COPA DO MUNDO 2018 RÚSSIA

A lista anunciada por Tite com os 23 jogadores que iriam compor a delegação do Brasil na Copa do Mundo não reservou grandes surpresas, mas nem por isso se tornou unanimidade. Aliás, é improvável uma convocação em que nenhum nome seja contestado. Na Rússia, essa alcunha cabe a Taison, a alternativa experiente apesar da aparência jovem. Formado nas categorias de base do Internacional, o atacante do Shakhtar Donetsk chega sem grande alarde como as grandes estrelas, contestado por parte da torcida, mas respaldado e como o jogador mais conhecido de Tite entre os chamados. Entre seus trunfos: a consciência tática.

Natural de Pelotas, no Rio Grande do Sul, o camisa 21 do Brasil no Mundial nunca teve sobre si os mesmos holofotes dos, hoje, companheiros de amarelinha. O início da careira foi da mesma forma como a maioria dos “normais”, com recusas e dispensas, uma delas, inclusive, do próprio Internacional, de onde o destino, ou o futebol, se encaminhou de recolocá-lo no futuro próximo. Foi vestindo a camisa do Progresso Futebol Clube que veio a primeira grande atuação ao nível de despertar o interesse do Colorado, onde realizou sua formação antes de, em 2008, estrear pelo time profissional comandado por ninguém menos que Tite.

Foi com o atual treinador da Seleção Brasileira, contratado na época sob tanta contestação quanto a convocação de seu atual comandado, que Taison ganhou as primeiras chances e conquistou seus primeiros títulos. Antes do início da parceria, o atacante já havia sido campeão gaúcho, em 2008, conquista que foi repetida no ano seguinte, junto com a da Copa Sul-Americana. Em outubro de 2009, entretanto, Tite deixou o Colorado no momento em que seu, hoje, convocado começou a ganhar destaque ao nível de ter boa participação na campanha vitoriosa da Copa Libertadores de 2010.

O título continental rendeu ao atacante número 21 da Seleção Brasileira a primeira experiência no futebol europeu, vestindo a camisa do Metalist, da Ucrânia. A passagem acabou destacada apenas em âmbito individual, com 83 partidas disputadas, 20 gols, 23 assistências, sem títulos, mas com o reconhecimento para, em 2013, acertar sua transferência apenas de clube, para o mais brasileiro dos ucranianos: Shakhtar Donetsk, clube onde atua até hoje.

Com o alto nível de atuação vieram não apenas conquistas como os tetracampeonatos Ucraniano, da Taça local e da Supertaça, mas também a reedição da parceria que tenta confirmar na Rússia seu retrospecto vitorioso. Em sua primeira convocação pela Seleção, Tite levou Taison consigo e deu ao atacante minutos em campo contra o Equador, pelas Eliminatórias da Copa. Desde então, as críticas de nada foram levadas em consideração pelo treinador, que manteve a confiança em seu “velho conhecido”, estreante em Mundiais.





Não é incomum ver nas manchetes de jornais pelo mundo o nome de Willian Borges da Silva, atualmente jogador do Chelsea. Revelado ainda pequeno pelo Corinthians, onde ficou por quase uma década e consagrou-se como uma das transferências mais caras do clube paulista, ele logo rumou para a Europa, onde permaneceu por seis anos no Shakhtar Donetsk, da Ucrânia, e teve uma breve passagem pelo russo Anzhi Makhackala, antes de ir para o clube inglês.

No Blues, ele conquistou o destaque necessário para entrar no radar de Luís Felipe Scolari, técnico da Seleção Brasileira na Copa do Mundo de 2014, quando acabou sendo convocado (ele já havia chamado a atenção antes e, inclusive, marcou seu primeiro gol com a camisa canarinha em 2013, em amistoso contra Honduras). Mesmo remanescente do fatídico 7 a 1 diante da Alemanha, Willian é um dos jogadores mais bem avaliados desde então, ainda que no Chelsea de Antonio Conte, dependendo do esquema proposto, não tenha sido titular absoluto na última temporada.

Mesmo assim, o meia-atacante de 29 anos, que é natural de Ribeirão Pires, na região metropolitana de São Paulo, deixou para trás companheiros como Hazard, Morata e Giroud, e conquistou o prêmio de melhor jogador do ano pela equipe londrina em evento interno – além do gol mais bonito (em 2017-8). Na Seleção, esteve presente nas passagens de Felipão e Dunga, mas ainda não era unanimidade. Atualmente, deixou algumas dúvidas para trás: desde o final do Mundial de 2014, é o jogador que mais atuou com a amarelinha.

Pela carreira, de Corinthians à Seleção Brasileira, foram 16 títulos no total, com destaque para a Copa da UEFA vencida pelo Shakhtar Donetsk em 2009, primeiro título de expressão continental do clube, e três premiações individuais: melhor jogador do Campeonato Ucraniano de 2011, componente da equipe da fase de grupos da Liga dos Campeões em 2015-16 e jogador do ano pelo Chelsea na mesma temporada.

Com estilo fluente, dribles e alguns gols de fora da área, antes ele era o 12º homem de confiança de Tite, mas agora faz parte do plano A, completando o quarteto ofensivo junto de Neymar, Gabriel Jesus e Philippe Coutinho, e permanece sendo uma das grandes apostas entre os titulares. Desde sua estreia na Seleção, em 2011, já foram 57 aparições e oito gols anotados.




A Seleção Brasileira treinou pela primeira vez em solo russo nesta terça-feira com portões abertos ao povo local. Contando com a arquibancada lotada em boa parte por crianças, Tite deu início ao último estágio de preparação do Brasil para a estreia na Copa do Mundo e viu até mesmo um jovem torcedor invadir o campo para tentar algum contato com os jogadores. Fred, mais uma vez, não participou dos trabalhos com o restante do elenco.

Após sofrer uma pancada no tornozelo direito no treino da última quinta-feira, o agora volante do Manchester United foi poupado das atividades seguintes e acabou ficando de fora do amistoso contra a Áustria, em Viena. Havia a expectativa de que Fred pudesse retornar normalmente nesta terça, no entanto, ele se limitou aos trabalhos com os fisioterapeutas.

A “estreia” da Seleção Brasileira em Sochi também teve Fagner e Philippe Coutinho como vítimas de seus companheiros. O lateral-direito do Corinthians, que completou 29 anos na última segunda-feira, recebeu ovadas do elenco, assim como o meia-atacante do Barcelona, aniversariante do dia.

Voltando de um dia folga concedido pela comissão técnica, os jogadores foram divididos em dois grupos no treino desta terça. Os titulares fizeram um trabalho mais leve, uma vez que a maioria deles atuou em boa parte da última temporada europeia e estão sujeitos a um desgaste maior. Enquanto isso, os reservas participaram de atividades de ataque contra defesa com a participação dos goleiros.

Muitos dos ingressos do treinamento aberto em Sochi foram entregues a crianças de escolas locais. Um dos garotos até conseguiu invadir o gramado na tentativa de registrar o encontro com alguma das estrelas brasileiras, porém, foi contido pelos seguranças e retirado do campo.

Ao final do treino, os jogadores foram até o público distribuir autógrafos e retribuir o carinho recebido em seu primeiro treino na Rússia. A Seleção Brasileira volta a trabalhar nesta quarta-feira, quando terá treinamentos em dois períodos, às 9h e 16h do horário local, 3h e 10h (de Brasília).



Nesta terça-feira, dia do primeiro treino da Seleção Brasileira em solo russo, o técnico Tite pode, enfim, contar com seus 23 convocados. Após 22 dias de preparação para a Copa do Mundo, o comandante do Brasil ainda não teve todo o elenco à sua disposição por conta das lesões de Fagner, Douglas Costa, Renato Augusto e, mais recentemente, Fred.

Ex-jogador do Shakhtar Donetsk, Fred, que assinou um contrato válido por cinco temporadas com o Manchester United na semana passada, sofreu uma pancada de Casemiro no tornozelo direito durante o treinamento da última quinta-feira e ainda não voltou às atividades. Ele, inclusive, não foi relacionado para o amistoso contra a Áustria, no último domingo, em Viena.

Neste mesmo dia em que Fred sofreu um pequeno trauma, Renato Augusto até voltou a treinar com bola ao lado de seus companheiros, porém, apareceu em campo na segunda parte da atividade, fechada à imprensa, em que o volante já não estava mais presente.

Fred assinou há uma semana um contrato milionário com o Manchester United (Foto: Lucas Figueiredo/CBF)

Durante a primeira fase de preparação da Seleção Brasileira, na Granja Comary, em Teresópolis, Fagner e Douglas Costa não participaram dos treinos com bola junto aos demais companheiros por conta de lesões musculares. O lateral-direito do Corinthians se apresentou com uma contusão de grau 2 no músculo posterior da coxa direita. Já o atacante da Juventus teve um prejuízo semelhante, mas na coxa esquerda.

A dupla, no entanto, correspondeu muito bem aos tratamentos e voltaram a atuar sem limitações em Londres, no CT do Tottenham. Enquanto Douglas Costa e Fagner reforçavam o forte elenco verde e amarelo, foi a vez de Renato Augusto virar preocupação para o departamento médico e comissão técnica ao reclamar de algumas dores no joelho esquerdo.

O volante, tido como um dos homens de confiança do treinador da Seleção Brasileira, teve de abrir mão da viagem a Liverpool, local do amistoso contra a Croácia, para trabalhar exclusivamente com o fisioterapeuta Bruno Mazziotti, velho conhecido dos tempos de Corinthians. O sacrifício surtiu efeito e após seis dias recluso o camisa 8 voltou a aparecer em campo.

Agora, com a possibilidade de Fred voltar aos treinos nesta terça-feira, a expectativa de Tite em ter todos os seus atletas à disposição faltando apenas dois dias para o início da Copa do Mundo é inevitável. Basta saber se haverá novos percalços e se eles irão manter a rotina intensa de trabalho do departamento médico ou forçarão o treinador do Brasil a abrir mão de mais um atleta convocado por conta de problemas físicos após o corte de Daniel Alves.



Uruguai iniciou preparação na Rússia nesta segunda-feira (Foto: MARTIN BERNETTI / AFP)

A segunda-feira marcou o começo da preparação uruguaia em solo russo para a disputa da Copa do Mundo. Trabalhando em período duplo, com treinos de manhã e pela tarde, o Uruguai realizou os primeiros treinamentos no país-sede do Mundial.

Em Nizhny Nóvgorod, os comandados de Óscar Tabárez iniciaram o dia na parte interna do centro de treinamentos, realizando trabalhos físicos.

Logo depois, os uruguaios foram ao campo e treinaram a parte de condicionamento, fazendo exercícios físicos com José Herrera, membro da comissão técnica. Além disso, os atletas praticaram atividades em campo reduzido e finalizações à longa distância.

Os comandados de Óscar Tabárez voltarão aos gramados de Nizhny Nóvgorod nesta terça-feira, novamente em período duplo, dando continuidade à preparação.

A estreia do Uruguai na Copa do Mundo deste ano está prevista para esta sexta-feira, em Ecaterimburgo, às 09h00 (horário de Brasília). A Celeste integra o Grupo A do Mundial, junto do Egito, primeiro adversário, da anfitriã Rússia e da Arábia Saudita.



Manuel Fernandes analisou abordagem necessária na Copa do Mundo (Foto: PATRICIA DE MELO MOREIRA / AFP)

Na primeira entrevista coletiva organizada por Portugal já em solo russo, onde a equipe disputará o Grupo B da Copa do Mundo, junto de Espanha, Irã e Marrocos, o jogador Manuel Fernandes enfatizou a importância do duelo contra os espanhóis e destacou que a seleção portuguesa necessita de uma abordagem mais ofensiva para o confronto.

“Se formos para o encontro inaugural a pensar e jogar para empatar – coisa que Portugal não faz -, a derrota será mais provável. É um jogo muito importante e podemos sair muito reforçados frente a uma equipe candidata a ganhar o Mundial e também o grupo”, analisou.

O atleta também aproveitou para destacar a meta traçada pelo comandante Fernando Santos, tendo a Copa do Mundo em vista. “O nosso objetivo será vencer todos os jogos do grupo e a partir daí veremos o que fazer mais lá para a frente”, completou.

Por fim, Manuel Fernandes, que defende o Lokomotiv Moscou desde 2014, terminou a entrevista coletiva falando em russo e destacando que a influência de Cristiano Ronaldo e suas atuações pelo clube local devem fazer com que os russos adotem Portugal como “segunda equipe”.

“Esperamos contar com o apoio do povo russo”, finalizou o jogador. Portugal faz sua estreia no Mundial de 2018 justamente contra a Espanha, às 15h00 (horário de Brasília) desta sexta-feira.



Dono de uma posição no time titular da Seleção para a Copa do Mundo, Gabriel Jesus considera prematuro falar sobre a possibilidade de ganhar a condição de ídolo. O jogador do Manchester City, autor de um gol no recente triunfo sobre a Áustria, é o artilheiro da equipe na gestão Tite.

“É muito cedo para falar em ser ídolo. Ainda preciso fazer muita coisa para atingir esse status”, afirmou o atleta em entrevista à revista GQ. Autor de 10 gols em 17 partidas sob o comando de Tite, ele lidera a lista, à frente de Neymar (9) e Paulinho (7).

Com um gol de Gabriel Jesus, a Seleção Brasileira venceu a Áustria por 3 a 0 no último amistoso antes da Copa do Mundo da Rússia, realizado no domingo. Após a partida disputada em Viena, a delegação seguiu para Sochi, que será a base durante o torneio.

Os atletas apenas descansaram no primeiro dia de estadia na Rússia e iniciam os treinamentos nesta terça-feira. O meia Fred, em recuperação de uma pancada no tornozelo direito, deve retomar os trabalhos com o restante do grupo ao longo da semana.

Às 15 horas (de Brasília) deste domingo, em Rostov, a Seleção Brasileira entra em campo para enfrentar a Suíça. O time deve jogar com Alisson; Danilo, Thiago Silva, Miranda e Marcelo; Casemiro; Willian, Paulinho, Philippe Coutinho e Neymar; Gabriel Jesus.