COPA DO MUNDO 2018 RÚSSIA

Alemães terão uma boa recompensa caso defendam o título mundial (Foto: Sergio Barzaghi/Gazeta Press)

A seleção alemã irá à Rússia no ano que vem com ambição de conquistar o bicampeonato e, consequentemente, seu quinto título mundial. Nesta quarta-feira a Federação local (DFB) anunciou que os jogadores que vão compor o elenco em 2018 podem receber R$ 1,3 milhão cada, caso voltem para casa novamente com o título em mãos.

O bônus ou “bicho”, como é conhecido no Brasil, começará a ser pago a partir das quartas de final, estágio em que cada atleta poderá receber R$ 285 mil. Daí em diante o valor aumenta. Se chegarem à semifinal, serão agraciados com R$ 475 mil. Se disputarem o terceiro lugar, contarão com R$ 570 mil. Caso se classifiquem novamente à decisão mas não fiquem com o título, irão receber R$ 760 mil.

O estímulo considerável da Federação Alemã de Futebol tem uma explicação. Apenas duas seleções conseguiram conquistar o bicampeonato mundial: Itália nas duas primeiras Copas do Mundo (1934 e 1938) e Brasil (em 1958 e 1962).

Tida como uma das seleções cotadas ao título na Rússia, a Alemanha desta vez terá uma concorrência mais forte do que na Copa de 2014. O Brasil chega como o grande favorito para erguer a taça após uma reconstrução com o técnico Tite à beira do campo. Além disso, os tetracampeões do mundo não contarão com algumas peças importantes, já aposentadas do time nacional, como Bastian Schweinsteiger, Miroslav Klose, Philipp Lahm e Lukas Podolski.



Habituado a usar as mãos para segurar bolas, Manuel Neuer se acostumou a utilizá-las de outra maneira nos últimos meses. O goleiro do Bayern se apoia em muletas desde abril, quando sofreu a primeira das duas fraturas no pé esquerdo. Ainda se recuperando da segunda lesão, o jogador, porém, não teme ficar de fora da Copa do Mundo de 2018, na Rússia.

“Estou absolutamente convencido de que estarei no gol na Copa do Mundo. Na minha opinião, nada se opõe à minha participação no Mundial”, afirmou o titular absoluto da seleção da Alemanha, em entrevista ao jornal alemão Bild.

Titular absoluto, Neuer não joga pela Alemanha desde outubro de 2016 (Foto: AFP)

Em campo apenas quatro vezes nesta temporada, Neuer evitou dizer ao certo uma data para o sua volta aos gramados. Antes de pensar em seu retorno, o atleta pensa em largar as muletas, o que deve acontecer em breve. “Se as radiografias estiverem bem, não terei absolutamente nenhum problema. Quando os médicos autorizarem eu voltarei, mas não vou definir datas. Para mim, seria bom dizer adeus às minhas amigas muletas até o Natal. Seria um bom presente”, apontou.

O goleiro não defende a seleção alemã há mais de um ano (desde outubro de 2016). Antes da Copa, em que terá pela frente a Suécia, a Coreia do Sul e o México, pelo Grupo F, a atual campeã do mundo já tem agendados dois amistosos preparatórios para o torneio. O primeiro acontecerá no dia 23 de março, contra a Espanha, em Dusseldorf. O segundo ocorrerá quatro dias depois, contra o Brasil, em Berlim. Caso se recupere a tempo, Neuer é presença certa nos dois compromissos.



O ex-jogador Ronaldo participou de evento no Jardim Irene, em São Paulo, neste domingo (Foto: Deividi Correa/Ag. News)

O ex-jogador Ronaldo considera o atacante Gabriel Jesus, apesar da pouca idade, preparado para vestir a camisa 9 da Seleção Brasileira durante a Copa do Mundo de 2018. Ciente da responsabilidade que é exercer tal função, o hoje empresário vê o atleta de 20 anos já adaptado no time comandado por Tite.

“Em nenhum momento houve essa dúvida. Ele assumiu muito bem essa condição, tem jogado muito bem com a Seleção Brasileira, fazendo muitos gols”, avaliou Ronaldo, durante evento no campo do Jardim Irene, em São Paulo, neste domingo.

“Ele não sofre nenhum tipo de pressão para fazer o que sabe, uma vez que está fazendo muito sucesso no Manchester (City). Ele é realmente um futuro camisa 9 da Seleção Brasileira por muitos anos”, previu.

Artilheiro do Brasil nas Eliminatórias Sul-Americanas, com sete gols, Gabriel Jesus chegará ao Mundial da Rússia com 21 anos, mesma idade de Ronaldo quando disputou a Copa de 1998, na França, onde marcou quatro gols na campanha do vice-campeonato.

Com a propriedade de quem se destacou jovem com a camisa canarinho, Fenômeno dá conselhos ao ex-palmeirense. “Desejo sorte a ele, porque Copa do Mundo pode mudar a história de um jogador, todos sabem da importância. É contar com uma sabedoria de chegar às vésperas da Copa bem fisicamente e mentalmente para enfrentar esse grande desafio”, completou o artilheiro da Copa de 2002, com oito gols.

Cabeça de chave do Grupo E, o Brasil estreia na Copa do Mundo diante da Suíça em 17 de junho, em Rostov-on-Don. O time pentacampeão mundial, na sequência, tentará garantir a vaga nas oitavas contra Costa Rica e Sérvia, nos dias 22 e 27, respectivamente.



O ex-jogador Ronaldo participou de evento no Jardim Irene, em São Paulo, na manhã deste domingo (Foto: Deividi Correa/Ag. News)

O ex-jogador Ronaldo reiterou neste domingo que a Seleção Brasileira deverá ter facilidade durante a primeira fase da Copa do Mundo de 2018, que será disputada na Rússia. Cabeça de chave do Grupo E, o time canarinho fará sua estreia diante da Suíça e depois tentará confirmar a vaga nas oitavas contra Costa Rica e Sérvia.

“O grupo do Brasil está bem tranquilo, não deveremos enfrentar dificuldades para passar de fase, como primeiro colocado inclusive”, afirmou Ronaldo, durante evento no campo do Jardim Irene, na Zona Sul de São Paulo, nesta manhã.

O Fenômeno prevê que o Brasil se depare com confrontos mais duros apenas na fase de mata-mata. A equipe comandada por Tite, inclusive, pode encarar a Alemanha, algoz de 2014, já nas oitavas de final, desde que uma dessas seleções avance em primeiro e a outra em segundo lugar.

“As fases seguintes serão mais empolgantes. Talvez encontraremos grandes seleções no meio do caminho”, avaliou Ronaldo, confiante em uma boa campanha do Brasil no Mundial da Rússia.

“Estou muito animado, os estádios são lindos, estou ansioso para que chegue logo a Copa. Também estou esperançoso com a Seleção Brasileira, que depois da Olimpíada engrenou uma boa continuidade. O povo brasileiro tem que estar contente e esperançoso com os resultados que poderemos ter durante a Copa”, ressaltou o campeão mundial de 1994 e 2002.

Analisando de forma geral, Ronaldo não vê discrepância entre os níveis das chaves. Para ele, aliás, o Grupo B terá o duelo mais atrativo da primeira fase da Copa.

“Na verdade, a grande maioria dos grupos foram bem equilibrados, talvez tenham uma grande atração só pelo jogo entre Espanha e Portugal, porque existe uma certa rivalidade devido a uma fronteira entre os dois países”, destacou.

Pentacampeã do mundo, a Seleção Brasileira encara a Suíça, em seu primeiro compromisso, em 17 de junho, a partir das 15 horas (de Brasília), em Rostov-on-Don. No dia 22, às 9 horas, o embate é com a Costa Rica, em São Petersburgo. Na última partida da fase de grupos, às 15 horas de 27 de junho, o Brasil enfrenta a Sérvia, em Moscou.



Corintiano perdeu espaço para Danilo, mas acumulou prêmios de destaque no Brasileiro (foto: Fernando Dantas/Gazeta Press)

Presença frequente nas convocações do técnico Tite para a Seleção Brasileira, o lateral direito Fagner perdeu espaço nas últimas listas do seu antigo comandante. De férias, o jogador do Corinthians já se preocupa em ter bom início de temporada em 2018 para recuperar o posto de reserva de Daniel Alves, do Paris Saint-Germain, na Copa do Mundo da Rússia.

“Precisarei estar bem no meu clube. É importante começar o ano bem, da mesma maneira como terminei, sem lesões. Não adianta eu sonhar com a Seleção se não estiver bem preparado para a pré-temporada. Tenho que me cuidar”, disse Fagner, que tem sido preterido por Danilo, do Manchester City. O concorrente agradou na recente vitória por 3 a 1 sobre o Japão, em amistoso disputado em Lille, na França.

Aos 28 anos, o lateral direito corintiano admite que nem sempre foi cauteloso em suas férias. “De uns anos para cá, já venho me cuidando para sofrer menos. Conforme você fica mais velho, é mais difícil. Precisei me conscientizar. São coisas que você, amadurecendo, aprende”, comentou.

Já de olho em 2018, Fagner também não consegue deixar de pensar em 2017. Afinal, a serviço do Corinthians, o lateral direito conquistou o Campeonato Paulista e o Campeonato Brasileiro e acumulou prêmios de destaque em sua posição no futebol nacional.

“Sempre acreditamos no trabalho e sabíamos que poderíamos ter um ano muito bom. É uma felicidade imensa começar uma temporada desacreditado e, com muito trabalho e sabedoria, conseguir reverter. Mostramos o nosso valor dentro de campo e conquistamos dois títulos muito importantes”, celebrou o postulante a defender o Brasil no Mundial.



Ex-zagueiro Roque Júnior encontrou Lúcio e Edmilson no Pacaembu (Foto: Fernando Dantas/Gazeta Press)

Os zagueiros Lúcio, Roque Júnior e Edmilson dividiram o gramado do Pacaembu na noite da última quarta-feira. Reunido para um jogo beneficente promovido pelo GRAAC, o trio titular no pentacampeonato de 2002 manifestou confiança no sucesso do time de Tite no Mundial da Rússia 2018.

“A Seleção cresceu bastante e vem jogando cada vez melhor. Vai muito forte para a Copa do Mundo e, sem dúvida, com grandes chances. É claro que todos os países chegam bem preparados, mas o Brasil tem plenas condições de ser uma das equipes na briga pelo título”, afirmou Lúcio, presente nas Copas de 2002, 2006 e 2010.

Na primeira fase da Copa do Mundo da Rússia 2018, o time comandado pelo técnico Tite enfrenta Suíça, Costa Rica e Sérvia – coincidentemente, o Brasil também enfrentou o país centro-americano em 2002. A exemplo do companheiro Lúcio, Roque Júnior bota fé na Seleção.

“Acho que a chance é boa. Os jogadores já estão bem mais maduros, porque disputaram uma Eliminatória difícil, especialmente no começo. Isso ajuda bastante e credencia o Brasil como um dos favoritos. A chave é sempre complicada, mas há outras mais difíceis que a da Seleção”, analisou.

Com passagens marcantes por Bayer Leverkusen e Bayern de Munique, Lúcio põe Alemanha e Argentina entre os principais adversários do Brasil na Copa do Mundo 2018. Roque Júnior citou as duas mesmas seleções, além de França e Espanha. Sobre a qualidade da zaga de Tite, ambos concordaram.

“O nível da defesa é excelente”, elogiou Lúcio. “Estabilizou bastante. A Seleção, de um tempo pra cá, tem tomado poucos gols. Então, isso dá confiança e facilita. É claro que a defesa não é somente os dois zagueiros, mas sim o conjunto da equipe”, ensinou o veterano, que deseja atuar profissionalmente em 2018.

Na noite da última quarta-feira, aos 39 anos de idade, Lúcio foi adversário de Roque Júnior (41) e Edmilson (41) no gramado do Pacaembu. Já o ex-centroavante Luizão (42), mais um pentacampeão de 2002, acompanhou parte do jogo beneficente da beirada do campo.

“Fazia tempo que não encontrava o Lúcio. O Edmílson, vejo mais. Tivemos uma história muito boa na Seleção. Às vezes, mesmo se você passa um tempo sem ver, quando reencontra parece que não é tanto tempo assim. É muito legal”, descreveu Roque Júnior.



Classificada para a Copa do Mundo de 2018 no apagar das luzes, a Argentina desembarcará na Rússia no ano que vem sedenta pelo título. Além de ter sido vice-campeã no último Mundial, no Brasil, quando perdeu na prorrogação para a Alemanha, o fato de ser a última grande oportunidade de Messi erguer a tão sonhada taça faz com que a Albiceleste chegue ainda mais pressionada na competição. O próprio camisa 10 admitiu que no ano que vem terá sua derradeira grande chance de se sagrar campeão mundial.

“É uma última oportunidade para essa geração, que vem jogando finais e não vem conseguindo se consagrar. Continuamos com a mesma vontade que tivemos no Brasil e na Copa América. Confiamos e temos a vontade de dar o nosso melhor”, disse Messi, recordando as últimas decepções com a camisa da seleção, em entrevista a TyC Sports.

Messi esteve muito próximo de se consagrar em 2014, quando foi vice-campeão mundial (Foto: Fernando Dantas/Gazeta Press)

A Argentina não sabe o que é ser campeã há 24 anos. O último título do futebol do país foi a Copa América de 1993, quando venceu a seleção mexicana com dois gols de Batistuta. Desde então a Albiceleste disputou sete finais: perdeu a Copa Rei Fahd, antiga Copa das Confederações, para a Dinamarca, em 1995, três Copas Américas para o Brasil (2004, 2005 e 2007), uma Copa do Mundo para a Alemanha (2014) e duas Copas Américas para o Chile (2015 e 2016).

“Passamos por um momento difícil na seleção. Não é fácil chegar a três finais e ser tão criticado como fomos. Creio que no meio de tudo isso, tivemos uma crítica fora do normal. Não era só sobre futebol, mas também fora do futebol”, prosseguiu o camisa 10 do Barcelona.

Messi também não escondeu sua insatisfação com a maneira que a Argentina acabou confirmando sua vaga para a Copa do Mundo. A Albiceleste só garantiu presença no Mundial da Rússia na última rodada das Eliminatórias Sul-Americanas, quando venceu o Equador, por 3 a 1, em Quito, após sair perdendo.

“Eu penso que não merecíamos nos classificar dessa maneira. Merecíamos nos classificar antes. Isso não aconteceu porque o futebol é assim, porque um gol muda tudo”, concluiu.



A definição dos grupos da Copa do Mundo de 2018 deu uma grande alavancada no interesse dos torcedores por ingressos. Depois de uma nova fase reaberta na manhã da última terça-feira, a Fifa anunciou que, em menos de 24 horas de comercialização, recebeu mais de 1,3 milhões de solicitações de entradas para os duelos que acontecem por todo o território russo, entre os dias 14 de junho e 15 de julho do próximo ano.

O conhecimento dos grupos, assim como datas e horários dos jogos foi um dos motivos para uma procura tão intensa de ingressos em poucas horas. A fase atual é considerada a primeira etapa da segunda fase de venda de entradas, na qual os torcedores podem escolher os jogos que desejam assistir, com exceção da partida de abertura, que será entre Rússia e Arábia Saudita, e da grande final, realizada no Estádio de Luzhniki, em Moscou.

Busca por ingressos está sendo dividida em quatro fases (Foto: Divulgação)

Do total de 1.318.109 ingressos solicitados, a Rússia aparece como o país com mais pedidos, com cerca de 66% da quantia. Os outros 34% foram pedidos por torcedores de outras localidades, com maior ênfase para Brasil, Argentina, Peru, México, Estados Unidos, Colômbia, Marrocos, Egito, China e Polônia. Vale lembrar que entre os 10 países com mais influência na aquisição de entradas, Estados Unidos e China não garantiram vaga no Mundial.

A atual etapa de venda dos ingressos vai até o dia 31 de janeiro de 2018. Depois desta fase, será realizada uma nova comercialização entre os dias 13 de março e 3 de abril, com a ordem dos pedidos passando a ser considerada. O último período para aquisição de entradas será entre os dias 18 de abril e 15 de julho, por meio do site oficial da Fifa.

Segundo a entidade máxima do futebol mundial, as solicitações realizadas nas duas primeiras etapas serão registradas e não terão limite de cadastros. Caso a procura seja maior que a demanda, a Fifa fará um sorteio para determinar o comprador final do ingresso. As entradas adquiridas devem ser entregues aos responsáveis entre abril e maio de 2018, de forma gratuita.



O técnico Tite conheceu nesta segunda-feira as instalações que a Seleção Brasileira terá à disposição na Copa do Mundo de 2018, em Sochi, balneário no Sul da Rússia. Acompanhado do coordenador de seleções, Edu Gaspar, o comandante da equipe pentacampeã mundial fez uma vistoria completa no centro de treinamento e também no hotel em que a delegação ficará hospedada.

Desde o início a Seleção Brasileira colocou Sochi como prioridade no que diz respeito à cidade em que ficará hospedada durante toda a Copa do Mundo. Além de Tite e Edu Gaspar, o supervisor Luís Vagner também esteve no complexo hoteleiro, e o trio ficou bastante satisfeito com os preparativos para receber o time canarinho.

Uma das requisições do técnico Tite foi que a CBF optasse por um local em que os familiares pudessem ficar próximos dos atletas. Nesta segunda-feira, os gramados em que a Seleção treinará estavam cobertos por uma lona, entretanto, os ajustes nas instalações parecem estar bastante avançados.

O Brasil inicia sua trajetória na Copa do Mundo no dia 17 de junho do ano que vem, domingo, às 15h (de Brasília), contra a Suíça, na cidade de Rostov. Já no dia 22 encara a Costa Rica em São Petesburgo e encerra a fase de grupos contra a Sérvia, no dia 27, em Moscou. O único possível obstáculo da Seleção será a longa distância que percorrerá entre as cidades. Ao todo, o time comandado por Tite deverá viajar cerca de 7000km.



O Grupo B da Copa do Mundo rendeu assunto por reunir a Península Ibérica na disputa por uma vaga para as oitavas de final. Junto com Portugal e Espanha, Irã e Marrocos parecem não ter muitas chances ao lado de duas tradicionais seleções. O treinador português, Fernando Santos, comentou o sorteio e admitiu o favoritismo das representantes europeias.

Fernando Santos, treinador da seleção portuguesa (Foto: Kirill Kudryavtsev/AFP)

“É um sorteio enganador. Desde agora podemos dizer que Espanha é favorita a vencer a Copa do Mundo. Mas Portugal tem que assumir a sua responsabilidade e o favoritismo quando se olha para esse grupo. Mas, quando lemos com outra atenção, vemos que é um grupo difícil”, disse Fernando, que não vê vida fácil em nenhum dos três jogos. “Irã e Marrocos não perderam nenhum jogo nas eliminatórias. O Irã tem um treinador que conhece bem Portugal e todos nos lembramos, no último Mundial, como os jogos dekes foram difíceis para os adversários”, analisou o treinador.

Veja também:
Confira as datas e horários dos jogos da Copa 2018

A briga pelo primeiro lugar no grupo é certa, mas o comandante português sabe que tem um concorrente difícil. “A Espanha é naturalmente favorita, como tenho dito sempre. Não é a primeira vez que o digo nem porque vou defrontar a Espanha. E a Portugal compete-lhe fazer o que tem feito, que é procurar vencer cada jogo.”, completou.

Portugal estreia na Copa contra a Espanha dia 15 de junho, em Sochi, depois pega Marrocos dia 20, em Moscou, e fecha a primeira fase dia 25, em Saransk, contra o Irã.