Motor/ Fórmula 1

Governo do Texas reduz investimentos e GP dos EUA pode deixar Austin

São Paulo , SP
11/11/2015 11:31:19 — 11/11/2015 11:36:14

Em: Fórmula 1, Motor
Cortes do governo texano podem tirar o GP dos Estados Unidos de Austin (Foto: AFP)
Cortes do governo texano podem tirar o GP dos Estados Unidos de Austin (Foto: AFP)

O futuro do GP dos Estados Unidos de Fórmula 1 está em xeque. Isso porque o governo do estado do Texas decidiu reduzir drasticamente o subsídio que garante Austin como uma das etapas do campeonato. De 2012 a 2014, as três primeiras edições da prova, a corrida recebeu 25 milhões de dólares por ano, porém em 2015 o governo colaborou com “apenas” 19,5 milhões.

O presidente do Circuito das Américas, Bobby Epstein, confirmou a delicada situação em que ficou o autódromo construído especialmente para o retorno da F1 aos Estados Unidos e reclamou da redução de investimentos por parte do governo.

“Para usar um termo técnico, acho que estamos ferrados. O estado fez promessas. Acredito que fizemos um acordo e cumprimos com ele até o fim. É como se você fosse a um restaurante, pedisse um jantar e, depois de comer, eles alteram o preço”, desabafou Bobby ao jornal American-Statesman.

Na corrida que culminou com o tricampeonato de Lewis Hamilton, em outubro, o Circuito das Américas foi atingido por fortes chuvas provocadas pelo furacão Patricia, que mais tarde se dissiparia ao chegar no México. Segundo Epstein, aquele final de semana foi “devastador financeiramente”.

Enquanto isso, o chefe da F1, Bernie Ecclestone, disse que tal situação tornaria complicada a permanência do Circuito das Américas como sede do GP dos Estados Unidos. “Se isso está alterado, vai ser difícil continuar com a corrida em Austin”, avisou o britânico de 84 anos.

O governo do Texas tem contrato com o Circuito das Américas até 2022. No entanto, políticos e cidadãos são contrários à colaboração financeira do estado na organização do evento.