Gazeta Esportiva

Ministra belga ostenta braçadeira ‘One Love’ ao lado de Infantino

AFP - São Paulo,SP

23/11/22 | 21:50 - 23/11/22 | 22:20

A ministra belga de Relações Exteriores, Hadja Lahbib, usou a braçadeira “One Love” - concebida como protesto contra a discriminação da comunidade LGBTQIA+ - nas tribunas durante o primeiro jogo de seu país na Copa do Mundo 2022, que venceu o Canadá por 1-0 nesta quarta-feira (23).

Sete seleções europeias, entre elas a da Bélgica, pretendiam ostentar essa braçadeira nas partidas, mas as ameaças de sanções por parte da Fifa as fizeram recuar.

Lahbib estava na tribuna de honra do estádio durante a partida Bélgica x Canadá, junto com as demais autoridades, entre elas o presidente da Fifa, Gianni Infantino.

“Gianni Infantino me explicou por que havia decidido não permitir que os Diabos Vermelhos usassem a braçadeira One Love, de acordo com as regras da Fifa. Essas regras não se aplicam nas arquibancadas. Tirei minha jaqueta e mostrei minha braçadeira”, contou ao canal francófono belga RTBF.


“Acho que é um gesto forte simbolicamente, que a Bélgica tinha que dar essa mensagem. Eu sei que Eden Hazard (o capitão da Bélgica) gostaria de usá-la em campo”, acrescentou.

O governo belga não previa inicialmente representação oficial nos estádios até uma possível semifinal, mas Lahbib insistiu em ir até lá no início do torneio, ter “conversas francas” com a diplomacia do Catar e “defender os direitos humanos”.

Em outra partida desta quarta-feira, os jogadores titulares da Alemanha cobriram a boca com a mão simulando uma mordaça durante a foto oficial da seleção, momentos antes de seu duelo com o Japão, que venceu o jogo por 2-1. Aparentemente, foi sua forma de denunciar a posição da Fifa com relação à braçadeira.

A ministra alemã do Interior, Nancy Faeser, também esteve nas arquibancadas do jogo de sua seleção usando a braçadeira inclusiva.

Deixe seu comentário