Neymar chega de helicóptero à Granja Comary - Gazeta Esportiva
Copa América Copa América

Neymar desembarcou neste sábado no Rio de Janeiro e chegou de helicóptero à Granja Comary, local onde a Seleção está concentrada para preparação para a Copa América. O jogador foi liberado pelo Paris Saint-Germain na última sexta-feira, dia que marcou o final da temporada para o clube francês.

Dessa forma, Neymar se juntou aos outros oito atletas que já se apresentaram no Rio de Janeiro. Além do atacante, Ederson, Filipe Luís, Casemiro, Fernandinho, Allan, David Neres, Richarlison e Gabriel Jesus já estão na Granja Comary.

O treinamento deste sábado está programado para iniciar às 16h. Tite ainda terá de aguardar partidas do futebol brasileiro, além da final da Liga dos Campeões, para poder contar com o grupo completo de jogadores.



No primeiro amistoso antes da Copa América, no dia 5 de junho contra o Catar, a Seleção Brasileira não poderá contar com Alisson, que disputará a final da Liga dos Campeões no dia 1º ao lado do atacante Roberto Firmino. Por isso, Ederson será o titular da equipe e terá a oportunidade de mostrar serviço a Tite.

O próprio jogador do Manchester City confirmou que enfrentará o Catar em coletiva nesta sexta-feira, na Granja Comary. “Tite já confirmou que vou jogar o próximo amistoso pelo Alisson estar na final da Champions”, disse o goleiro. “O futebol é o grupo, em qualquer momento qualquer jogador pode entrar em campo”.

Ederson foi campeão inglês pelo Manchester City (Foto: Mauro Pimentel/AFP)

O arqueiro exaltou o desempenho dos goleiros brasileiros no Campeonato Inglês, no qual Ederson e Alisson foram os dois melhores da posição. “Foi um campeonato fabuloso, muito disputado. Teve um sabor a mais pelo que proporcionou ao longo da temporada”.

Ederson e Alisson foram os dois principais goleiros do futebol inglês na temporada. Pelo campeão inglês Manchester City, Ederson disputou 55 jogos e não sofreu gol em 28. Enquanto isso, o finalista da Liga dos Campeões Alisson disputou 50 jogos pelo Liverpool e não sofreu gol em 26.

Em preparação para a Copa América, o Brasil terá dois amistosos no início de junho. No dia 5, às 21h30 (de Brasília), a Seleção enfrenta o Catar no Estádio Mané Garrincha, em Brasília. Já no dia 9, às 16 horas, os comandados de Tite enfrentam Honduras no Beira-Rio, em Porto Alegre. A estreia na Copa América será no dia 14, contra a Bolívia no Estádio do Morumbi, em São Paulo.



Jovens destaques brasileiros no futebol europeu, David Neres e Richarlison tem muita coisa em comum. Jogando em equipes secundárias da Europa, os dois atacantes de 22 anos vivem a expectativa de disputar seu primeiro campeonato com a Seleção Brasileira, a 49ª edição da Copa América.

Competindo por uma das três vagas no ataque de Tite, os atletas comentaram a disputa em entrevista coletiva realizada nesta sexta-feira, no segundo dia de treinos da Seleção Brasileira.

“Acho que vai do que a equipe precisar, do que o treinador precisar, mas ele (Richarlison) é um jogador mais forte, de bom cabeceio, também de velocidade”, analisou Neres.

“Eu acho que tenho mais velocidade, características diferentes porque sou canhoto também, acho que isso é uma coisa boa porque sou só eu de canhoto no ataque, então isso pode fazer a diferença”, concluiu o atacante do Ajax.

Destaque no Everton da Inglaterra, Richarlison encheu a bola do companheiro e reiterou o foco na competição continental. “É uma briga muito boa, até porque ele fez uma bela competição na Holanda e na Champions League. Eu me dou super bem com ele, é uma amizade que já vem desde o Sul-Americano sub-20″, comentou.

“A gente vai treinar, dar o máximo nos treinamentos e cabe ao professor decidir quem vai jogar ou não. Estou aqui para fazer o meu melhor na hora que o professor participar”, concluiu Richarlison.



Mais um convocado se juntou ao grupo da Seleção Brasileira nesta sexta-feira. O volante Allan se apresentou nesta tarde na Granja Comary, onde os comandados de Tite farão a preparação para a Copa América.

No desembarque no Rio de Janeiro, o atleta do Napoli comemorou a oportunidade de vestir a camisa da Seleção em solo brasileiro.

“Sem dúvida é um privilégio essa oportunidade. É um sonho de criança vestir a camisa  da Seleção aqui no Brasil, onde os torcedores amam o futebol. Vai ser um grande prazer”, disse.

A Copa América será a primeira competição oficial de Allan com a amarelinha. Ele esteve presente nas convocações pós-Copa do Mundo da Rússia, mas apenas para amistosos. O volante falou sobre essa oportunidade e mostrou-se muito feliz com o chamado de Tite.

“É uma oportunidade maravilhosa. Disputar uma Copa América dentro do Brasil é uma coisa grandiosa. Sem dúvida estou muito feliz de estar aqui desfrutando deste momento e espero estar mais feliz ainda no final da competição”, comentou.

Os atletas que não têm mais calendário pelas suas equipes, na Europa, começaram a se apresentar mais cedo à Seleção Brasileira. Isso acontece por um pedido da comissão técnica, para que os atletas não fiquem muito tempo em inatividade.



A Seleção Brasileira foi mais uma vez a campo nesta sexta-feira, na Granja Comary, para dar continuidade a sua preparação para a 49ª edição da Copa América. Ainda com elenco reduzido, Tite trabalhou com os oito atletas que já se apresentaram em Teresópolis.

Pela manhã, o lateral do Atlético de Madrid Filipe Luís e o goleiro do Manchester City Ederson realizaram trabalhos físicos na academia.

À tarde, os jogadores se reuniram no campo para um trabalho voltado a movimentação ofensiva da equipe. Nos últimos cinco amistosos da Seleção, a equipe de Tite só anotou mais de um gol em uma oportunidade.

Os jogadores também realizaram atividades de toque de bola, com seis atletas tentando passar a redonda e dois buscando o desarme. Allan, que se apresentou na manhã desta sexta-feira à Seleção, treinou normalmente com os colegas.




Passados os testes, a Seleção Brasileira vai em busca de um padrão na reta final de preparação visando a Copa América, que acontece em solo nacional entre os dias 14 de junho e 7 de julho. Depois de testar atletas e promover novidades, o técnico Tite e sua comissão técnica aposta na continuidade para tentar apagar a imagem deixada na Copa do Mundo e conquistar o continente.

Na última quinta-feira, em entrevista coletiva concedida na Granja Comary, o auxiliar Cleber Xavier comentou sobre o estágio de preparação do time e afirmou que a busca nas próximas semanas é por um padrão. Além disso, o membro da comissão técnica disse já ter um time titular em mente para a estreia diante da Bolívia, dia 14, no Estádio do Morumbi.

“A ideia nos amistosos pós-Copa era dar oportunidade e observar alguns atletas. Nos últimos amistosos, era dar continuidade e padrão. Não pudemos fazer isso por algumas questões, lesões e tal. Tivemos que ampliar essa etapa. Nesse momento, não podemos trabalhar da mesma maneira. Agora é o padrão, não podemos mexer muito”, disse na Granja Comary.

Antes da Copa América, disputada no Brasil, a Seleção ainda terá mais dois compromissos dentro de seus domínios. No dia 5 de junho, em Brasília, no Estádio Mané Garrincha, a Seleção enfrentará pela primeira vez o Catar. Quatro dias depois, o compromisso será diante de Honduras no Beira-Rio, em Porto Alegre. A oportunidade de estar ao lado da torcida, inclusive, foi exaltada pelo auxiliar.

“Eu sou muito positivo, a gente teve um caso parecido que foi o jogo contra a Argentina pelas Eliminatórias, que foi no Mineirão, estádio que não trazia boa lembranças. E fizemos um grande jogo, o que para nós foi importante. Temos que nos fortalecer mentalmente. Para nós é uma honra disputar uma copa da grandeza da Copa América, é o segundo torneio de países mais importante”, finalizou.

Cabeça de chave do Grupo A, o Brasil terá pela frente a Bolívia na abertura da 46ª edição da Copa América, dia 14 de junho, no Morumbi, em São Paulo. Depois, Tite e seus comandados medirão forças com a Venezuela, dia 18, na Arena Fonte Nova, em Salvador, e Peru, na Arena Corinthians, também na capital paulista, no dia 22.



A edição do Campeonato Sul-Americano realizado em 1925 na Argentina foi uma das menores já feitas. Além da anfitriã, apenas duas seleções participaram: Brasil e Paraguai. Mas isso não impediu a confusão e a violência na partida decisiva entre os brasileiros e os argentinos. No fim, melhor para os albicelestes, que conquistaram o segundo caneco. Já a Seleção Brasileira, por conta da confusão, foi impedida pelo Ministério das Relações Exteriores de realizar qualquer partida internacional até 1928.

Antes da reformulação e da mudança do nome da competição para Copa América em 1975, o Sul-Americano era disputado em uma espécie de pontos corridos: todos os times se enfrentavam uma vez e o melhor colocado ao final era o campeão. Decidiram fazer esta edição de 1925 em dois turnos por ter apenas três seleções presentes.

Apesar de vencer as duas partidas contra o Paraguai, a Seleção Brasileira perdeu a primeira contra a Argentina por 4 a 1. Os jogadores brasileiros foram para o último jogo com os hermanos precisando ganhar para forçar um duelo extra.

Surpreendentemente, o Brasil conseguiu abrir 2 a 0. Mas, em uma bola lançada para o craque Arthur Friedenreich que o deixou livre para marcar, o zagueiro argentino Muttis deu uma entrada desleal por trás. Fried revidou com um pontapé. A partir disso, a briga se tornou generalizada. Até torcedores argentinos invadiram o campo para agredir os atletas brasileiros e os chamarem de “macaquitos”.


Apaziguados os ânimos, a partida foi restabelecida, mas os brasileiros estavam desestabilizados. Não conseguiram aguentar a pressão argentina e cederam o empate. Dessa forma, a Argentina conquistou mais um troféu e o Brasil, seu segundo vice.

Alguns protestos de brasileiros ocorreram por conta da violência deste episódio. O Itamaraty (Ministério das Relações Exteriores) chegou à conclusão de que essas partidas entre seleções estavam prejudicando as relações do Brasil com outros países. Por isso, a Seleção Brasileira ficou sem jogar campeonatos ou partidas amistosas com outras seleções de 1925 a 1928.



Após o anúncio dos 23 convocados que irão defender a Seleção Brasileira na Copa América, disputada em solo nacional entre os dias 14 de junho e 7 de julho, um dos nomes que ficaram de fora  mais comentados foi o de Lucas Moura. Formado no São Paulo, o atacante protagonizou uma grande atuação na semifinal da Liga dos campeões com o Tottenham, mas foi preterido por Tite.

Nesta quinta-feira, o auxiliar do técnico da Seleção, Cleber Xavier, concedeu entrevista coletiva na Granja Comary e explicou a ausência do atacante na lista. Segundo ele, a atuação diante do Ajax na virada é para ser exaltada, mas também é normal que nomes importantes fiquem de fora.

“Foi uma grande atuação do Lucas, uma busca do resultado que ninguém imaginava. Às vezes ficam alguns jogadores fora (da convocação), faz parte do futebol brasileiro e da qualidade dos jogadores que temos. O próprio Lucas não havia sido citado antes e foi citado a partir daí”, disse o auxiliar.

“Quanto ao jogo Ajax x Tottenham, foi um grande jogo. O Ajax foi superior no primeiro tempo, mesmo sem o David Neres (lesionado). Acredito que se ele estivesse no jogo, o Ajax seria mais superior ainda. Mas Pochettino foi feliz na alteração no segundo tempo com a entrada do Llorente no pivô, e o Lucas estava numa noite iluminada. Três gols de pé esquerdo, de finalização, de último homem”, analisou Cleber.

Assim como Tite, seu auxiliar também ressaltou nesta quinta-feira a dificuldade para a definição da lista para a Copa América. “Essa foi uma das convocações mais difíceis pelo número de atletas que surgiram. A gente fica feliz com isso. Mas incomoda o fato de termos que deixar sempre um, dois ou três atletas fora que mereceriam estar aqui. Isso é o mais difícil”, finalizou.

Cabeça de chave do Grupo A, o Brasil terá pela frente a Bolívia na abertura da 46ª edição da Copa América, dia 14 de junho, no Morumbi, em São Paulo. Depois, Tite e seus comandados medirão forças com a Venezuela, dia 18, na Arena Fonte Nova, em Salvador, e Peru, na Arena Corinthians, também na capital paulista, no dia 22.



A Seleção Brasileira realizou nesta quinta-feira seu primeiro treinamento com foco na Copa América. Reunido na Granja Comary, o grupo de jogadores terá 22 dias para se preparar para a competição continental. Um dos principais objetivos da comissão técnica neste período será ajustar detalhes e aprimorar o modelo de jogo que Tite quer ver em campo.

O treinador quer ver uma equipe que controle as ações da partida, tendo principal mecanismo a posse de bola. Nos últimos oito jogos disputados, por exemplo, o Brasil teve 64% de posse de bola e 617 passes completados em média. Além disso, Tite quer que o time seja incisivo no ataque, com um número elevado de finalizações. Dessa forma, os exercícios que serão colocados em prática nas sessões de treinamento serão formuladas a partir dessas necessidades estabelecidas pelo comandante.

Uma característica a ser destacada no grupo de jogadores convocados para a Copa América é a redução da média de idade em relação aos atletas que disputaram a Copa do Mundo de 2018. O número médio caiu de 28,1 para 27,2. Enquanto o time terá jogadores experientes como Daniel Alves, Thiago Silva, Miranda e Filipe Luis, oito nomes disputarão um torneio oficial pela Seleção Principal pela primeira vez.

Para decidir quais seriam os jogadores selecionados disputar a Copa América, Tite testou um total de 44 jogadores nas convocações dos últimos oito amistosos. Nesse período pós-Copa, o Brasil teve sete vitórias e um empate, com 92% de aproveitamento. O destaque foi a defesa, que tomou apenas um gol, enquanto o ataque marcou 16 gols.