Em má fase, Nadal avisa: “É meu pior ano, mas ainda sou perigoso”

São Paulo, SP

30-08-2015 22:22:30

Sem conseguir resultados expressivos em Grand Slams neste ano, o espanhol Rafael Nadal chega confiante para o Aberto dos Estados Unidos. O ex-número 1 do mundo e atual oitavo colocado no ranking mundial afirmou em entrevista coletiva que ainda é um jogador “perigoso” mesmo vivendo a pior fase de sua carreira.

“Estou tendo a pior temporada dos meus últimos 11 anos, mas penso que, apesar de tudo, posso ser um jogador perigoso”, disse o canhoto de Mallorca antes de estrear contra o croata Borna Coric, na noite desta segunda-feira, no último Grand Slam do ano.

“É um jogador jovem, com muita energia e é um grande competidor. Será uma partida complicada, mas sinceramente espero estar bem preparado para jogar”, falou Nadal sobre o jovem de 18 anos e 35º colocado na lista da ATP.

Nadal e Coric se enfrentaram em apenas uma oportunidade. Foi em 2014, quando o croata venceu por 2 sets a 0 pelas quartas de final do ATP 500 da Basileia. “Aquela partida eu perdi, porque ele jogou melhor do que eu. Mereceu vencer aquele jogo. Não me recordo muito, mas sei que joguei muito mal. Espero que nesta segunda-feira a história seja outra, acredito que estou mais bem preparado do que estava naquela ocasião”, contou o espanhol de 29 anos.

“Meu nível de estresse é muito menor que o do início da temporada. Sinto-me melhor comigo mesmo. Como jogador de tênis, me sinto melhor hoje do que há alguns meses. Tenho trabalhado muito, conheço o processo e sei que é um desafio encontrar o nível de jogo que alcancei muitas vezes em minha carreira”, conscientizou-se o campeão do Aberto dos Estados Unidos de 2010 e 2013.

Por fim, o ‘Touro Miura’ comentou sobre uma possível partida contra o sérvio Novak Djokovic, líder do ranking, nas quartas de final em Nova York. “Tenho que trabalhar muito para chegar lá. Ele provavelmente pensa que também deve trabalhar muito para chegar. A coisa mais importante para mim é jogar de novo em alto nível”.

Djokovic, por sua vez, afirmou que Rafael Nadal jamais deve ser descartado da lista de favoritos ao título de um torneio. “Rafa já deu a volta por cima antes e pode fazê-lo de novo. É uma das pessoas que põe mais paixão e esforço em seu trabalho, passa horas na quadra todo dia e se prepara para vencer. Não pode descartá-lo, isso seria um absurdo”, explicou o sérvio, campeão do Aberto dos Estados Unidos em 2011.

Em 2015, Rafael Nadal contabiliza três títulos, sendo que nenhum deles são considerados entre os mais importantes. Após nove meses de temporada, o espanhol ergueu os troféus dos ATPs de Buenos Aires, Stuttgart e Hamburgo.

Deixe seu comentário