempo. Após roubar a bola na defesa, o time dirigido pelo colombiano Juan Carlos Osório fez uma rápida transição ao campo de ataque. Lozano recebeu de Chicharito, cortou a marcação de Ozil e fuzilou Neuer.

Chamado para defender a seleção pela primeira vez por Osório, o ponta esquerda conhecido como “Chucky” se destacou nas Eliminatórias e na Copa das Confederações. Aos 22 anos de idade, ele defende de maneira bem-sucedida o PSV Eindhoven, time dirigido por Phillip Cocu.

Pela segunda rodada da Copa do Mundo da Rússia, o embalado México tem uma grande chance para somar seis pontos. Às 12 horas (de Brasília) deste sábado, em Rostov, o time defendido pelo herói Hirving Lozano volta a campo para encarar a Coreia do Sul.





Maradona não poupou críticas a Sampaoli (Foto: Juan Mabromata/AFP)

A Argentina estreou na Copa do Mundo da Rússia com um empate por 1 a 1 diante da modesta Islândia. O resultado não agradou nada o ídolo argentino Diego Armando Maradona, que não poupou críticas a Sampaoli, treinador da seleção. Em outras oportunidades, o ex-jogador já havia deixado claro que não gostava do estilo de jogo imposto pelo comandante e disse que se o time continuar jogando assim Sampaoli não deveria nem voltar para o país.

“Jogando desta maneira, Sampaoli não pode voltar para a Argentina. É uma vergonha não ter uma jogada preparada. Sabendo que os islandeses medem 1,90, batemos todos os escanteios para cabecear. Não fizemos uma jogada curta” declarou Maradona durante o programa que apresenta na emissora TeleSur.

O astro argentino ainda disse que a responsabilidade da má fase da seleção é exclusivamente do treinador, eximindo os jogadores de qualquer culpa. “Eu não culpo os jogadores, mas posso colocar a culpa no trabalho. Creio que não há, isso ficou claro. Pode ter 25 treinadores com você, mas tem que trabalhar porque vimos que a Islândia tinha mais trabalho do que a Argentina, e isso me dá muita pena”, declarou.

Por fim, o campeão do mundo em 1986 levantou a hipótese de que há um problema de relacionamento no plantel argentino. “Me parece que há uma raiva geral dentro da equipe porque seguramente uma pessoa escuta um, e outra a outra. A verdade, vendo Messi dentro do campo, estava muito quente como eu também”, finalizou.

Os comandados de Jorge Sampaoli voltam a campo no Mundial para encarar a Croácia, na quinta-feira, às 15h (de Brasília), na cidade de Nizhny Novgorod, em duelo fundamental para a classificação.

 



Quem acordou cedo para acompanhar a vitória da Sérvia sobre a Costa Rica por 1 a 0 não viu um grande jogo em âmbito técnico, mas um embate físico e tático que, ainda assim, ficou em segundo plano diante do golaço de Aleksandar Kolarov, que deu aos europeus a estreia com três pontos na Copa do Mundo. Após o triunfo, o lateral valorizou a atuação coletiva, mas reconheceu que o tento foi mais do que importante para o resultado final.

“A falta veio em um momento no qual a partida estava muito difícil e eu sabia que uma boa cobrança mudaria as coisas e a situação do jogo. Foi o que exatamente isso que eu fiz, confiei, executei bem e saímos com a vitória”, disse o autor do gol depois de receber o prêmio de melhor jogador da partida. Posteriormente, aproveitou para dedicar as conquistas ao diretor da seleção, Goran Bunjevcevic.

“Sabíamos que era preciso uma boa atuação e todos estavam dispostos a dar tudo de si. As faltas vinha treinando há algum tempo e ainda bem que na hora certa saiu de forma perfeita. Como capitão desse time, estou muito satisfeito e aproveito para dedicar a vitória e o gol ao diretor Goran Bunjevcevic, que está com problemas de saúde”, completou.

Com três pontos, a Sérvia larga na frente em uma disputa que conta, teoricamente, com Suíça e Costa Rica como forças secundárias do grupo diante do favoritismo do Brasil. Mesmo assim, o camisa 11 freou a empolgação e admitiu já estar pensando no confronto contra a outra seleção europeia do grupo, que medem forças na próxima sexta-feira, em Kaliningrado.

“Tenho certeza que enfrentar a Suíça vai ser muito difícil, mas não podemos querer jogar pelo empate. Queremos ganhar e vamos ver o que nos espera. Esse caráter imprevisível é o melhor do futebol. Agora é justo que a gente comemore uma vitória, mas só um pouquinho!”, brincou Kolarov.



Em sua estreia na Copa do Mundo da Rússia, a Costa Rica não lembrou nem de longe a seleção considerada grande sensação do Mundial do Brasil, em 2014, quando terminou entre as oito melhores. Quatro anos depois, o time, agora comandado por Óscar Ramirez, teve uma tarde ruim e sucumbiu a atuação consistente do time da Sérvia para sair de campo derrotada por 1 a 0.

Na entrevista coletiva após o jogo, o treinador costa-riquenho teve a impressão de um jogo equilibrado, no qual uma fatalidade determinou o vencedor e o perdedor, algo que poderia acontecer de ambos os lados. Questionado sobre a postura de seus comandados, elogiou o cumprimento à risca da estratégia de jogo planejada anteriormente, utilizando a força dos jogadores de lado.

“Eu penso que foi um jogo bastante equilibrado, com um placar que demonstra isso. Nós deveríamos ter capitalizado nossas oportunidades da maneira como eles fizeram, mas não foi assim. Tivemos nosso plano de jogo e nossas estratégias desempenhadas como era esperado, tentando atacar pelos lados. Fizemos de tudo para não fazer nada de diferente, mas sofremos uma fatalidade, um gol de falta. O que podemos fazer?”, questionou Ramirez.

Apesar da derrota e logo de início uma situação desconfortável no grupo, o treinador não se deixou abalar e manteve firme a confiança de que seu time pode avançar para as oitavas de final. Ao mesmo tempo, ponderou que os próximos adversários, Brasil e Suíça, são de extrema dificuldade.

“Nós vamos jogar contra duas grandes seleções nas próximas duas rodadas, a segunda e a sexta de acordo com o ranking da Fifa (Brasil e Suíça). Vai ser difícil, muito, mas eu disse ao meus jogadores apenas para que acreditem, porque não tem nada acabado”, disse Óscar Ramirez.

Na próxima sexta-feira, a Costa Rica viaja até São Petersburgo, onde mede forças com a Seleção Brasileira, a partir das 9h (de Brasília). Já dia 27, em Nizhny Novgorod, o adversário da vez é a Suíça, às 15h (de Brasília).