Em preparação para Tóquio 2020, ginastas passam por bateria de exames

São Paulo, SP

16-06-2017 13:31:24

Na última semana, 19 ginastas brasileiros passaram por uma bateria de avaliações cientificas. As atividades foram promovidas pelo Laboratório Olímpico, no Centro de Treinamento Time Brasil, na capital carioca. Entre os atletas selecionados pela Confederação Brasileira de Ginastica (CBG) estão os medalhistas olímpicos Arthur Zanetti, Arthur Nory e Diego Hypolito, que se preparam para Tóquio 2020.

“Todos esses equipamentos de ponta à nossa disposição e a bateria de avaliações que passamos contribuirão muito para as pesquisas relacionadas à ginástica”, analisou Arthur Zanetti, ouro nas argolas em Londres 2012 e prata no aparelho no Rio 2016.

Além deles, novatos na modalidade também estiveram na maratona de exames médicos e físicos, que contemplou dez áreas: bioquímica, médica, clínica, termografia, ortopedia, fisioterapia, biomecânica, preparação mental, nutricional e fisiologia.  “Esse trabalho será muito benéfico também para as novas gerações, que já saberão o que fazer, principalmente na prevenção de lesões. Essa bateria de exames é fundamental para termos dados que nos auxiliem a melhorarmos nosso desempenho”, destacou Zanetti.

O objetivo da atividade é fornecer dados científicos e precisos aos treinadores da modalidade, para que assim elaborem um melhor programa de treinamento para os atletas, reduzindo as chances de lesões e melhorando resultados.

“Depois de monitorar os atletas, vamos coletar os dados e repassar os resultados aos treinadores dos clubes para fazermos os ajustes necessários nos treinamentos”, contou Marcos Goto, coordenador técnico das Seleções Brasileiras de ginástica artística. “As avaliações nos ajudam a detectar desequilíbrios musculares e prevenir possíveis lesões. Com o que temos à disposição neste laboratório, temos tudo para chegar com a equipe ainda mais preparada em Tóquio 2020”.

Deixe seu comentário