Com protesto contra CBV, Osasco arrasa Sesi e é tetracampeão paulista

São Paulo, SP

25-10-2015 11:41:39

Tetracampeão estadual consecutivo. Este é o Vôlei Nestlé/Osasco após ter vencido, na manhã deste domingo, o Sesi-SP, por 3 sets a 0, parciais de 25/16, 25/18 e 25/20, com apoio de sua fanática torcida que lotou o Ginásio José Liberatti. A vitória também significou o 13º título do Campeonato Paulista para a representação osasquense.

Vestidas com camisetas amarelas e com os nomes de suas respectivas mães estampados como forma de homenagem, as comandadas de Luizomar de Moura dominaram toda a partida e sempre se mantiveram à frente no placar.

No primeiro e segundo sets, as anfitriãs foram agressivas ofensivamente e bem postadas na defesa, enquanto as visitantes cometiam muitos erros, apesar da boa partida da campeã olímpica Jaqueline. A terceira parcial foi um pouco mais equilibrada, porém Adenízia, Dani Lins, Camila Brait e companhia brilharam e garantiram o caneco.

A decisão ainda foi marcada pelo protesto dos torcedores contra ranking da Confederação Brasileira de Vôlei (CBV), que pode provocar a aposentadoria da oposto Elisangela, atualmente no Osasco, e que está tendo dificuldades para encontrar uma equipe.

Elisângela teria de deixar o Osasco, já que a CBV não acatou o pedido de diminuir a pontuação da jogadora no ranking anual de 1 para 0 - as equipes não podem extrapolar o máximo de pontos permitido pela entidade na soma de seu elenco. Por isso, os torcedores levaram cartazes com mensagens contra o ranqueamento.

"Eu estou feliz demais, tenho que dar os parabéns para essa equipe, a gente entrou hoje buscando o título e buscando o título para a Elisângela. Eu acho que uma jogadora igual a ela, os clubes não podem decidir por nós. Quem sabe a hora de parar, somos nós, atletas", desabafou Adenízia ao Sportv, criticando a atitude dos clubes, que não aceitaram a redução de pontos no ranking de Elisângela.

"Não são os clubes, não é a CBV, então eu acho que cada clube que falou 'não' tem que repensar, porque a Elisângela foi uma atleta que serviu o Brasil, que serviu o Osasco, Brasília, Macaé, então ela é uma pessoa muito importante. Por favor, clubes, pensem. A Elisângela é um ser humano acima de qualquer coisa", encerrou a central.

Questionada se buscará um diálogo com os clubes que refutaram a proposta da anulação de seus pontos, Elisângela respondeu: "Isso eu ainda não pensei. Foquei na final do Paulista, deixei essas coisas para pensar na próxima semana e vamos ver o que eu consigo resolver, mas acho que o futuro pertence a Deus, está tudo nas mãos dele. Acho que coisas boas estão pra vir aí. Sempre fui uma jogadora que plantou coisas boas, tanto que tenho o carinho das companheiras, agradeço cada uma pelas mensagens, pelo apoio. Se for o encerramento da minha carreira que eu encerre com essa condição técnica que tanto me ajudou", explicou Lili, que foi bronze pela Seleção Brasileira nas Olimpíadas de Sydney, em 2000.

 

Deixe seu comentário