Motor/ Fórmula 1

Diretor garante que McLaren não tem “plano B” e banca Honda

São Paulo , SP
14/08/2015 11:46:35

Em: Fórmula 1, Motor

A McLaren garante que não tem um “plano B” caso a parceria com a Honda não apresente resultados positivos em um longo prazo. O diretor de corridas da equipe britânica, Eric Boullier, assegurou que a fornecedora de motores japonesa está “empenhada” em permanecer por muitos anos na Fórmula 1 e que o time de Woking fará o que for preciso para que o “casamento” atinja o tão esperado sucesso.

“Nós não temos nenhum plano B”, disse Boullier ao site britânico Autosport. “Cabe a nós garantir que todos trabalhem em conjunto. Como em um casamento, por vezes, há algum estresse, mas seguimos o mesmo caminho. A crença vem do fato de que temos um compromisso de longo prazo e as instalações que eles construíram são incríveis”, acrescentou Boullier.

Após dez corridas, a McLaren ainda não conseguiu alcançar uma boa adaptação do motor Honda ao MP4-30. Falhas, as unidades de potência já atingiram o limite de trocas e novas alterações acarretarão em punições. Até o momento, a equipe somou apenas 17 pontos, sendo 11 deles correspondentes a Fernando Alonso e o restante a Jenson Button.

“Você precisa dar tempo a eles para que resolvam os problemas, para que obtenham experiência e conhecimento, para que comecem um processo. Então, quando tudo estiver pronto, será um sucesso”, analisou o diretor de corridas.

O diretor de corridas Eric Boullier garantiu que não existe plano B para para fornecedores de motor (Foto: McLaren/ Facebook)
O diretor de corridas Eric Boullier garantiu que não existe plano B para para fornecedores de motor (Foto: McLaren/ Facebook)

As duas partes se uniram para a temporada 2015 com a expectativa de repetir a trajetória vitoriosa entre 1988 e 1992, que começou com Ayrton Senna e Alain Prost, vencedores de 15 de 16 corridas em 1988, iniciando a maior rivalidade da história da Fórmula 1. Vinte e três anos depois, a Honda vem tendo dificuldades para desenvolver e tornar os motores V6 híbrido competitivos na McLaren. Dessa forma, Boullier pede paciência antes de criticar o trabalho da fabricante.

“Se você comparer com a década de 1980, o que é errado para mim, poque a Honda se juntou a McLaren (1988) após cinco anos de Fórmula 1, e agora a Honda decidiu retornar. Eles estçao trabalhando com compromisso, uma grande quantidade de recursos, mas começaram há dois anos e isso não é suficiente para se tornar competitivo na Fórmula 1”, explicou.

A próxima chance da McLaren mostrar que pode evoluir e voltar a ser competitiva será no GP da Bélgica, marcado para acontecer entre os dias 21 e 23 de agosto.