Murray dedica título à treinadora e é elogiado por Djokovic

São Paulo, SP

16-08-2015 23:57:56

Novak Djokovic e Andy Murray erguem os troféus de vice e campeão do Masters 1000 de Montreal (Foto: Minas Panagiotakis/AFP)
Novak Djokovic e Andy Murray erguem os troféus de vice e campeão do Masters 1000 de Montreal (Foto: Minas Panagiotakis/AFP)

Campeão do Masters 1000 de Montreal neste domingo ao vencer o líder do ranking mundial, o sérvio Novak Djokovic, Andy Murray dedicou a conquista à sua treinadora, a ex-tenista Amelie Mauresmo, que no último sábado deu à luz um menino.

Treinando o britânico desde junho de 2014, a francesa mostra que a parceria vem dando resultados: são sete títulos até o momento, sendo os mais importantes os do Masters 1000 de Madrid, conquistado neste ano sobre o espanhol Rafael Nadal, e o de Montreal, neste domingo.

“Eu não sei muitos detalhes”, disse Murray, que virou pai em fevereiro. “Não falei com ela. Imagino que ela esteja bastante cansada. Provavelmente eu e meu tênis são as últimas coisas que passam em sua mente agora, o que é totalmente compreensível”, brincou o escocês, que nesta segunda-feira assumirá o segundo lugar na lista da ATP, empurrando o suíço Roger Federer para a terceira posição.

Em entrevista coletiva após a partida, Murray disse que ficou satisfeito com sua atuação na vitória sobre Djokovic, principalmente por ter sido agressivo durante todo o jogo e pela efetividade em seus saques, que foram fundamentais para desbancar o sérvio.

Djokovic, por sua vez, afirmou que sentiu dores em seu cotovelo direito durante a decisão, mas que isso não fez diferença para o justo triunfo de Murray, que foi elogiado pelo melhor do mundo.

“Isso (dor no cotovelo) não tira os méritos da vitória dele. Ele mereceu. A maioria dos momentos em que ele precisou, o saque funcionou muito bem. No jogo, tive quatro ou cinco chances para devolver a quebra (no terceiro set), mas ele sempre servia bem, então eu não pude fazer muita coisa. Mas foi uma grande semana para mim”, analisou Djokovic.

Com o resultado positivo deste domingo, Andy Murray põe fim a um jejum de mais de dois anos sem vencer Novak Djokovic. A última vitória havia acontecido na final de Wimbledon, em 2013. No retrospecto entre os dois, o britânico soma nove triunfos, dez a menos que o sérvio.

Os dois voltarão à quadra nesta semana para a disputa do Masters 1000 de Cincinnati, onde Federer buscará defender o título.

Deixe seu comentário