Simone Biles não vai participar das finais do salto e barras assimétricas

São Paulo, SP

31-07-2021 00:09:59

A ginasta americana Simone Biles não vai participar das finais do salto e barras assimétricas no domingo, anunciou na manhã deste sábado (noite de sexta-feira no Brasil) a Federação Americana de Ginástica.

"Após mais consultas com a equipe médica, Simone Biles decidiu não participar das finais das provas do salto e barras assimétricas. Ela continuará a ser avaliada diariamente para determinar se competirá nas finais para exercícios de solo (terça) e trave de equilíbrio (quarta)", explicou no Twitter a federação.

Biles, de 24 anos, relatou que estava lutando com "demônios na cabeça" e muita pressão para administrar pelas expectativas criadas a respeito de sua participação nos Jogos.

"Assim que eu piso no tablado, sou só eu e a minha cabeça, lidando com demônios em minha cabeça. Tenho que fazer o que é certo para mim e concentrar na minha saúde mental, e não prejudicar minha saúde e meu bem-estar, explicou a americana à imprensa na terça-feira, após interromper sua participação na final da disputa geral por equipes.

' href='https://www.gazetaesportiva.com/wp-content/uploads/imagem/2021/07/30/884bcd06-a937-4587-8cda-f67b4ba21d90-1024x682.jpg' data-thumb='https://www.gazetaesportiva.com/wp-content/uploads/imagem/2021/07/30/884bcd06-a937-4587-8cda-f67b4ba21d90-1024x682.jpg'>

A americana, que conquistou cinco medalhas na Rio 2016, explicou que precisava proteger sua saúde mental e que estava com menos confiança do que antes.

Depois dos Jogos no Rio de Janeiro, Biles tirou um ano sabático. Ela revelou que estava entre as vítimas de agressão sexual do médico da equipe americana de ginástica Larry Nassar, atualmente preso, e se identifica como "uma sobrevivente".

Ela também denunciou publicamente a passividade das autoridades esportivas americanas. "Depois de tudo o que enfrentei com a federação, reencontrar o amor ao esporte e ser simplesmente Simone tem sido um longo caminho", afirmou recentemente.

Thomas Bach, presidente do Comitê Olímpico Internacional (COI), visitou a ginasta em Tóquio na sexta-feira, chamando-a de "corajosa" por falar abertamente sobre seus problemas psicológicos.

Deixe seu comentário